Posts Tagged : port wine

Se Está Destinado, Está Destinado

Texto Ilkka Sirén | Tradução Bruno Ferreira

Era o Verão de 2009. Estava a trabalhar em Bierzo, Espanha, no transporte da uva das vinhas para a adega. Para mim era o realizar de um sonho. Quer dizer, só o facto de poder trabalhar ao ar livre, nas vinhas, algo que na Finlândia é impossível, foi uma experiência fantástica. Sempre que tinha fins-de-semana de folga costumava pedir emprestado o carro aos meus amigos e descia até ao Vale do Douro. Já conhecia o local de lá ter trabalhado em vindimas anteriores, em 2008. A viagem de ida e volta entre Bierzo e o Douro, duas das minhas regiões vitivinícolas preferidas, continua a ser uma das memórias que guardo com mais carinho. Vinho, comida, viajar, sem mulher e sem filhos. Só eu e o meu saca-rolhas. Noites longas e memórias tremidas de pessoas a decantar uma garrafa de vinho do Porto Taylor’s 1966 Vintage através de um espremedor de limões. Uma espécie de casa de fraternidade, recheada de jovens aspirantes a enólogos. Bons tempos. Não é que me esteja a queixar da minha vida actualmente, mas sabem como é… Nessa altura já estava completamente apaixonado pelo Douro e planeava mudar-me para lá um dia.

Blend-All-About-Wine-Meant-To-Be-Taylor’s-1966-Vintage-Port Se Está Destinado, Está Destinado Se Está Destinado, Está Destinado Blend All About Wine Meant To Be Taylor   s 1966 Vintage Port

Taylor’s 1966 Porto Vintage – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Blend-All-About-Wine-Meant-To-Be-Decanting-Port-Wine-Through-a-lemon-juicer Se Está Destinado, Está Destinado Se Está Destinado, Está Destinado Blend All About Wine Meant To Be Decanting Port Wine Through a lemon juicer

Decantar vinho do Porto Através de Um Espremedor de Limões – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Mas estar longe de casa durante longos períodos de tempo não é fácil. Terminei tudo com a minha namorada de longa data antes de fazer a mala e viajar para Bierzo, como errante do vinho que sou. A Finlândia estava no meu retrovisor e pensei, já está, é isto. Como estava errado! É como dizem; a ausência faz o coração gostar mais. E não demorou muito até me aperceber o quão idiota fui por ter deixado a minha namorada para trás. O clássico idiota. Por sorte, antes de terminarmos, ela tinha comprado um bilhete para Espanha e não queria perder a oportunidade de fazer uma boa viagem, e então decidimos que seria bom ela vir visitar-me a Bierzo. Vi a minha segunda oportunidade, a oportunidade de corrigir as coisas. Sabia que não queria viver a minha vida sem ela e comecei a planear o pedido de casamento.

Blend-All-About-Wine-Meant-To-Be-Bierzo-circa-2009 Se Está Destinado, Está Destinado Se Está Destinado, Está Destinado Blend All About Wine Meant To Be Bierzo circa 2009

Bierzo em 2009 – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Uma semana antes da minha então ex-namorada vir a Bierzo, fui dar uma volta ao Douro à procura de locais onde pudesse fazer o pedido. Queria que fosse especial, e mais especial que o Douro não existe. Conduzi durante um dia inteiro, a visitar vinhedos à procura do sítio perfeito. Nessa noite dormi no carro, no Pinhão, junto ao rio, porque não tinha onde ficar e precisava do dinheiro para poder ter gasolina para a nova viagem ao Douro na semana seguinte. Mas a missão de reconhecimento foi um sucesso porque encontrei um vinhedo fantástico, com uma vista magnífica para o rio. Na semana seguinte fazia esse mesmo percurso, Bierzo-Galiza-Douro, ao lado da minha futura mulher. Ela só ainda não o sabia.

Blend-All-About-Wine-Meant-To-Be-Douro-valley Se Está Destinado, Está Destinado Se Está Destinado, Está Destinado Blend All About Wine Meant To Be Douro valley

Vale do Douro – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Para encurtar um pouco esta longa história, levei-a àquele lugar especial, fiz o pedido e ela disse que sim. Escusado será dizer que a nossa relação pessoal e a nossa relação com o Vale do Douro ficaram profundamente interligadas. Nessa noite ficamos no acolhedor hotel rural da Quinta do Pégo. Como não tinha um anel para lhe dar, fomos ao Porto no dia seguinte. Depois de procurar um bocado, comprei basicamente o anel de “prata” mais barato que consegui encontrar em Vila Nova de Gaia. Já sei, sempre a manter a classe… Mas toda a viagem foi única, divertida e foi também uma maneira fantástica de começar a nossa vida a dois. Devemos muito disso a Portugal.

Blend-All-About-Wine-Meant-To-Be-Dom-Luís-I-Bridge Se Está Destinado, Está Destinado Se Está Destinado, Está Destinado Blend All About Wine Meant To Be Dom Lu  s I Bridge

Ponte de D. Luís – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Há algumas semanas, por uma qualquer bizarra coincidência, o meu sogro deu-me a provar um vinho às cegas, coisa que raramente faz. Provo-o. Definitivamente um vinho do Porto, provavelmente um LBV. Mas quando vi que o vinho era, na realidade, um Quinta do Pégo LBV 2009… a mesma quinta em que ficamos quando pedi a minha mulher em casamento e a colheita desse ano. Não faço ideia onde o meu sogro arranjou aquele vinho, além de que ele não sabia qual era a quinta, portanto, foi pura coincidência… Ou será que não? De qualquer forma, trouxe à tona todas aquelas memórias, qual potenciador vínico de memória! O vinho? Denso, frutado e tânico. O típico LBV jovem. Precisa de alguns anos para se abrir. Mas mais do que isso, este vinho foi bom para relembrar que um vinho não precisa de ser sempre o mais caro ou o melhor para nos tocar. Apesar de ser um LBV normalíssimo, é um dos melhores LBVs que já provei. Fez-me realmente feliz.

