Justino’s Madeira Wine Yes we can: Madeira Vintners – Uma nova abordagem ao Madeira

Instituto do Vinho Madeira – Uma Masterclass que fez toda a diferença!

Texto Olga Cardoso

Instituto do Vinho, do Bordado e do Artesanato da Madeira, I.P. – IVBAM, é o organismo responsável pela fiscalização das actividades vitivinícolas regionais e pela certificação e controlo de qualidade do Vinho da Madeira.

Trata-se de um organismo que, dotado de autonomia administrativa e financeira, se preocupa eficientemente pela consolidação e crescimento sustentado da produção dos artigos tradicionais regionais, sem nunca esquecer a manutenção da qualidade e a sua promoção eficaz e crescente, quer a nível nacional, quer a nível internacional.

Blend_All_About_Wine_IVBAM_1 Instituto do Vinho Madeira – Uma Masterclass que fez toda a diferença! Instituto do Vinho Madeira – Uma Masterclass que fez toda a diferença! Blend All About Wine IVBAM 1

Instituto do Vinho, do Bordado e do Artesanato da Madeira, I.P. – IVBAM – Foto cedida por IVBAM | Todos os Direitos Reservados

A Madeira possui cerca de 400 hectares de vinha. Os terrenos agrícolas caracterizam-se por declives muito acentuados, que regra geral se encontram sob a forma de socalcos, designados por poios. A água de rega na Madeira é captada nas zonas altas da ilha e é conduzida através de canais denominados por “levadas” que integram um impressionante sistema de 2150Km de canais.

O sistema de condução mais tradicional é o da “latada” (pérgola), no qual as vinhas são conduzidas horizontalmente. Mais recente é o sistema de condução em espaldeira, que, no entanto, só pode ser utilizado em terrenos com declives menos acentuados.

Por regra, a vindima ocorre entre meados de Agosto e meados de Outubro e é feita de forma totalmente manual. Os esforços são muitos e os rituais espelham a dificuldade relativa a todo um sistema de minifúndio espalhado por uma orografia extremamente acidentada.

Falar de Vinho Madeira é o mesmo que falar em dramatismo. Dramaticidade essa que se manifesta não só na paisagem avassaladora da ilha, como também no método de vinificação dos seus vinhos e no seu longo período de estágio.

Dramaticidade é de facto uma palavra que assenta bem não só na Madeira mas em tudo o que é Português. Somos um povo dramático sim…e isso manifesta-se em diferentes aspectos da nossa cultura.

A nossa canção ou música nacional é o  Fado – existirá outra tão forte, triste ou sentida? Realmente percebo a dificuldade de alguém proveniente do Norte da Europa, pessoas normalmente mais frias, precisas e desprovidas de sentimentos tão melancólicos, ou de alguém proveniente de países mais alegres e descontraídos como são os países do continente Sul Americano.

De facto, não deve ser fácil perceber todos estes nossos sentimentos exacerbados!

Mas voltando a falar de vinho…é realmente um orgulho ser Português. Somos ainda neófitos no que respeita a vinhos de mesa. Ganhámos hoje vários prémios internacionais e somos já contemplados por publicações como a Wine Spectator com lugares cimeiros no que concerne aos melhores vinhos do mundo. Mas nesta área, há ainda um longo caminho a percorrer, isto se quisermos manter e incrementar todo este reconhecimento de qualidade.

Produzimos pouco mais de 6 milhões de hectolitros por ano. Querer estar no topo do mundo no que diz respeito à qualidade, exigirá muito de nós no futuro. Querer espalhar a boa nova pelo consumidor internacional e não ficar cingido apenas ao reconhecimento das revistas, exigirá muito mais ainda. Sim, porque não se esqueçam que uma coisa é o reconhecimento da imprensa e outra, bem diferente, é a aceitação dos consumidores, esses sim, irão permitir o crescimento dos vinhos portugueses.

A imprensa compra vinhos? Não. O trade compra vinhos? Sim, mas para vender e só enquanto isso financeiramente se justificar. Então quem é que temos de conquistar? Os consumidores – naturalmente!

