Posts Tagged : port wine

Quinta da Leda Vintage 1990, o primeiro Quinta da Leda

Texto João Pedro de Carvalho

Em 1979 a antiga Casa Ferreirinha ou A. A. Ferreira prosseguindo a tradição da família Ferreira adquiriu um terreno inculto denominado Quinta da Leda na freguesia de Almendra. Foram plantados cerca de 25 ha de vinha com o objectivo de testar as qualidades dos vinhos produzidos na sub-região do Douro Superior. O encepamento consistia em Tinta Roriz 34% Touriga Francesa 33% Tinta Barroca 23% Touriga Nacional 8% e Tinto Cão 2%. Ao décimo ano surgiu o primeiro vinho ali produzido e também o primeiro Vintage obtido no Douro Superior pela Casa Ferreirinha, Quinta da Leda Vintage 1990, tendo direito a uma segunda edição apenas em 1999. Hoje em dia a Quinta da Leda conta com 75 hectares e nela se colhem as melhores uvas da empresa, destinadas a vinhos como Barca Velha e o próprio Quinta da Leda cujo primeiro tinto surge como varietal de Touriga Nacional em 1995.

Blend-All-About-Wine-Quinta-da-Leda-1 quinta da leda Quinta da Leda Vintage 1990, o primeiro Quinta da Leda Blend All About Wine Quinta da Leda 1 e1445275411119

Quinta da Leda vista panorâmica – Foto de João Pedro de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

Blend-All-About-Wine-Quinta-da-Leda-bottle quinta da leda Quinta da Leda Vintage 1990, o primeiro Quinta da Leda Blend All About Wine Quinta da Leda bottle

Quinta da Leda Port Vintage 1990 – Foto de João Pedro de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

Confesso uma e outra vez que não sou grande apreciador de Porto Vintage, nem eu mesmo chego a entender por vezes esta minha rejeição ou incapacidade de ficar em êxtase com o estilo Ruby. Tenho assumidamente uma clara preferência pelos Tawny, sempre fui apreciador de vinhos onde a oxidação é palavra de ordem e os vinhos têm de mostrar argumentos para saberem resistir com galhardia à passagem do tempo. É por isso bem possível que não me consiga recordar de muitos Vintages que me tenham marcado de forma categórica. Mas recentemente tive oportunidade de beber este Quinta da Leda, um Vintage com 25 anos de vida e que a meu ver está naquele ponto óptimo de consumo, nem mais para um lado nem para o outro. No instante do primeiro contacto, do primeiro sorvo, dei por mim a pensar em como teria sido este vinho na sua fase mais jovem, não terá sido certamente um portento de força e taninos rugosos a implorarem por cave e pelo contrário deverá ter sido sempre um vinho que em novo teria alguma ponta de austeridade necessária para desenvolver embora desde cedo mostrasse elegância e equilíbrio entre a opulência da fruta bem madura e sumarenta com a frescura. Uma fórmula que podemos aplicar aos vinhos Quinta da Leda desde que foram saindo para o mercado.

E enquanto beberico o que resta da garrafa em acto de pura gulodice acompanhei com uma mousse de chocolate com azeite e pimenta vermelha. Ligação fantástica que catapultou o vinho para outro patamar a nível sensorial, tendo acidez suficiente para limpar o palato a fruta vermelha bem fresca alia-se em plena harmonia com o chocolate 70% cacau. Muita qualidade a mostra-se bem complexo e rico em detalhe, com frutos do bosque a surgirem já macerados, tabaco, especiarias, chocolate negro, ligeiro terroso no fundo. Na boca replica tudo o aqui descrito, enorme frescura logo de inicio que acompanha toda a passagem pelo palato com um apontamento apimentado e seco no final. Certamente ainda vai durar mais alguns anos em garrafa mas para mim foi um Vintage que me deu muito prazer a beber.

Contactos
Sogrape Vinhos, S.A.
Rua 5 de Outubro, 4527
4430-852 Avintes
Portugal
Tel: (+351) 227-838 104
Fax: (+351) 227-835 769
E-Mail: info@sograpevinhos.com
Website: www.sograpevinhos.com

Barão de Vilar LBV 2010

Texto João Pedro de Carvalho

Estamos já em pleno Outono, altura em que os dias ficam mais curtos e o tempo parece que demora a passar. Um contra senso talvez, uma vez que em pleno Verão os dias são maiores embora com mais tempo para nos distrairmos nem se dá pelo passar das horas. Por esta altura do ano entram em cena as nozes, as abóboras, as romãs ou as maçãs, é altura dos marmelos mas acima de tudo das castanhas. E falar de castanhas é um lembrar no imediato o cheiro das castanhas assadas a percorrer as ruas das nossas terras em dias de frio e neblina.