Blend-All-About-Wine-Meant-To-Be-Quinta do Pégo 2009 Se Está Destinado, Está Destinado Se Está Destinado, Está Destinado Blend All About Wine Meant To Be Quinta do P  go 2009

Quinta do Pégo 2009 – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Contacts
Hotel Rural Qta. do Pégo
Valença do Douro
5120-493 Tabuaço
Tel. + 351 254 73 00 70
Fax + 351 254 73 00 79
E-mail: info@quintadopego.com
Website: www.quintadopego.com

Vintage Taylor’s no topo da bolsa de valores

Texto João Barbosa

O meu pai era artista plástico, pintor. Para ele, os investidores eram um híbrido de pessoas com síndrome de Diógenes e de agiotas. Contudo, esta sentença não aplicava a todos.

Ir com o meu pai a um museu tinha tanto de fascinante quanto de aborrecido. Cativante nas palavras, mostrava o que muitos não viam. Depois fixava-se unicamente na obra, para dela colher o máximo de informação e prazer, e tornava-se…

– Pai, ainda vai demorar muito? Não podemos passar à outra sala?

O meu pai tem obras em museus, galerias privadas e espólio de investidores. O que irritava o meu pai não era o dinheiro, mas a escuridão dos cofres e a especulação post mortem.

Blend-All-About-Wine-Taylors-Picasso Vintage Taylor’s no topo da bolsa de valores Vintage Taylor’s no topo da bolsa de valores Blend All About Wine Taylors Picasso

Pablo Picasso in web.guggenheim.org

O meu amigo Manuel Jorge recontava que os descendentes de Pablo Picasso destruíram imensas obras depois de este andaluz falecer, para que se desse uma valorização. Chocava-o o cinismo, oportunismo, desrespeito pelo artista e, sobretudo, pelo homem.

Os investidores, dividia-os em dois grupos: os que mostravam publicamente as obras e os que se limitavam em pô-las em cofres. Eram, os segundos, que magoavam – é o termo.

Convenceu-me, em parte. Há uma certa velhacaria na compra e açambarcamento de produtos únicos, cujo valor ou interesse não respeitam, importando apenas a mais-valia. São os compradores de assinaturas.

Os maiores investidores são peritos e/ou têm especialistas que os aconselham. Ainda assim, sabe-se que há fraudes. Não contrafacções, é crime relativamente fácil de topar, mas falsificações, obras originais que convencem os olhos entusiasmados dos especialistas.

É assim com a arte como com o vinho. Não tenho qualquer complexo em relação ao negócio – tal como o meu pai – julgo que fui claro. O negócio existe, e ponto final.

Tenho um amigo que surfa no mundo dos vinhos. Não faz qualquer batota, apenas o que qualquer negociante quer: comprar cedo, para obter melhor preço, e vender quando há mais-valia.

Não é o único, o processo é simples e «só» exige capital inicial. Compra Bordéus e Borgonhas em primor e desfaz-se deles quando a cotação lhe dá ganhos. Guarda uma ou duas garrafas para si e com o restante ganho aplica na compra de futuras colheitas.

Este meu camarada é um «bom» investidor, usufrui do que compra e ganha dinheiro. A «malvadez» dos outros é uma a avaliação é subjectiva.

Sejam «bons» ou «maus», procuram bons negócios. É bom saber que há vinhos portugueses considerados como investimento seguro.

Blend-All-About-Wine-Taylors-Top-20-Performers-Rest-of-the-World Vintage Taylor’s no topo da bolsa de valores Vintage Taylor’s no topo da bolsa de valores Blend All About Wine Taylors Top 20 Performers Rest of the World

Top 20 Performers in the Rest of the World Index in www.blog.liv-ex.com

índice Live-ex Fine Wine 1000, da revista The Drink Business, tem estado em baixa, mas os Taylor’s empurraram 3,2% o sub-índice Rest of the World 50. Os Bordéus valorizaram-se 1,1%.

Blend-All-About-Wine-Taylors-Vintage-Port-1994 Vintage Taylor’s no topo da bolsa de valores Vintage Taylor’s no topo da bolsa de valores Blend All About Wine Taylors Vintage Port 1994

Taylor’s Vintage Port 1994 in www.taylor.pt

O vinho mais caro do Rest of the World 50 é um Taylor’s, tal como o terceiro, quarto, sétimo e 13º. Infelizmente, no top 20 não há mais vinhos portugueses. O Vinho do Porto Vintage de 1994 da Taylor’s lidera os ganhos, com uma progressão de 41,4%, entre Julho e Fevereiro. O 13º da lista, de 2007 e também da mesma casa, valorizou-se 10,3%.

Contactos
PO Box 1311
EC Santa Marinha
4401-501 Vila Nova de Gaia
Portugal
Tel: (+351) 223 742 800
Fax: (+351) 223 742 899
Website: www.taylor.pt

Bicentenário do Porto Fonseca

Texto João Barbosa

Os vinhos podem dividir-se em bons e maus; os que têm estórias e os que não têm; e os que têm História e os que a não chegam. A este degrau chegam os bons. A longevidade dá a nascer estórias que contam história. A regularidade cria boa reputação e concede estatuto elevado. Os Portos da Fonseca reúnem «bondade», estórias, história, fiabilidade e reputação.

Os centenários são pretexto para brindes. A firma Fonseca hoje integrada no grupo The Fladgate Partnership, celebra o bicentenário. Logo num ano em que outro – substancialmente mais importante – se evoca.

No século XVI viveu um senhor, de seu nome Michel de Nostredame, que ficou célebre pelas profecias, aparentemente certeiras. Profetizou – leia-se e interprete-se como se quiser – o surgimento de três anticristos. O primeiro seria Napoleão Bonaparte e o segundo Adolf Hitler, cuja grafia apresenta semelhanças com o «Hister» anunciado pelo vidente.

Blend-All-About-Wine-Fonseca-200-Wines Bicentenário do Porto Fonseca Bicentenário do Porto Fonseca Blend All About Wine Fonseca 200 Wines

Vinhos do Porto Fonseca in the-yeatman-hotel.com

Tomo a liberdade de reescrever esta «verdade» acerca de anticristos: Josef Stalin, Fuminaro Konoe, Hideki Tojo, Mao Tse Tung, Pol Pot… e muitos ditadores de menor relevo. Napoleão só aos olhos da época pôde ser demónio. Segurou os lemas da Revolução Francesa e espalhou-os – muito enviesadamente – pela Europa.

Antes da «verdadeira» guerra napoleónica, desenrolou-se a Guerra das Laranjas, em 1801, em que Espanha roubou Olivença. Em 1806, Portugal recusou-se a subjugar-se à ordem de participar no bloqueio naval às ilhas britânicas. Por isso foi invadido por Espanha e França, tendo o Rei Dom João VI, a família, a Corte e os criados fugido para o Brasil.

