Herdade Paço do Conde, do Alentejo mais alentejano Convento do Paraíso, a reconquista do Algarve

Vinhos dos Açores, Encontros Inesperados

Texto Ilkka Sirén | Tradução Bruno Ferreira

Gosto de viajar. Quem é que não gosta?! Mas não gosto de andar de avião e acho que perder tempo em aeroportos é desumano, porém, algo pelo qual todos passamos. Agora, chegar ao nosso destino, isso é mágico! Descobrir novas coisas é como combustível para mim. É o que torna interessante esta nossa estranha vida.

Blend-All-About-Wine-Azores-Airport açores Vinhos dos Açores, Encontros Inesperados Blend All About Wine Azores Airport

À espera do meu voo no Aeroporto de Frankfurt – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Blend-All-About-Wine-Azores-Wagram-Vines açores Vinhos dos Açores, Encontros Inesperados Blend All About Wine Azores Wagram Vines

Vinhas em Wagram, Áustria – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Viajei recentemente para a Áustria e descobri alguns dos melhores vinhos brancos do mundo; Riesling e Grüner Veltliner. O que não sabia é que também ia descobrir algo completamente diferente. Para minha surpresa, um amigo meu também estava na Áustria durante a minha estadia. O plano era visitar algumas regiões vitivinícolas austríacas, como Wagram que é conhecida pelos seus vinhos Grüner e Roter Veltiner mas também pelos seus solos de loess profundos.

Depois do primeiro dia encontramo-nos no hotel para desfrutar de alguns copos de vinho com o grupo. Foi aí que as coisas começaram a ficar interessantes. Apesar de uma, aliás, duas pizzas terríveis que pareciam feitas de urânio terem passado pela mesa, houve um vinho que transformou completamente a noite.

Blend-All-About-Wine-Açores-Verdelho-O-Original açores Vinhos dos Açores, Encontros Inesperados Blend All About Wine Azores Verdelho O Original

Verdelho O Original by: António Maçanita 2014 – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

O meu amigo desencantou uma garrafa de vinho dos Açores, Verdelho O Original by: António Maçanita 2014. Denominado “Original” porque, aparentemente, as pessoas têm tendência a confundir Verdelho, Verdejo e Gouveio. E o Verdelho dos Açores é o original. O vinho? Muito fácil de beber. Acho que demorei 10s a terminar o primeiro copo. O Segundo copo foi ainda mais rápido. O vinho apresentava um estado de maturação particular mas com uma boa acidez a apoiar. Ligeiramente viscoso com toque salgado. Suspeito que tenha existido algum contacto com peles. De qualquer maneira tinha ombros. Fez-me ficar ainda mais interessado pelos Açores.

Este arquipélago está localizado a mais de 1000km a Oeste de Portugal Continental e, literalmente, no meio do nada. Um local tão isolado e ainda por descobrir pela maior parte das pessoas, que até o capitão Ahab diria “obrigado, obrigado mas não”. A verdade é que nem sequer sei a verdade. Infelizmente nunca fui aos Açores mas o rumor é que as ilhas deste arquipélago são fenomenais. Um paraíso raro. Não é <ainda> conhecido pelos seus vinhos ou qualquer palavra associada mas parece-me que se está ali a produzir algo que colocará os Açores no mapa vínico com um grande estrondo! Fico mesmo à espera e preciso de fazer da minha visita aos Açores, uma prioridade.

      About Ilkka Sirén
      Wine Writer - Blend | All About Wine
      2 comments
      • zegogo@live.com'
        José Silva
        REPLY

        Yes my friend, I agree with you. Something very special is happening in Azores towards the white wines, specially in S. Miguel and Pico islands. And winemaker António Maçanita is the main responsible for that. I´ve been travelling to Azores every year since 30 years now, and from the 9 islands I know 7 of them. They are all different but all magic!! I´ll be there this month and next month again. When you want we can arrange a wonderfull visit to Azores, I have many friends there and we can have Anyónio Maçanita with us as well. They say it is Atlantis that came from the bottom of the sea there…
        Cheers!!

      Leave a Reply

      Your email address will not be published.