Foram tantas as vezes que fui comprar meia dúzia enrolada num cartuxo em papel de jornal, quase sempre das antigas páginas amarelas que nos deixava as mãos cheias de tinta, e corria para casa para as comer uma a uma bem ao lado da lareira. Hoje em dia ainda as compro na rua, mesmo a casa já seja em plena cidade onde desapareceu a lareira e por imposição das entidades competentes que acharam que o antigo papel de jornal nos ia deixar todos muito doentes, agora o papel passou a ser outro. Mas o que interessa é que o sabor e as memórias que recordo valem pelo instante, quase sempre acompanhado de um copo de Vinho do Porto. Quase sempre um LBV que costumo ter aberto em casa, calhou desta vez ser um Barão de Vilar LBV de 2010, com enologia de Álvaro van Zeller. É um quase antecipar a tradição de São Martinho, comemora-se a 11 de Novembro e diz que “come-se as castanhas e prova-se o vinho”, ou então que “no dia de São Martinho vai à adega e prova o vinho”.

Blend-All-About-Wine-Barão de Vilar LBV 2010-roasted-chestnuts barão de vilar Barão de Vilar LBV 2010 Blend All About Wine Bar  o de Vilar LBV 2010 roasted chestnuts

Castanhas assadas

Bled-All-ABout-WIne-Barao-de-Vilar-LBV-2010 barão de vilar Barão de Vilar LBV 2010 Bled All ABout WIne Barao de Vilar LBV 2010

Barão de Vilar LBV 2010 – Foto de João Pedro de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

Neste caso é um estilo de vinho que aprecio bastante nesta altura em que o frio se começa a instalar, a chuva começa a marcar presença e tal como este LBV é um vinho que já está muito pronto a beber, com frescura dos frutos vermelhos, com a ligeira austeridade que o Outono nos mostra e que na mistura de aromas e sabores tão característicos desta estação do ano nos consegue dar aquele momento de prazer que procuramos enquanto nos recostamos no sofá. Muito certinho, sem falhas nem grandes motivos de exaltação e é por isso que gosto dele, eficácia tremenda para aquilo a que se destina e isso nos dias que correm começa a ser raro encontrar vinhos que pela relação satisfação/qualidade/preço nos deixem tão satisfeitos e bem aconchegados.

Contactos
Núcleo de Acolhimento de Empresas de Sta. Comba da Vilariça, Lotes 10/11
5360-170 Santa Comba da Vilariça
Tel: (+351) 22 3773330
Fax: (+351) 22 3753735
Website: www.baraodevilar.com

Ferreira 10 anos Porto Branco

Texto Ilkka Sirén | Tradução Bruno Ferreira

Vivo numa cidade. Cresci no campo mas não me vejo a viver noutro sítio que não no meio do betão da minha cidade. Helsínquia tem o tamanho perfeito; não é nem muito grande, nem muito pequena. É a capital do país e apenas vive aqui meio milhão de pessoas. Bastante sossegada mas com movimento suficiente para a manter interessante. Ainda assim, sinto por vezes falta, em especial depois de uma semana de muito trabalho, da pacatez clássica do campo.

Blend-All-About-Wine-Ferreira 10-year-old White Port porto branco Ferreira 10 anos Porto Branco Blend All About Wine Ferreira 10 Years White Port

Campo de Trigo – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Nada à nossa volta a não ser campos de trigo, florestas e lagos. A apenas uma hora de carro do norte de Helsínquia podemos encontrar todo o espaço e sossego que quisermos. Aquilo que costumo fazer é, pegar numa mão cheia de vinhos, boa comida e ir até lá para cozinhar e relaxar. Não estão a mentir quando dizem que cozinhar é bastante terapêutico. Não interessa se somos bons cozinheiros ou não, o facto de fazermos algo produtivo com as nossas próprias mãos é, em si, uma recompensa fantástica que nos faz ver as coisas de maneira diferente.