Houve três invasões francesas, em 1807, 1809 e 1810. Designada por Guerra Peninsular, as entradas foram lideradas por Jean-Andoche Junot, Nicolas Jean de Dieu Soult e André Massena. Em 1811, as tropas anglo-lusas chutaram os invasores franceses e espanhóis.

Napoleão Bonaparte caiu diante das tropas britânicas, comandadas por Arthur Wellesley, e aliados, em 18 de Junho de 1815, na Batalha de Waterloo. Findo o conflito, os soldados regressaram; os patriotas da Leal Legião Lusitana e os traidores da Legião Lusitana, que serviram França. Muitos dos traidores foram poupados e alguns têm até nome de rua. Não entendo o meu país.

Os chineses escrevem crise com dois sinais gráficos conjugados: perigo e oportunidade. O risco é inerente aos negócios e em clima de guerra torna-se mais difícil. A Guerra Peninsular terminou a 10 de Abril de 1814, na Batalha de Toulouse. As notícias chegavam lentas, era quase impossível estar actualizado das movimentações dos exércitos. Ainda que tenha passado um ano, montar um negócio naquele contexto foi muito arriscado, até porque o cliente estava na Grã-Bretanha e no mar ainda havia navios inimigos.

Em 1815, João dos Santos Fonseca comprou, apoiado pela família Monteiro, 32 pipas de Vinho do Porto. Mais tarde chegou, em 1860, a família Guimarães – nome anglicizado para Guimaraens – e posteriormente a Yeatman, na segunda metade do século XX.

Uma firma ainda familiar. Duzentos anos depois, o que se pode dizer? Está tudo escrito nos dois primeiros parágrafos.

Contactos
Quinta do Panascal
5120-496 Valença do Douro
Tel: (+351) 254 732 321
E-mail:marketing@fonseca.pt
Website: www.fonseca.pt

Vinhos Vasques de Carvalho

Texto João Barbosa

Esquecendo a escala cósmica, um século é um sítio longínquo. Nesse tempo o mundo era a preto e branco… é o que se vê nas fotografias. Fora de brincadeira, atingir essa marca é para celebrar.

Não sendo absolutamente extraordinário, a verdade é que poucos humanos podem ou puderam dizer que chegaram ou ultrapassaram a barreira do século. Ainda há dias partiu o cineasta Manoel de Oliveira, aos 105 anos. Quem o conheceu diz que era uma pessoa de grande jovialidade – tal como estes vinhos.

Assim acontece com as empresas ou data de assentamento duma família num território. É na assinatura desse contrato que a história começa a contar. A companhia é jovem, criada em 2000, mas as raízes são seculares. A família Vasques de Carvalho estabeleceu-se em meados do século XIX no Vale do Rodo, onde hoje tem cinco hectares de vinha velha, plantada nos tradicionais em socalcos. Como a grande maioria dos agricultores do Douro, os Vasques de Carvalho vendiam o vinho às firmas de Gaia. Porém…

Porém, houve um ano em que José Vasques de Carvalho, bisavô do actual administrador, não abriu mão da colheita. O lavrador guardou tudo de 1880. É uma jóia, confirmando a visão desse lavrador oitocentista.

Ponto de ordem à mesa! O que já se pode conhecer? Além de Vinho do Porto, a Vasques de Carvalho apresenta uma gama de vinhos com denominação de origem Douro. Comum a todos eles, um perfil aromático muito elegante. Uma vez que as uvas brancas são compradas fora, penso que o desenho é arte do enólogo, Jaime Costa, de reconhecida competência. Todos eles muito frescos e elegantes.

Blend-All-About-Wine-Vasques-de-Carvalho-Oxum-white Vinhos Vasques de Carvalho Vinhos Vasques de Carvalho Blend All About Wine Vasques de Carvalho Oxum white

Oxum branco 2013 in vasquesdecarvalho.com

O Oxum Branco 2013 fez-se com uvas das castas viosinho, gouveio e rabigato. É bom vinho para tema de conversa entre enófilos apaixonados em debater os temas do nariz e da boca. Jaime Costa, que tem galões de general, refere «muito mineral, com notas frutadas de pêssego e citrinos maduros». Penso diferente e em concordância com o parceiro de prova: delicado sem ser frágil, com ramalhete de suave jasmim, flor de laranjeira e uma pitada de limão. A boca, infelizmente, fica aquém dos aromas. Cada qual escolha a sua, entre estas duas e outras hipóteses. Mas… belo vinho.

Ora, o branco foi onde mantive maior divergência quanto ao enólogo, que foi persistente nos Douro. Sinceramente, acho que escrever descritores é aborrecido e duvido que alguém vá comprar 0,75 litros de frutos vermelhos…

Blend-All-About-Wine-Vasques-de-Carvalho-Oxum-red Vinhos Vasques de Carvalho Vinhos Vasques de Carvalho Blend All About Wine Vasques de Carvalho Oxum red

Oxum tinto 2012 in vasquesdecarvalho.com

Oxum Tinto 2012 mantém o apetite. Elegante e prazenteiro, com o Douro dentro e uma elegância acima da média. Acima fica o X Bardos Tinto 2012, robusto como um cavaleiro e de bom trato, com notável fundura de boca.

Blend-All-About-Wine-Vasques-de-Carvalho-Bardos Vinhos Vasques de Carvalho Vinhos Vasques de Carvalho Blend All About Wine Vasques de Carvalho Bardos

X Bardos branco 2012 in vasquesdecarvalho.com

Os Tawnies provados divergem entre si. Ah! A elegância aromática estende-se a estes vinhos. A divergência é que esperava bem mais do Tawny 10 anos. Penso que pode ser melhorado.

Blend-All-About-Wine-Vasques-de-Carvalho-10-anos Vinhos Vasques de Carvalho Vinhos Vasques de Carvalho Blend All About Wine Vasques de Carvalho 10 anos

Vasques de Carvalho 10 anos Tawny in vasquesdecarvalho.com

Dez anos não são 40, comparáveis em exercício intelectual. O Vasques de Carvalho 40 anos é um vinhaço. Um vinhaço! Um vinhaço! Um vinhaço!