Ora bolas, lá estou eu a divagar…voltemos então ao Vinho Madeira e ao IVBAM.

Este ano fui 4 vezes à Madeira e estou prestes a embarcar novamente. É verdade…não me canso e penso até ficar muito mais ligada àquela ilha no futuro.

A última viagem à Madeira, que ocorreu em meados de Novembro 2014, foi realmente marcante. Toda a equipa Blend – All About Wine’s team members ficou muito bem impressionada. Visitamos todos os produtores de Vinho Madeira e fizemos ainda uma prova genérica de vinhos de mesa Madeirenses.

Experimentamos diferentes restaurantes fantásticos da ilha e percebemos o seu enorme potencial turístico…ainda tão estranhamente esquecido no que respeita aos seus vinhos!

Os vinhos provados ao longo dos 5 dias de viagem foram muitos e de elevada qualidade. Vinhos novos, mas sobretudo vinhos muito velhos. Vários vinhos com mais de 100 anos, que nos contaram e nos provaram toda a peculiaridade desta ilha vitícola.

Alguns deles foram provados durante a MasterClass do IVBAM, muito bem conduzida pela Chefe da Câmara de Provadores – Rubina Vieira.

Blend_All_About_Wine_IVBAM_2 Instituto do Vinho Madeira – Uma Masterclass que fez toda a diferença! Instituto do Vinho Madeira – Uma Masterclass que fez toda a diferença! Blend All About Wine IVBAM 2

MasterClass do IVBAM, conduzida pela Chefe da Câmara de Provadores – Rubina Vieira © Blend All About Wine, Lda.

Para além de bem conduzida, esta MasterClass foi ainda simpaticamente personalizada. Sim, foi uma Blend – All About Wine Masterclass – nada e criada para nós!

Provámos 12 vinhos provenientes de diferentes anos, produtores e castas. Começamos com um Colheita de 1996 e terminámos com um Verdelho de 1850.

Os que mais me impressionaram foram o Sercial 1862 e o Moscatel 1875. O Bastardo de 1927, pela sua diferença e raridade, também não me passou indiferente.

Complexidade, concentração, profundidade e equilíbrio foram características comuns a estes dois vinhos, sendo o primeiro, obviamente, bastante mais seco e muito mais delgado do que o segundo, o qual revela aspectos mais viscosos e melosos, embora se tenha mostrado muito harmonioso e sem revelar qualquer tipo de excessos. Que grandes vinhos!

Mas o que importa aqui não é falar dos vinhos e/ou produtores pelas suas particularidades ou diferenciações, isso caberá a cada um dos meus colegas, ao falarem de cada produtor individualmente.

Aqui importará falar do Vinho Madeira em toda a sua plenitude e grandiosidade. São 5 as castas ditas nobres do Vinho Madeira. Numa classificação estipulada por grau crescente de doçura temos: Sercial, Verdelho, Boal e Malvasia e sim…o Terrantez!!!

Em termos de grau de doçura ficará entre o Verdelho e o Boal, mas sendo tão raro, e correspondendo a menos de 1% das plantações da ilha, nem sequer poderá ser considerado!

Falámos de uma casta que dá lugar a vinhos absolutamente excepcionais. Pense-se por exemplo na enormidade do Terrantez 1880 da Pereira D’Oliveira…talvez um dos vinhos mais perfeitos que provei até hoje.

 

Blend_All_About_Wine_IVBAM_3 Instituto do Vinho Madeira – Uma Masterclass que fez toda a diferença! Instituto do Vinho Madeira – Uma Masterclass que fez toda a diferença! Blend All About Wine IVBAM 3

Mesa de Prova © Blend All About Wine, Lda.

Não sendo considerada uma casta nobre, a Tinta Negra, é uma casta muito utilizada no Vinho Madeira. Hoje em dia são já consideráveis, não só em quantidade mas também em qualidade, os vinhos Madeira produzidos através dessa casta.