Há sempre espaço para os amigos e a família. Se quisesse passar tempo sozinho mudava-me para a Sibéria e tornava-me um monge. Encontro conforto em ter a família e os amigos ao pé de mim, a fazerem aquilo que fazem. Quando a mesa está posta, a comida começa a chegar e os vinhos alinham-se. Mesmo sendo a Finlândia um país difícil de alcançar geograficamente, temos aqui bastantes vinhos. Mas há um tipo de vinho que esteve ausente durante demasiado tempo, vinho do Porto branco. Na Finlândia é frustrante ser um apreciador de vinhos fortificados quando a escolha é muito limitada. Mas agora chegou cá um “novo” vinho.

Blend-All-About-Wine-Ferreira-Ferreira 10-year-old White Port-Table porto branco Ferreira 10 anos Porto Branco Blend All About Wine Ferreira 10 Years White Port Table

A mesa está posta – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Blend-All-About-Wine-Ferreira 10-year-old White Port-Porto branco Tasting porto branco Ferreira 10 anos Porto Branco Blend All About Wine Ferreira 10 Years White Port Tasting

Ferreira 10 anos Porto branco – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

É bem capaz de ser a melhor novidade do ano na Finlândia. O Ferreira 10 anos Porto branco é o recém-chegado de que toda a gente está a falar. Não consigo entender porque é que o vinho do Porto branco tem uma ligeira má reputação. Em todo o caso, para os que acham digo “ACORDEM!”. Vinhos do Porto brancos envelhecidos são, na minha opinião, alguns dos vinhos mais deliciosos e gastronomicamente harmoniosos. Este Porto sedutor é um excelente exemplo de um vinho do Porto branco de qualidade. A fruta madura, juntamente com os equilibrados aromas de envelhecimento em barril, cria uma excelente combinação de sabores. É abelha-rainha numa tábua de queijos, bom com queijo azul ou Gouda por exemplo, ou então como digestivo depois de jantar. É só deixar a cor dourada cintilar à luz da vela. É um cliché mas funciona, acreditem. Estou muito feliz por agora poder encontrar, aqui na Finlândia, um Porto branco que faça jus ao nome. Devagar, mas certamente, as pessoas estão a começar a descobrir o fantástico mundo dos vinhos do Porto brancos.

Um Royal Flush da Vasques de Carvalho

Texto Sarah Ahmed | Tradução Bruno Mendes

Nunca antes o Poker partilhou um pensamento com vinho do Porto. Pelo menos na minha cabeça. Mas, Royal Flush, foi o que me veio à cabeça quando a Vasques de Carvalho me revelou a sua mão inicial – os seus Tawny Ports de 10, 20, 30 e 40 anos, brilhantemente acondicionados.

Blend-All-About-Wine-Vasques de Carvalho-Tawnies vasques de carvalho Um Royal Flush da Vasques de Carvalho Blend All About Wine Vasques de Carvalho Tawnies

Estilo com substância da Vasques de Carvalho – Foto Cedida por Vasques de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

É uma estreia arrojada, topo de gama, num sector onde são bastante patentes as dificuldades de entrada. Pensem nisto, fundar uma nova Casa de vinho do Porto requer um stock mínimo de 150.000 litros, isto se, como a maior parte das Casas, a produção não for exclusivamente proveniente de vinhas próprias. Além disso, a entitulada Lei do Terço determina que, os produtores de vinho do Porto têm de manter em stock 3 vezes mais do que a quantidade que colocam à venda. Assim, e com esta tensão sobre o capital, pode dizer-se que as Casas de vinho do Porto não nascem da noite para o dia.

Então como é que a Vasques de Carvalho conseguiu? A resposta está na parceria por trás da marca. Em 2012 António Vasques de Carvalho herdou as adegas, os 6 hectares de vinhas muito velhas (mais de 80 anos) em Baixo Corgo e aproximadamente 45.000 litros de Portos velhos da sua família(incluindo um lote raro de Porto Tawny de 1880 que o seu avô, José Vasques de Carvalho, guardou em separado). Luís Vale da Kurtpace SA (uma empresa de construção), um amigo de longa data de António, injectou o capital, permitindo assim à Vasques de Carvalho aumentar o seu stock para o requisito mínimo de 150.000 litros. Além disso, a dupla começou a reconstruir a adega e a cave de barricas na Régua (sobre a qual António dorme, uma vez que a cave está situada por baixo de sua casa). A empresa também adquiriu outra adega em Pinhão que já conta com 75.000 litros a envelhecer em pequenos balseiros e tonéis, e também com 4 tonéis com capacidade para 40.000 litros.