Blend-All-About-Wine-Vasques-de-Carvalho-40-anos Vinhos Vasques de Carvalho Vinhos Vasques de Carvalho Blend All About Wine Vasques de Carvalho 40 anos

Vasques de Carvalho 40 anos Tawny in vasquesdecarvalho.com

Votos de sucesso, pois que produtores deste nível são sempre benvindos – recuso-me a escrever bem-vindos, por falta de lógica. Pois… já me esquecia… a firma porá à venda 750 garrafas do vinho de 1880. Uns milhares de litros do tesouro vão continuar sossegados nos tonéis. Um vinho com «tudo» dentro. Só vendo com nariz e boca.

Contactos
Vasques Carvalho
Av. Dr. Antão de Carvalho n. 43
5050-224 Peso da Régua
Douro, PORTUGAL
Telemóvel: (+351) 915 815 830
Tel: (+351) 254 324  263
Fax: (+351) 254 324 263
E-mail: vasquescarvalho43@gmail.com
Website: vasquesdecarvalho.com

Bruxas da Páscoa e Vinho do Porto

Texto Ilkka Sirén | Tradução Bruno Ferreira

Chegou a Páscoa. Nós, finlandeses, somos exímios em pegar num feriado religioso, retirar-lhe tudo o que seja religioso e transformá-lo numa grande festa para comer e beber. Claro que há aqueles que seguem a tradição, mas para a maior parte das pessoas é apenas um longo fim-de-semana com amigos e família à volta de uma mesa a passar um bom bocado. Claro que temos uma boa parte de tradições de Páscoa. Os coelhinhos da Páscoa, os ovos de galinha e de chocolate são abundantes. O ovo de chocolate mais famoso é o Mignon e tem estado presente desde os finais do século XIX. Consiste na casca de um ovo verdadeiro recheada com nougat de amêndoa-avelã. Os tradicionais ovos de chocolate ocos não são nada quando comparados a este. Todas as Páscoas há cerca de 2 milhões de ovos Mignon à espera de serem consumidos, um número considerável tendo em conta que são todos feitos à mão.

Blend-All-About-Wine-Ilkka-Siren-and-Brother Bruxas da Páscoa e Vinho do Porto Bruxas da Páscoa e Vinho do Porto Blend All About Wine Ilkka Siren and Brother

Eu e o meu irmão mais velho vestidos de bruxas – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Falando de tradições estranhas da Páscoa, durante este período, os finlandeses também cultivam erva em casa. Calma, não é a ilegal mas sim a normal azevém verde, que é colocada numa pequena taça em cima da mesa para simbolizar o renascimento da vida depois do Inverno e a chegada da Primavera. Além disso há também a tradição de vestir as crianças de bruxas. Sim, é mesmo isso. Acredita-se que antigamente havia, durante a Páscoa, bruxas montadas nas suas vassouras que faziam todo o tipo de travessuras. Agora os miúdos vão de porta em porta vestidos de bruxas, abanando galhos de salgueiro aos estranhos para lhes desejar felicidades, e em troca podem receber alguns doces. Uma estranha mistura de tradições Ortodoxas e Pagãs. Antigamente eram feitas grandes fogueiras para espantar as bruxas, tradição essa que ainda hoje se mantém. Como pode ver na fotografia acima, em criança, costumava passar todas as Páscoas a parecer a avó do Harry Potter.

Blend-All-About-Wine-Graham’s-LBV-2008 Bruxas da Páscoa e Vinho do Porto Bruxas da Páscoa e Vinho do Porto Blend All About Wine Graham   s LBV 2008

Graham’s LBV 2008 – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Felizmente a minha carreira como Dumbledore não estava destinada. Em vez disso, posso beber este LBV mágico de 2008 da Graham’s e relaxar com a minha família. Na Finlândia o consumo de vinho sobe um pouco durante a Páscoa. Especialmente o vinho tinto que nas lojas de monopólio atinge mais 64% de vendas do que numa semana normal. O consumo de vinhos de sobremesa também sobe um bocado, o que me traz a este vinho do Porto. Um LBV aveludado é uma bebida excelente para Páscoa. Eu costumo servir Moscato d’Asti com sobremesas mais leves, como panna cotta. Mas com sobremesas de chocolate mais pesadas e com mämmi (uma estranha sobremesa finlandesa) prefiro um LBV firme. 2008 foi o ano da minha primeira visita a Portugal e trabalhei na vindima do Vale do Douro. Lembro-me de que o Verão não foi particularmente quente, para o que Portugal está habituado. Mas para mim, um pálido menino finlandês, parecia que estava a assar no forno e que estava a ficar maduro muito mais rápido do que as uvas. Quando a colheita começou houve algumas previsões meteorológicas sombrias e, mesmo com algumas chuvas, provavelmente muito necessárias, a qualidade do vintage saiu muito boa. Especialmente nalguns Single Quintas e, o nível do LBV é, na verdade, mais do que bom.

Blend-All-About-Wine-Port-and-Old-Gouda Bruxas da Páscoa e Vinho do Porto Bruxas da Páscoa e Vinho do Porto Blend All About Wine Port and Old Gouda

Vinho do Porto e Gouda Velho – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Com este firme mas delicado LBV Graham’s 2008 optei por algo super clássico no que toca à harmonização. Vinho do Porto e um queijo Gouda velho a desfazer-se é, provavelmente, a minha harmonização favorita de sempre. Quando o queijo se desfaz em pequenos cristais salgados na boca e o ingerimos juntamente com este vinho do Porto rico, frutado e com muita profundidade…o resultado final é, provavelmente, a coisa mais próxima da perfeição. O Porto tem já alguns anos e, sendo um LBV, começa já a ganhar aquela suavidade atraente em torno das bordas, continuado a ser vibrante e delicioso. Vou saborear este vinho com um grande sorriso no meu rosto e manter o copo debaixo de olho para que as sedentas bruxas da Páscoa não o venham roubar.

Contactos
Graham’s Porto
Vila Nova de Gaia
Portugal
Tel: (+351) 223 776 484 / 485
Email: Lodge: grahams@grahamsportlodge.com
             Geral: grahams@grahams-port.com
Website: www.grahams-port.com

A Santa Aliança dos Cheesburgers e Vinho do Porto

Texto Ilkka Síren | Tradução Bruno Ferreira

Antes que começem já com “Não, ele não pode ter feito isso”, pensem nisto por um bocadinho. Não é suposto a harmonização de vinho e comida ser uma coisa impossível. E, se pensarmos demasiado na questão corremos o risco de ficarmos entediados pela nossa própria curiosidade. O que vos quero dizer é: fiquem-se pelo simples. Descobrir uma boa harmonização de comida e vinho é, para mim, algo excitante e as regras são, não há regras! Sim, por vezes é preciso arriscar e experimentar algo que normalmente não associamos a certos vinhos. Neste caso foi um cheeseburger com vinho do Porto.

