Arundel, pelas terras de Pavia com Joaquim Arnaud Lusovini – Produção e Distribuição

Snob do vinho

Texto João Barbosa

Quem é chato é chato! Quem quer ser chato consegue ser chato. Provavelmente, ser-se chato é das poucas coisas em que não é necessário ter-se um estudo adequado, educação familiar ou genes. O talento em se ser chato não implica ter talento.

Já ser-se snob é diferente! Se o chato é um especialista, o snob é um chato com doutoramento. Um snob pode levar horas a perorar acerca dos matizes dos fígados dos pescados, da evolução da estética das jantes dos Maserati ou da importância do verde na cultura islâmica. Para um snob, as Variações de Goldberg por Glenn Gould são corriqueiras.

Acima de tudo… ou abaixo de tudo… um snob é um arrogante. Nenhum cavalheiro amesquinha ou se vangloria. Por isso, é alguém sem nobreza – sine nobilitate, expressão latina donde surgiu o vocábulo inglês.

Isto porque no vinho há chatos e snobes… os chatos são divertidos nas tabernas e os snobes insuportáveis nos salões. Sem escândalo mudamos de lugar na taberna ou fugimos, já a etiqueta impede tais movimentos em ambientes mais formais.

Parece simples, mas vou complicar. Penso que ninguém tem o direito de impor os seus gostos e conceitos. Porém, as diferenças entre as pessoas podem ser grandes e a ruptura torna-se inevitável. Nem outros têm de achar que a touriga franca é a melhor do mundo, como não sou obrigado a gostar de antão vaz.

Há uns dias provei vinhos com pessoas de diferentes nacionalidades e percebemos que, além das banalidades que estabelecem os padrões de qualidade, nada fazia convergir narizes e bocas. O problema não estava no reconhecimento da qualidade ou da sua falta, mas da divergência nos atributos que distanciam um vinho bem feito doutro bom ou de um excelente.

Blend-All-About-Wine-Wine Snob-Drinking rose vinho Snob do vinho Blend All About Wine Wine Snob Drinking rose

A provar Rosé in fm.cnbc.com

Um rosado deve ser doce? Um rosado deve ser doce e sem acidez? Um rosado deve ter sobretudo acidez? Podem parecer questões tolas, mas o assunto colocou-se. Nem sou dono da razão nem os oponentes são tolos ou desconhecedores. Eram pessoas habituadas a provar e justificavam as afirmações.´

Temos, os portugueses, a mania de elogiar os nossos vinhos, porque acompanham bem a comida, porque têm acidez. Isso é uma vantagem? Dizemos que sim… e se quisermos ficar só na conversa e sem um amanhã para os mandar para a cama, vamos insistir na obrigatoriedade da acidez? Porém, um xarope é feliz na amenização dum diálogo?

Temos, os portugueses, a mania de elogiar muito o carácter frutado dos nossos vinhos… mas… é uma vantagem? Sinceramente, frequentemente a fruta cansa-me e se é para saber a fruta, então que bebo sumo – dá-me vontade de gritar.

O meu citado debate não se ficou pelos rosés. Esse episódio tornou-se apenas na melhor ilustração do que o berço, latitude, longitude e cultura (sentido étnico) se podem traduzir. Mas posso acrescentar com informação vinda doutra conversa.

Quando valorizamos ou penalizamos um vinho pela cor estamos a ser justos ou correctos? Vou contornar tintos e brancos… um rosado é melhor ou pior se for cor-de-rosa, salmão ou alaranjado? É importante a cor ou não? Ou o vinho dá prazer através dos sentidos do olfacto e do paladar e apenas gostamos de acrescentar aspectos que não estão ligados?

Blend-All-About-Wine-Wine Snob-Rose colors vinho Snob do vinho Blend All About Wine Wine Snob Rose colors

Cores do Rosé in characterspub.com

Até ouvi dizer, mais do que uma vez, que o vinho é fantástico, porque agrada a todos os sentidos. Olfacto? Certo! Paladar? Certo! Tacto? Sim, na boca mostra rugosidade e macieza… Visão? Tem cor, vê-se se tem bom aspecto. Audição?… Ouve-se o saltar da rolha.

Juro! Ouvi essa proeza mais do que uma vez. Tenho a declarar que nem caibo em mim de feliz e contente quando oiço o som duma rolha a sair da garrafa… sou eu com a rolha e o cão de Pavlov com a sineta! Francamente! E a cor? Sinceramente, só me interessa enquanto servir para indicar a saúde do vinho. Debater tons de cor é tão útil como saber de cor as referências Pantone.

Ah! A cor dos pinot noir… de quais? Da Borgonha ou do Tejo? O vinho é para o nariz e para a boca! Penso que debater a cor do vinho – excluo a avaliação visual que permite saber da sanidade – é como discutir tons de pele.

Não tenho conhecimento nem pachorra para debater as diferenças ou variações das castas conforme a sua localização. Nem para certezas acerca da imutabilidade das características dos vinhos de cada região. O chato sabe tudo, incluindo aquilo que não sabe. O snob sabe e pensa que sabe tudo ou, pelo menos, mais do que os outros.

No final só me basta um resultado: prazer. Ou tive ou não. Felizmente, as conversas citadas não foram com chatos nem snobes. O que poderia ter sido um pesadelo foi aprendizagem. A verdade não muda, mas porque os pontos de vista variam o conhecimento é diverso.

Continuo sem gostar de rosados doces sem acidez. Porém, agora sei que se comparado com um refrigerante açucarado esse vinho pode ser fantástico.

PS: Snob era eu antigamente, agora sou apenas chato!

      Sobre João Barbosa
      Wine Writer Blend | All About Wine

      Deixar um comentário

      Your email address will not be published.