O enólogo Jaime Costa está encarregue do portfólio. Tendo trabalhado durante 16 anos na Burmester, o já galardoado Enólogo de Vinhos Fortificados do Ano em 2005 pela Revista de Vinhos, está bastante entusiasmado por ter mais uma vez à sua disposição tão finos e raros vinhos do Porto envelhecidos. Depois das muitas notícias referentes aos Portos Tawny muito velhos, e caros, significa que os Portos Tawny estão finalmente a ter os seus dias de glória.

Para além dos Portos Tawny – a jóia da coroa da Vasques de Carvalho – o portfólio incluí também um vinho do Porto branco velho, um Vintage Port 2013 e vinhos do Douro (Oxum, X Bardos, Velhos Bardos Reserva). No próximo ano a empresa irá lançar a Late Bottled Vintage Port 2012, 880 garrafas de vinho do Porto Tawny muito velho 1880 e a primeira Aguardente Vínica DOC Douro. Apesar dos tintos do Douro, Oxum e X Bardos (ambos de 2012), não me terem impressionado, os Portos Tawny (os únicos Portos da Vasques de Carvalho que provei) impressionaram, especialmente o de 40 anos. A sua fantástica concentração e complexidade é indubitavelmente atribuída ao toque conferido pela presença da Vintage 1880, da qual a empresa mantém um considerável stock  – 1 tonél de 6.000 litros e duas barricas de 400 litros (estes últimos serão provavelmente para lançamento do Very Old Tawny do próximo ano. Jaime Costa disse-me que os 4 Tawnies são 90% provenientes de stocks velhos da Vasques de Carvalho e 10% de outros vinhos que a empresa comprou entre 2012 e 2014.

Blend-All-About-Wine-Vasques de Carvalho-Tasting vasques de carvalho Um Royal Flush da Vasques de Carvalho Blend All About Wine Vasques de Carvalho Tasting

Os Tawnies da Vasques de Carvalho em prova – da esquerda para a direita 10, 20, 30 & 40 anos – Foto de Sarah Ahmed | Todos os Direitos Reservados

Envelhecido no Douro (contrapondo com os climas mais frios e húmidos de Vila Nova de Gaia), o espectro de sabores dos Tawnies da Vasques de Carvalho é rico e escuro. Mas fiquei intrigada pelo seu requinte – um equilíbrio elegante, persistência (boa acidez) e integração suave e sedosa da aguardente vínica. Perguntei a Jaime Costa se isto seria, talvez, derivado da localizção da principal fonte de fruta (Baixo Corgo é relativamente frio e húmido). Concordou e respondeu “Acho que teve grande influência, porque as temperaturas para o envelhecimento não são tão altas como no alto Douro, e os vinhos ganham muito maior acidez, que será importante durante o envelhecimento e para equilibrar o nível de açúcar nos vinhos. Dessa maneira, obtém-se Tawnies consistentes que não causem enjoo enquanto bebemos vinhos do Porto velhos porque, como sabe, muitas vezes, os Tawnies velhos, por causa do açúcar, podem causar esse efeito.

Aqui estão as minhas notas de prova da gama de Tawnies da Vasques de Carvalho:

Vasques de Carvalho 10 Years Old Tawny Port – tom acastanhado e com ameixa seca e rica, figos, tâmaras secas caramelizadas e notas de frangipane no nariz, que persistem num palato sedoso e brilhantemente equilibrado com uma intensa ressonância nogada. Uma adorável frescura no final – não se sente que seja pesado apesar da riqueza do perfil de sabor. Um 10 anos com classe, concentrado, composto por vinhos entre os 7 e os 14 anos. 136g/l de açúcar residual. 20%

Vasques de Carvalho 20 Years Old Tawny Port – um tom de Tawny carregado mas muito brilhante, bastante vermelho no núcleo, com uma penumbra mais para o amarelo. Com laranja caramelizada no nariz e palato cítrico, é também frutado e elegante com amêndoas tostadas, geléia de pêssego e camadas de baunilha bourbon. Mais uma vez muito sedoso, com casca de cassia e um palato amadeirado intenso. É composto por vinhos entre os 12 e os 25 anos. 138g/l de açúcar residual. 20%