Blend_All_About_Wine_Holy_Alliance_1 A Santa Aliança dos Cheesburgers e Vinho do Porto A Santa Aliança dos Cheesburgers e Vinho do Porto Blend All About Wine Holy Alliance 1

Cheeseburger e rolha da garrafa acabadinha de abrir – Foto de Ilkka Síren | Todos os Direitos Reservados

Quero desde já deixar uma coisa perfeitamente clara. Eu amo vinho do Porto. Estou sempre a provar todo o tipo de vinhos, cervejas, cidras e bebidas espirituosas e tudo o que tenha o seu quê de <oomph>. Mas nada chega aos calcanhares de um bom vinho do Porto. É simplesmente um incrível e delicioso líquido. Existem muitas comidas boas para acompanhar com vinho do Porto. E, apesar de ser maioritariamente associado a sobremesas, acho que é muito mais gastronomicamente versátil do que isso. Confesso que esta harmonização Hamburger-Porto começou por ser apenas uma semi-intencional tentativa de provocação. Já ouvi pessoas a falar de harmonizações como por exemplo, vinho do Porto e bife suculento com pimentos. Então pensei, porque não fazê-lo com algo ainda mais comum, tipo um hambúrguer. Uma voz dentro da minha cabeça dizia-me que não iria funcionar, mas já aprendi a suprimir esse instinto.

Não quis estar a elaborar muito, sabia que para isto funcionar teria que ser com um cheeseburger, ou melhor, um DOUBLE-cheeseburger. Acompanhar queijo com vinho do Porto é bastante comum e algo de que eu gosto muito. Sempre gostei mais da combinação de sabores doces com salgados do que de doce com doce. Fazer hamburgers não é, normalmente, tarefa complicada, mas a escolha dos ingredientes é a chave para que esta harmonização funcione. Um bom bife com uma pitada de pimenta preta, queijo cheddar – nada dessas porcarias pré-cortadas – e ainda fiz a minha própria maionese de chipotle para conferir um bom sabor picante ao conjunto. Cebola vermelha em conserva para a acidez conferir algo especial e essencial ao hamburger. Nunca esquecendo a verdadeira definição de um bom hamburger: tem de ser possível comê-lo com as mãos.

Blend_All_About_Wine_Holy_Alliance_2 A Santa Aliança dos Cheesburgers e Vinho do Porto A Santa Aliança dos Cheesburgers e Vinho do Porto Blend All About Wine Holy Alliance 2

Ferreira LBV 2009 – Foto de Ilkka Síren | Todos os Direitos Reservados

Quanto ao Porto, escolhi um LBV Ferreira 2009. Queria algo acessível mas com uma boa estrutura. Este vinho é incrivelmente saboroso. Adoro a sensação na boca, a textura e a fruta inicial com um final picante. Para que esta harmonização funcione, o vinho não pode ser um vinho tímido, tem que ter presença. Este vinho não só tem isso como tem uma excelente relação qualidade/preço e é um exemplo de um bom Porto.

Agora querem saber, certo? Se estava bom? Sim, estava. Pode não ser a combinação mais elegante mas garanto que foi uma das melhores que tive o prazer de saborear nos últimos tempos. Se gostar de cheeseburgers (quem não gosta, certo?) e de vinho do Porto (duh!) então vai gostar desta combinação. Esqueçam por um bocado o snobismo vínico e desfrutem de uma coisa simples mas com comida muito saborosa. A ideia é baixar a fasquia no que toca à experimentação com comidas diferentes. Dito isto, a fasquia da qualidade deve ser sempre elevada. Experimente, e se não gostar experimente uma coisa diferente. Afinal o importante é divertirmo-nos.

O terroir do Javali…

Texto João Pedro de Carvalho

O Douro tem sido nos dias de hoje uma das regiões mais mediáticas de Portugal. Actualmente são inúmeras as Quintas de inegável importância histórica no sector do Vinho do Porto, mas também existem muitas Quintas que têm vindo a ganhar notoriedade enquanto produtoras de vinhos tranquilos (vinho de mesa). Tentar descobrir um projecto mais recente que se destaque principalmente pela qualidade dos vinhos tranquilos, sem ter o peso da história a recair nos seus vinhedos, não será fácil mas também não será impossível.

Prova disso é a Sociedade Agrícola Quinta do Javali. Empresa familiar fundada em 2000 com o objectivo de produzir e comercializar (exporta 80% da produção) os seus próprios vinhos DOC Douro e Porto, situando-se na margem esquerda do Rio Douro em Nagoselo do Douro, São João da Pesqueira, no Cima Corgo. A Quinta do Javali viu 10 dos seus 20 hectares serem replantadados numa vinha com as castas da região Tinta Roriz, Touriga Franca, Tinto Cão, Tinta Barroca e Touriga Nacional.

O proprietário e enólogo da quinta, José António Mendes é um apaixonado pelo seu trabalho. Nota-se no brilho dos olhos quando a conversa muda e passamos a falar dos seus vinhos. Enquanto vamos provando as novas colheitas vai explicando que procura fazer sempre todo o trabalho na vinha, evitando intervir na adega, as leveduras são autóctones, os vinhos são todos feitos em lagar com pisa a pé e aliam potência com uma frescura incrível. Não são vinhos fáceis, de agrado imediato, requerem paciência, mostram uma grande densidade, camadas de sabor e aromas, frescos, estruturados com taninos ainda presentes que em novos torna a decantação quase obrigatória.

the-javali-wild-boar-terroir2.1 O terroir do Javali… O terroir do Javali… the javali wild boar terroir2

Quinta dos Lobatos 2013 | Quinta do Javali Reserva 2011 | Quinta do Javali Vinhas Velhas 2011 – Foto de João Pedro de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

Quinta dos Lobatos 2013 (DOC Douro)
Acabado de lançar no mercado, austero e novo, fruta rija e madura com alguma compota mas muito limpa, especiado, nota de esteva, carnudo, ganha envolvência com o tempo no copo. Boca cheia de vigor e frescura com a fruta a explodir de sabor, secura no fim, pimenta preta, fundo mineral e prolongado.