No que respeita à ordem de vindima, as castas colhidas, por uma habitual ordem de prioridade, são:

  1. Verdelho;
  2. Boal;
  3. Tinta Negra;
  4. Malvasia;
  5. Sercial;

No que respeita ao processo de vinificação e/ou envelhecimento verifica-se que poderá ocorrer por um de dois processos: Estufagem ou Canteiro.

Estufagem: – O vinho é colocado em estufas de aço inox, aquecidas por um sistema de serpentina, por onde circula água quente, por um período nunca inferior a 3 meses, a uma temperatura entre os 45 e 50 graus Celsius. Concluída a «estufagem», o vinho é sujeito a um período de «estágio» de pelo menos 90 dias à temperatura ambiente. A partir deste momento pode permanecer em inox, ou ser colocado em cascos de madeira, até reunir as condições que permitem ao enólogo fazer o acabamento do vinho, para que possa ser colocado em garrafa, com a garantia de qualidade necessária. No entanto, estes vinhos nunca podem ser engarrafados e comercializados antes de 31 de Outubro do segundo ano seguinte à vindima. São vinhos maioritariamente de lote.

Canteiro: – Os vinhos seleccionados para estágio em Canteiro (esta denominação provém do facto de se colocar as pipas sob suportes de traves de madeira, denominadas de canteiros) são envelhecidos em cascos, normalmente nos pisos mais elevados dos armazéns onde as temperaturas são mais elevadas, pelo período mínimo de 2 anos. Trata-se de um envelhecimento oxidativo em casco, desenvolvendo os vinhos, características únicas de aromas intensos e complexos. Os vinhos de canteiro só poderão ser comercializados, decorridos pelo menos 3 anos, contados a partir de 1 de Janeiro do ano seguinte ao da vindima.

No que respeita à fortificação, verifica-se que esta consiste na paragem da fermentação com a adição de álcool vínico a 96% vol. A escolha do momento da interrupção da fermentação faz-se de acordo com o grau de doçura pretendido para o vinho, podendo-se, com este procedimento, obter quatro tipos de vinho: o seco, o meio-seco, o meio-doce e o doce.

Para mim, falar de Vinho Madeira é o mesmo que falar em Vinhos apaixonantes, envolventes e arrebatadores. Confesso-me completamente rendida os seus encantos. Sou uma Madeira Wine Geek…é verdade!

Volúpia e sedução, luxúria e lascívia andam por aqui de mãos dadas com uma enorme sensibilidade, delicadeza e erudição. Quem disse que estas características aparentemente antagónicas não se podem harmonizar na perfeição? Será que toda esta energia telúrica, toda esta autenticidade e profundidade, consubstanciarão mesmo o sabor antecipado do paraíso?

Voltaire dizia que os Tokaji possuíam o condão de conferir vigor à mais pequena fibra do seu cérebro. Bom, o Senhor era um iluminista e eu não sou…mas acho que é realmente isto que se passa comigo relativamente ao Vinho Madeira!

Mas enquanto o Tokaji é considerado o Rei dos Vinhos e o Vinhos dos Reis (assim o disse um dia Louis XV ao oferecer um copo daquele vinho à sua amante Madame de Pompadour), permitam-me dizer que, para mim, pela sua acidez triunfante e o seu mártir processo de vinificação, condições que o tornam quase imortal, o Madeira é muito mais do que um Vinho dos Reis…é um verdadeiro vinho dos DEUSES!

E por último mas não menos importante, vejam este excelente vídeo sobre o vinho Madeira.

Vídeo cedido por Instituto do Vinho, do Bordado e do Artesanato da Madeira, I.P. – IVBAM

Contactos
Instituto do Vinho, do Bordado e do Artesanato da Madeira, I.P.
Rua Visconde de Anadia, nº44
9050-020 Funchal
Tel: (+351) 291 211 600
Fax: (+351) 291 224 791
E-mail: ivbam.sra@gov-madeira.pt
Site: www.ivbam.gov-madeira.pt

      About Olga Cardoso
      Partner and co-founder Blend | All About Wine

      Leave a Reply

      Your email address will not be published.