Vasques de Carvalho 30 Years Old Tawny Port – âmbar profundo, muito brilhante, com um nariz mais nogado do que o de 20 anos, não perdendo nada nos frutos secos – pêssego, figo seco, tâmaras, marmelada, bolo de mel, marzipan e notas de cravinho e casca de cassia. Na boca revela-se denso, camadas de um panforte concentrado com figo seco, nozes, especiarias e peles cítricas, bem como laranja de chocolate de leite e marmelada com pedaços. Notas de madeira atractivas (aquele carvalho apurado, aqui menos sabor a amêndoa e mais a noz) que estão bem integradas, tal como a sua aguardente vínica, que proporcionam um final longo, suave, intenso mas bem equilibrado. Composto por vinhos entre os 18 e os 40 anos. 131g/l de açúcar residual. 20%

Vasques de Carvalho 40 Years Old Tawny Port – Composto por vinhos envelhecidos entre 25 a 135 anos, e como isso se nota! O “40 anos” é um âmbar profundo no núcleo com bordas de açafrão que se esbatem para o verde azeitona. Notas de pastelaria de grande classe são abundantes num nariz e palato super complexos, ricos em mel e madalenas amanteigadas ricas em gemas de ovos, financier de amêndoa e panforte mais denso. Iodo subtilmente atenuante e notas de vinagrinho conferem tensão e ritmo – uma energia adorável. Sem qualquer sinal de secar, o final é fantasticamente persistente, muito nogado e muito cítrico com marmelada, pele de laranja cristalizada, e até laranjas caramelizadas (um testamento à sua frescura). Um requintado final a conhaque persiste bastante tempo. Delicioso. 144g/l açúcar residual. 20%

Contactos
Vasques Carvalho
Av. Dr. Antão de Carvalho n. 43
5050-224 Peso da Régua
Douro, PORTUGAL
Mobile: (+351) 915 815 830
Tel: (+351) 254 324  263
Fax: (+351) 254 324 263
E-mail: vasquescarvalho43@gmail.com
Website: vasquesdecarvalho.com

Vinho do Porto: um cão é um cão e um gato é um gato

Texto João Barbosa

Não vou escrever acerca de política! Todavia, cito o actual ministro da Educação para ilustração do assunto deste texto. Nuno Crato, governante muito contestado, é um consagrado cientista e professor no Instituto Superior de Economia e Gestão (

Lisboa), catedrático de Matemática e Estatística. Tem um currículo impressionante, disponível na internet.

Ouvi a Nuno Crato, anos antes de ser ministro, que aprender não tem de ser divertido. Também não tem de ser enfadonho, acrescento. Não tem de ser divertido, porque educar é mais do que, na escola, ensinar números e letras, ou, em casa, a saber comer de faca e garfo e dizer «por favor» e «obrigado». A educação deve preparar a criança/jovem para a vida adulta, onde não vai encontrar mimo dos colegas ou contemplações do director.

Tenho ouvido que o mundo do Vinho do Porto é complicado, demasiado complicado, que o consumidor não entende… que há demasiadas categorias e variantes.

Blend-All-About-Wine-Port Wine-Vinho do Porto vinho do porto Vinho do Porto: um cão é um cão e um gato é um gato Blend All About Wine Port Wine Vinho do Porto

Vinho do Porto in hipersuper.pt

Afirmo que os sete mil milhões de habitantes da Terra são todos Homo sapiens sapiens e, por isso, dotados de inteligência e capacidade de aprendizagem. Nem todos são capazes de desenvolver a fusão nuclear a frio, mas se preparados para tal teriam essa competência. Obviamente, há quem esteja acima da média e abaixo dela.

Por complicado que possa ser, o mundo do Vinho do Porto é menos complexo do que uma tese de doutoramento acerca do papel da estética e rupturas conceptuais nas sociedades modernas e ocidentais.

A última vez que ouvi alguém escandalizado estavam em causa as «12» variações de Vinho do Porto… Eu conto «28». Portanto, parto em desvantagem para a discussão. Se o argumento for simplificar poderia resumir-se tudo a quatro variantes: branco, rosé, tawny e ruby. Ou mesmo só a três, retirando o rosé, porque na verdade é um ruby.