Quinta do Javali Reserva 2011 (DOC Douro)
Passa 18 meses em barrica. Mais envolvente que o Quinta dos Lobatos, barrica mais integrada apesar do poderio do cacau e tabaco, mostra fruta madura com compota, floral, especiaria doce. Boca com elegância permitida por taninos envoltos em estrutura dominada pela fruta maturada, fresco, conquistador e com menos austeridade a fazer-se sentir.

Quinta do Javali Touriga Nacional 2012 (DOC Douro)
Com uma quantidade muito limitada de 600 garrafas, o vinho é uma provocação aos sentidos. Fruta marcada pela frescura e qualidade, leve geleia, perfume de violetas e ervas aromáticas, tabaco e pimenta Mostra-se coeso, ambicioso, compacto e provocante. Com uma boca cheia de frescura e sabor, revela-se saboroso e preenche por completo o palato numa estrutura ampla em grande final.

Quinta do Javali Vinhas Velhas 2011 (DOC Douro)
Este vinho é um autêntico juggernaut. Chega de forma arrebatadora e domina por completo quem prova. Mostra toda a austeridade do Douro, estrutura firme e fresca, madeira que o ampara sem excessos (20 meses de estágio), fruta muito limpa e sumarenta com balsâmico, especiarias, notas de baunilha e chocolate preto. Enorme vigor e complexidade, disposta por camadas de aromas e sabores, tudo firme e sem abanar. Alimenta-se de tempo no copo ou no decanter, cresce, ganha novas formas mas sempre tenso, sempre novo. Na boca é fresco e amplo, fruta que se mastiga, saboroso, enérgico e grandioso com secura final à procura de pratos condimentados.

Quinta do Javali Special Cuvée 2012 (DOC Douro)
Nasceu de um desafio lançado ao produtor por um apaixonado pelo mundo do vinho e ao mesmo tempo responsável pela distribuição em Portugal. O vinho dá uma prova de luxo, mais macio e delicado que o Vinhas Velhas, conquista pela finesse, complexidade e ao mesmo tempo não perde aquele fulgor e energia característica dos vinhos desta casa. O que mais chama a atenção é o delicado e bonito perfume floral que mostra ao lado de groselhas e framboesas muito frescas e limpas, quase aromas em HD. A barrica arredonda os cantos com toque fumado e baunilha. Na boca mostra uma bonita frescura que domina todo o conjunto, grande harmonia com enorme presença no palato, final muito longo.

the-javali-wild-boar-terroir2. O terroir do Javali… O terroir do Javali… the javali wild boar terroir2

Quinta do Javali Porto LBV 2007/2008/2009 – Foto de João Pedro de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

Quinta do Javali Tawny 20 Anos
De perfil delicado tem harmonia e boa dose de frescura. Nota-se que não tem a complexidade proveniente de um lote com vinhos tão velhos como outros 20Anos à venda no mercado. Bom fruto seco, laranja cristalizada, caramelo, figo, tudo envolto num conjunto bastante agradável, em final prolongado.

Quinta do Javali Porto LBV 2009
Da prova dos LBV 07, 08 e 09 foi este último que mais se destacou, apesar de todos eles estarem num nível de muito boa qualidade. Destacou-se o 2009 pela gulodice da fruta com a presença da mesma e a frescura num conjunto mais amplo e sumarento que os restantes. Na boca, sente-se mais presença da fruta compotada, chocolate e leve especiaria em final fresco e longo.

Contactos
Sociedade Agrícola Quinta do Javali
Apartado 71
5130-909 S. João da Pesqueira
Email: antoniomendes@quintadojavali.com
Site: www.quintadojavali.com

 

Porto Colheitas de Excelência

Texto João Pedro de Carvalho

A Quinta do Noval é uma das grandes casas de Vinho do Porto, que não só produz o mais famoso Vinho do Porto Vintage, o lendário “Nacional”, como é também a única casa cujos vinhos são exclusivamente single vineyard (i.e., “Quinta”).

A história da Quinta do Noval remonta a 1715, altura em que o seu nome surge pela primeira vez nos registos. A área total de cento e quarenta e cinco hectares, que domina o Vale do Pinhão (Cima Corgo), constitui a essência e a alma da Quinta do Noval. Em 1894 (após a devastação causada pela filoxera) a Quinta foi comprada pelo ilustre comerciante António José da Silva. Da Silva deu uma nova vida à Quinta do Noval, com a replantação dos cento e quarenta e cinco hectares de vinha (classificada com letra A), com porta-enxertos americanos. Em 1925, uma muito pequena parte de vinha no coração da Noval (dois hectares) foi selecionada para a tentativa de manter a vinha indígena Portuguesa em porta-enxerto Português (Nacional) como um experimento. O primeiro vinho a ser produzido e vendido resultante destas jovens vinhas foi o Quinta do Noval Nacional Vintage 1931, considerado o mais sensacional Porto do século XX.

Blend-All-About-Wine-Quinta-do-Noval Porto Colheitas de Excelência Porto Colheitas de Excelência Blend All About Wine Quinta do Noval

Quinta do Noval © Blend All About Wine, Lda

O trabalho de António José da Silva foi continuado pelo seu genro, Luiz Vasconcelos Porto, que geriu a empresa durante 30 anos, tendo-se aposentado em 1963. Autor de um vasto programa de inovações, transformou os antigos socalcos estreitos em socalcos mais largos, característica distintiva da Noval, com as suas escadas caiadas de branco.
O estêncil nas garrafas foi pela primeira vez introduzido pela Noval em 1920, tendo sido também pioneira no conceito de Tawnies com indicação de idade (10, 20 e 40 anos) e a primeira casa a lançar um late-bottled vintage: 1954 Quinta do Noval LBV.

Em anos excecionais, determinados lotes de vinho com grande potencial de envelhecimento são postos de lado e colocados em barricas. Apenas em determinado momento a Noval decide engarrafar parte dessas Colheitas. O resto é mantido em barricas onde o vinho irá ganhar toda uma nova dimensão em fases posteriores do seu envelhecimento. Os Porto Colheita da Noval são verdadeiras raridades, combinam requinte e elegância, sendo a expressão máxima dos Tawnies com idade e tal como um Porto Vintage assumem as características específicas do respetivo ano de colheita. A legislação exige um estágio mínimo de sete anos em casco, embora na Quinta do Noval apenas sejam comercializadas após 10 a 12 anos de envelhecimento.

António Agrellos, o diretor técnico da Quinta do Noval desde 1994 e um dos grandes “Wine Blenders” do vinho do Porto, conduziu-nos num fantástico passeio pelos Colheitas da Quinta do Noval.

Blend-All-About-Wine-Quinta-do-Noval-Colheita-2000 Porto Colheitas de Excelência Porto Colheitas de Excelência Blend All About Wine Quinta do Noval Colheita 2000

Quinta do Noval Colheita 2000 © Blend All About Wine, Lda

Blend-All-About-Wine-Quinta-do-Noval-Colheita-1995 Porto Colheitas de Excelência Porto Colheitas de Excelência Blend All About Wine Quinta do Noval Colheita 1995

Quinta do Noval Colheita 1995 © Blend All About Wine, Lda

Quinta do Noval Colheita 2000

Mostra toda a classe de um Tawny jovem e cheio de vida, com espírito adolescente, que nos conquista pela energia e presença. Exibe uma boa complexidade, com um bouquet intenso e bem definido, fruta cristalizada, nozes e tabaco, num conjunto jovem, fresco e revigorante. Complexo e doce no palato, fresco e preciso, revela uma estrutura elegante e um final harmonioso e persistente.

Quinta do Noval Colheita 1995

Um tawny a caminho da fase adulta, numa nova dimensão com aromas mais evoluídos e de maior complexidade e profundidade. Bem definido nos aromas, mostra uma bonita complexidade, caramelo, frutos secos (nozes e avelãs), especiaria doce, fruta cristalizada (laranja, limão, damasco). Corpo médio, elegante, untuosidade e boa acidez, tudo num final longo e persistente.

Blend-All-About-Wine-Quinta-do-Noval-Colheita-1976 Porto Colheitas de Excelência Porto Colheitas de Excelência Blend All About Wine Quinta do Noval Colheita 1976

Quinta do Noval Colheita 1976 © Blend All About Wine, Lda

Blend-All-About-Wine-Quinta-do-Noval-Colheita-1971 Porto Colheitas de Excelência Porto Colheitas de Excelência Blend All About Wine Quinta do Noval Colheita 1971

Quinta do Noval Colheita 1971 © Blend All About Wine, Lda

Quinta do Noval Colheita 1976

Um vinho temperamental que nasceu na era do Punk Rock. Envolto em rebeldia, é certamente o vinho mais exótico da prova ao melhor estilo Ramones. Hey! Ho! Let’s go! – The Anthology. Muito boa complexidade, caixa de charutos, resina, frutas secas e caramelo. Medianamente encorpado e persistente na boca, suave como seda, apresenta nuances de especiarias num longo final.

Quinta do Noval Colheita 1971

A saudade exprime um sentimento muito próprio quando sentimos falta de algo de que gostamos. Este é um daqueles vinhos que deixa saudade. Pura sedução, dominado por uma encantadora complexidade, especiarias, caramelo, passa de uva e frutas cristalizadas. No palato é de uma enorme riqueza e elegância, tem uma frescura fantástica que o envolve com notas de especiarias num final longo e persistente. Um vinho fantástico.

Blend-All-About-Wine-Quinta-do-Noval-Colheita-1964 Porto Colheitas de Excelência Porto Colheitas de Excelência Blend All About Wine Quinta do Noval Colheita 1964

Quinta do Noval Colheita 1964 © Blend All About Wine, Lda

Blend-All-About-Wine-Quinta-do-Noval-Colheita-1937 Porto Colheitas de Excelência Porto Colheitas de Excelência Blend All About Wine Quinta do Noval Colheita 1937

Quinta do Noval Colheita 1937 © Blend All About Wine, Lda

Quinta do Noval Colheita 1964
Tal como em 1964 as admiradoras de bandas como Beatles ou The Rolling Stones saltavam e gritavam de entusiasmo, ao provar este vinho apeteceu-me fazer exatamente o mesmo. Intrigante e ao mesmo tempo conquistador, mostra-se dominado por uma refinada complexidade, aroma delicado e pleno de harmonia, com notas de nozes, passa de uva e da madeira velha onde estagiou. Apeteceu-me ficar toda a tarde a cheirar este vinho. Boca de grande nível, quase veludo, cheio e saboroso, com enorme frescura para a idade que tem e com um final muito longo. Espectacular.

Quinta do Noval Colheita 1937

O ano de 1937 foi marcado pela coroação do Rei George VI de Inglaterra, data em que a ponte Golden Gate (São Francisco) foi também inaugurada e J. R. R. Tolkien publica ‘The Hobbit’. Apenas um vinho como este poderia estar à altura de tamanhos acontecimentos. Estrondoso tawny velho a mostrar uma fantástica complexidade, fruto seco, grande definição, especiarias, marmelada, caixa de tabaco e madeira velha. Palato luxuoso, com uma belíssima acidez. Tudo muito equilibrado com camadas de sabor que nos guiam num final interminável e sedutor.

Contactos
Quinta do Noval Vinhos, SA
AV. DIOGO LEITE, 256
4400 – 111 VILA NOVA DE GAIA
Portugal
Tel: (+351) 223 770 270
Fax: (+351) 223 750 365
Email: noval@quintadonoval.pt
Website: www.quintadonoval.com

Prova de Tawnies datados (10,20,30 e 40 anos) e Colheitas (1982, 1969 e 1952)

Texto Olga Cardoso

A Graham’s, marca pertencente à Symington Family Estates, foi fundada em 1820 por W & J Graham e desenvolveu com o passar dos anos uma notável reputação como uma dos maiores produtoras de Vinho do Porto.

Se o vinho é uma forma de arte, os Portos com indicação de idade são seguramente uma das suas mais puras expressões. Da arte do envelhecimento, da arte da tanoaria e da arte da lotação, nascem Tawnies velhos absolutamente arrebatadores. Encontram-se entre os mais desafiantes estilos de Porto e exigem muito de quem os faz e produz. São fruto da perícia e do saber, da paciência e da minúcia, da dedicação e da entrega.

Encontrar o equilibrio correcto entre a elegância e a delicadeza que resultam do prolongado envelhecimento em casco, preservando simultaneamente a frescura e o sabor da fruta, é a missão que se impõe ao enólogo e a combinação que confere a estes vinhos toda a sua estrutura e longevidade. Os Tawnies datados são acima de tudo vinhos únicos e eruditos, que nos desafiam os sentidos e nos estimulam a razão.