Ora um gato é doméstico é um Felis catus e um cão é um Canis lupus familiaris. Porém, ambos pertencem ao reino Animalia, filo Chordata, classe Mammalia e ordem Carnivora. Diferenciam-se na família: Canidae e Felidae. Atirando o latim pela janela, uma criança gatinhante distingue um cão de um gato. O cão tem donos e o gato tem assistentes pessoais.

Claro que não se pode exigir a alguém acabado de entrar no mundo dos vinhos que saiba tudo, ou quase, sobre o Vinho do Porto… Nem de Bordéus ou de Borgonha, etc.

Portanto, o Vinho do Porto é complicado, certo?! Certo! Escolho outra grande região vinhateira do mundo:

Em Bordéus existem seis sub-regiões (Blayais et Bourgeais, Entre-Deux-Mers, Graves, Libournais, Médoc e Sauternes), subdivididas em 38 denominações de origem controlada.

Em 1855, o imperador Napoleão III ordenou que fosse criada, a pretexto da Exposição Universal de Paris, uma lista em que eram hierarquizados os vinhos de Bordéus. Assim, estabeleceram-se seis patamares qualitativos: Premier Grands Crus, Deuxièmes Grands Crus, Troisièmes Grand Crus, Quatrièmes Grand Crus e Cinquièmes Grands Crus.

Esta listagem apenas abrangeu a margem esquerda do rio Garona. No topo ficaram: Château Lafite (hoje acrescentado Rothschild), Château La Tour, Château Margaux, Château Haut-Brion, Château Mouton (hoje acrescentado Rothschild). Ou seja, três da denominação de origem de Pauillac, um de Margaux e outro de Graves (único, outros ficaram excluídos).

Por terem ficado de fora da listagem de 1855, foram criadas outras tabelas específicas. Em Sauternes et Barsac: Premier Cru Supérieur, Premiers Crus e Deuxièmes Crus. Em Saint-Émilion: Premiers Grands Crus Classés A, Premiers Grands Crus Classeés B, Grand Crus Classés… Chega? Ainda há a tabela de Graves e do Médoc. Ah! E os genéricos Bordéus.

Ah, pois! Seria mais fácil juntar as peças todas, analisar e criar uma lista unificada para Bordéus… já nem digo para França. Mas não! Sarcasticamente digo: Lamentável! Os apreciadores de Bordéus esclarecidos conhecem e debatem os vinhos de cada lado das margens e suas microrregiões… os anos e a meteorologia, as marcas… Sabe quem sabe e saberá quem quiser saber. Para saber um pouquinho, estudará um pouquinho; Para comprar pelo preço, verá o selo e olhará para a algibeira. Quem quiser comprar pela estética do rótulo, escolhe o mais bonito; quem quiser comprar de ouvido, escolherá o que lhe recomendaram.

Vamos a contas:

Brancos – Lágrima (muito doce), Doce, Meio-Seco, Seco, Extra-Seco, 10 anos, 20 anos, 30 anos e 40 anos.

Blend-All-About-Wine-Vinho do Porto-Ramos Pinto Lágrima branco vinho do porto Vinho do Porto: um cão é um cão e um gato é um gato Blend All About Wine Port Wine Ramos Pinto L  grima branco

Ramos Pinto Lágrima branco in ramospinto.pt

Rosé – Rosé (estilo Ruby – evolução em garrafa).

Ruby – Lágrima, Ruby, Ruby Reserve, Ruby Special Reserve, Late Bottled Vintage, Vintage Single Quinta, Vintage, Garrafeira (evolução em demijohns) e Crusted (lote de vários anos).

Blend-All-About-Wine-Port Wine-sandeman-porto-vau-vintage-2011 vinho do porto Vinho do Porto: um cão é um cão e um gato é um gato Blend All About Wine Port Wine sandeman porto vau vintage 2011

Sandeman Port Vau Vintage 2011 in sandeman.com

Blend-All-About-Wine-taylors-terrafeita-vintage-port-1991 vinho do porto Vinho do Porto: um cão é um cão e um gato é um gato Blend All About Wine taylors terrafeita vintage port 1991

Taylor’s Quinta Terra Feita Vintage Port 1991 taylor.pt

Tawny – Tawny, Tawny Reserve, Tawny Special Reserve, 10 anos, 20 anos, 30 anos, 40 anos, Colheita (indicação do ano) e Muito Velho.

Ah! E o Quinado! Não é bem um Vinho do Porto, mas uma associação com quinino. Criado a pensar na população das colónias ultramarinas, visto o quinino ser usado como anti-malárico.