Os Porto Colheita, dos quais sou uma fã assumida, são vinhos que exprimem a excelência e a magnitude de um só ano. Neste encontro, foram três os Colheitas provados, 1982, 1969 e 1952. Décadas de evaporação, conferem aos Colheitas mais antigos enorme concentração, até os transformar quase numa essência, originando intensos e profundos aromas a frutos secos e um paladar denso e untuoso, repleto de sabores ricos e complexos.

Portos Colheita são vinhos nobres e requintados, verdadeiros símbolos de prestígio e tradição. No meu caso particular, são vinhos que me entusiasmam, que me emocionam e que me remetem para uma outra dimensão! São vinhos que carregam consigo o peso da História, vinhos que encerram em si mesmos o Sonho dos Homens e que a cada trago nos reforçam o orgulho de ser Português!

Blend-All-About-Wine-Grahm's-Tasting-Dated-Tawnies-The-Wines Prova de Tawnies datados (10,20,30 e 40 anos) e Colheitas (1982, 1969 e 1952) Prova de Tawnies datados (10,20,30 e 40 anos) e Colheitas (1982, 1969 e 1952) Blend All About Wine Grahms Tasting Dated Tawnies The Wines

10, 20, 30 & 40 Years Old Tawnies © Blend All About Wine, Lda

 

TAWNY 10 ANOS, Douro

Conta no seu curriculum com duas medalhas de ouros atribuídas pela Decanter World Wine Awards e diversas medalhas de prata conferidas noutros prestigiados concursos. É, de facto, um dos melhores vinhos da sua categoria. Notas caramelizadas, intensas sensações de nozes, tâmaras e figos secos marcam o seu bouquet. Fruta rica e madura, associadas a notórias sensações de mel, proporcionam-lhe um paladar aveludado e um final macio e sedoso.

TAWNY 20 ANOS, Douro

Aroma simultaneamente delicado e intenso, revela a presença de frutos secos, como nozes e avelãs, combinados com notas de casca de laranja, tudo muito afinado e requintado. Na boca mostra-se redondo e concentrado, equilibrado e harmonioso, terminando com um final longo e elegante. Um vinho onde poderemos encontrar tudo o que se espera de um Tawny 20 anos!

TAWNY 30 ANOS, Douro

Complexo e magnífico, apresenta uma camada de frutos secos, casca de laranja, mel e compota de pêssego. A boca é plena, rica e muito limpa. As notas de mel e caramelo fazem-se sentir com alguma evidência, conferindo-lhe uma textura aveludada e intensa. Concentrado e com notável acidez, o seu final é longo e impressionantemente persistente.

TAWNY 40 ANOS, Douro

A sua cor apresenta já uns laivos esverdeados, consequência da elavada idade dos vinhos que lhe deram vida. O seu nariz é intenso, complexo e com marcada profundidade. Caramelo, pralinés, mel e até chocolate fazem-se evidenciar. A boca é densa, volumosa e portentosa. A sua acidez equlibrada e o seu acentuado comprimento, conduzem-no para um final longo e requintado.

Blend-All-About-Wine-Grahm's-Tasting-Dated-Tawnies-The-Wines-2 Prova de Tawnies datados (10,20,30 e 40 anos) e Colheitas (1982, 1969 e 1952) Prova de Tawnies datados (10,20,30 e 40 anos) e Colheitas (1982, 1969 e 1952) Blend All About Wine Grahms Tasting Dated Tawnies The Wines 2

Porto Colheita 1982 & 1952 © Blend All About Wine, Lda

 

PORTO COLHEITA 1982, Douro

A Graham’s celebrou o nascimento do Príncipe George de Cambridge com uma Edição Especial de Vinho do Porto. Um Porto Colheita de excepção, 1982, o ano de nascimento do Duque e da Duquesa de Cambridge. Foi envelhecido durante mais de 30 anos em cascos de carvalho nas Caves 1890 da Graham’s em Vila Nova de Gaia e resultou da selecção de apenas seis cascos, levada a cabo por Charles Symington, principal provador e director de enologia.

Rico em frutos secos, com acentuadas notas caramelizadas e figos secos, revela uma boca aveludada, com taninos sedosos e sensações especiadas. O seu final é doce, longo e deliciosamente persistente.

PORTO COLHEITA 1969, Douro

É um Porto de um engarrafamento especial de apenas seis tonéis da colheita de 1969, produzindo cada um apenas 712 garrafas numeradas. Charles Symington provou cada um dos 21 barris de 1969 que ainda estão em envelhecimento nas caves da Grahams e selecionou as seis por ele consideradas excepcionais.

O seu nariz é uma verdadeira explosão de aromas. Nozes, caramelo, pau de canela, algum verniz e até folha de tabaco, aroma que me fez recordar uma marcante visita a uma fábrica de charutos em Havana. A boca é intensa e sedutora, denotando frutos cristalizados e especiarias exóticas, remetendo-me agora para os meus longos passeios pelas medinas de Tunis e Marrakech. Complexo e concentrado, este Colheita, termina intenso, focado e poderoso

PORTO COLHEITA 1952 – Jubileu de Diamante, Douro

Vinho do Porto de excepcional qualidade, especialmente seleccionado para comemorar o Jubileu de Diamante de Sua Majestade a Rainha Isabel II. Testemunhando seis décadas do reinado da soberana Britânica, este foi o vinho com o qual se fez o brinde real no final do almoço comemorativo. É, por essa razão, um motivo de grande orgulho para a família Symington, que tão sabiamente se decidiu pelo lançamento deste Colheita por associação a tão nobre efeméride.

Com uma extraordinária intensidade aromática, apresenta frutos secos, delicadas tâmaras Marroquinas, raspas de laranja e notas especiadas de noz moscada e cravo-da-índia. A boca é intensa e magestosa, com uma frescura assinalável e uma acidez mordaz. Verdadeiro hino ao equilíbrio e à harmonia estrutural. Para uns um adagio, para outros um allegro vivace, este Colheita é acima de tudo, um vinho ímpar, aristocrático, tremendamente concentrado e complexo. Um Porto grandioso e sibilino, pleno de matizes e nuances, verdadeiro exemplar da excelência vínica que o Douro e o Porto conseguem alcançar.

Contacts
Graham’s Porto
Vila Nova de Gaia
Portugal
Tel: (+351) 223 776 484 / 485
Email: grahams@grahams-port.com
Website: www.grahams-port.com