Blend-All-About-Wine-Port Wine-Quinado Ferreirinha vinho do porto Vinho do Porto: um cão é um cão e um gato é um gato Blend All About Wine Port Wine Quinta do Ferreirinha

Quinado Ferreirinha

Os franceses são tão complicados, mas tão dotados de inteligência que conseguem perceber que um cão é um cão e o gato é um gato. Em Portugal, coitadinhos, não somos incapazes de perceber – ou de tentar conhecer – o Vinho do Porto, tal como qualquer outra pessoa doutro povo. Os franceses sabem que os sete mil milhões de habitantes do planeta são todos Homo sapiens sapiens. Por cá, cão e gato precisam de ser explicados.

Já que é para simplificar, por que não retirar as denominações de origem?… Atrapalha ter de saber regiões… e lá fora ligam tanto a isso como a línguas-de-veado e a tisana de lúcia-lima. E porquê mostrar o ano? Algum consumidor pouco conhecedor ou interessado vai preocupar-se se aquele vinho é de 2009 ou de 2010? Saberá das diferenças naturais entre cada safra?

Com sinceridade pergunto: o consumidor comum, fora dos países mais tradicionalistas e do «Velho Mundo», quer saber além da casta? Gosta de branco ou de tinto, «porque sim», e compra syrah, sauvignon blanc ou tempranillo. Esse consumidor típico, do «Novo Mundo» ou de países europeus onde o vinho é menos notório, quererá saber dos estilos do Vinho do Porto ou das classificações de Bordéus? Quem se apaixonar pelo vinho vai procurar, experimentar, estudar, diversificar… ou outros?…

Fernando Lopes Graça – um dos maiores compositores musicais portugueses do século XX – recusava-se a comer ou a beber com música a tocar. Para ele, a música estava acima de qualquer outra coisa, e precisava de sossego para entender e apreciar cada nota. Compreendo?… Sim, mas parece-me exagerado.

Não é snobeira. É simples constatação. Compreendo os amantes dos automóveis que distinguem as jantes dos Ferraris consoante à época e os seus desenhadores. Eu não distingo uma biela duma caixa-de-velocidades. O assunto não me interessa, não uso tempo com isso. É válido para tudo e para o vinho também.

No século XIX, alguém escreveu que existem tantas variedades de Vinho do Porto como de fitas num retroseiro. É facil?! A descoberta dá prazer e conhecimento.

Nasce o Cavaleiro do Porto

Texto Ilkka Sirén | Tradução Bruno Ferreira

Há alguns meses atrás, enquanto passava férias na Grécia, recebi uma carta. Uma carta assinada pelo Sr. George Sandeman. Uma carta um tanto ou quanto inesperada. Dizia que eu iria ser entronizado Cavaleiro da Confraria do Vinho do Porto. Ho…ly…sh*t!

Blend All About Wine The Port Knight Rises People jumping from Dom Luís I bridge porto Nasce o Cavaleiro do Porto Blend All About Wine The Port Knight Rises People jumping from Dom Lu  s I bridge

Pessoas a saltar da ponte Dom Luís I bridge – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Problema número um: Encontrar um bom smoking. E por bom smoking, quero dizer um smoking apropriado. Tipo James Bond. O evento estava agendado para Junho, no Porto, no dia anterior ao início do solstício de Verão. Tendo em conta que esta é a altura com mais movimento a nível de casamentos na Finlândia, um smoking assim tão bom para alugar é difícil de encontrar. Sim, um smoking para alugar. Quem é que compra um smoking?! Bem, voltando ao que interessa, já seria uma grande honra ser sequer considerado pela Confraria, agora imaginem ser aceite. Portanto, sem qualquer momento de hesitação marquei os voos para vir com a minha família a Portugal.

Blend All About Wine The Port Knight Rises Family Sirén in front of Palácio da Bolsa porto Nasce o Cavaleiro do Porto Blend All About Wine The Port Knight Rises Family Sir  n in front of Pal  cio da Bolsa

A Família Sirén em frente ao Palácio da Bolsa – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Quando finalmente chegou o dia da cerimónia da entronização a temperatura no Porto estava bem acima dos 30°C. Temperatura incomum até no Porto. Os turistas inundaram a Ribeira, com jovens a saltar da ponte Dom Luís I e montes de bancas da Super-Bock estavam a ser construídas em preparação para o festival de São João. Como finlandês não me posso queixar do calor mas, ter um smoking vestido com um tempo tão quente quase me matou. Por sorte, a caminhada do sítio onde fiquei alojado até ao Palácio da Bolsa, onde a cerimónia iria acontecer, era a descer e curta.

Blend All About Wine The Port Knight Rises Walking on the red carpet porto Nasce o Cavaleiro do Porto Blend All About Wine The Port Knight Rises Walking on the red carpet

A percorrer o tapete vermelho – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

A cerimónia em si foi muito ilustre. Tapetes vermelhos, vestidos de gala, capas, bandeiras, grandes chapéus pretos com fitas penduradas e ceptros decorados de fazer inveja até ao próprio Gandalf. Quando todos os prestes a ser confrades se sentaram, eu estava no grupo dos primeiros a serem entronizados. Fui chamado ao palco pelo Fiel das Usancas onde o Sr. Sandeman, o chanceler da Confraria, colocou, à volta do meu pescoço, uma fita vermelha e verde com uma tambuladeira pendurada, uma típica taça de vinho do Porto do séc. XVII. Depois de a fotografia ter sido tirada assinei o Livro de Honra da Confraria e o chanceler entregou-me o diploma. Saí do palco feliz e extremamente desidratado. Houve discursos e o Palácio da Bolsa inteiro brindou aos novos confrades com um copo de vinho do Porto. Estava saboroso mas, para ser honesto, naquele momento trocaria o meu copo e a mão que o segurava por grande copo de água gelada.

Blend All About Wine The Port Knight Rises Cavaleiro da Confraria do Vinho do Porto porto Nasce o Cavaleiro do Porto Blend All About Wine The Port Knight Rises Cavaleiro da Confraria do Vinho do Porto

Cavaleiro da Confraria do Vinho do Porto – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Depois da cerimónia, os novos confrades juntaram-se aos antigos e marcharam pela Alfândega, escoltados pela cavalaria da GNR juntamente com uma banda musical. Havia muitas pessoas nas ruas a assistir à parada. Senti-me como se estivesse numa espécie de Jogos Olímpicos do vinho e tivesse acabado de ganhar o grande prémio. Depois fomos em direcção a um terraço perto do rio. O pôr do sol estava lindíssimo, assim como a minha companhia para o jantar e, posso dizer que, beber um copo de vinho do Porto branco, relaxado, nunca soube melhor.

Blend All About Wine The Port Knight Rises Port Wine porto Nasce o Cavaleiro do Porto Blend All About Wine The Port Knight Rises Port Wine

Vinho do Porto – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

A noite continuou com boa comida, excelente companhia e vinhos fantásticos. Não sou grande fã de jantares formais, mas devo dizer que realmente me diverti. Depois de uma mão cheia de pratos e de demasiados copos de vinho foi altura de dar por terminada a noite. Foi um dia quente, longo e definitivamente um dos mais memoráveis da minha vida. O que o tornou ainda mais especial foi a oportunidade de o poder partilhar com a minha família, que sempre me apoiou em todas as minhas escapadelas a Portugal durante os anos.

Depois dei um último gole de Porto e desapareci na noite quente, como um verdadeiro Cavaleiro do Vinho do Porto, para tranquilizar a babysitter.

Os Faroleiros

Texto Ilkka Sirén | Tradução Bruno Ferreira

Vamos pô-lo nestes termos e sem rodeios; o Inverno é uma chatice! Claro que a neve é boa, como são os deportos de Inverno, esquiar, o Natal, etc. Mas vamos ser honestos, o Verão foi a razão pela qual nós, seres humanos, fomos postos nesta Terra. Quem não concordar estará apenas a mentir a si próprio. Na Finlândia o Verão é muito curto, o que nos ensinou a apreciar o bom tempo. Se isso significar cerveja gelada, nadar e pessoas seminuas, que assim seja.

Blend-All-About-Wine-Lighthouse-Keepers-Vinho do Porto-Darko-the-fisherman vinho do porto Os Faroleiros Blend All About Wine Lighthouse Keepers Port wine Darko the fisherman

Darko, o Pescador – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Às vezes é preciso jogar pelo seguro porque o Inverno finlandês pode ser muito “frio”, digamos. Com isto em mente, eu e a minha mulher decidimos fazer as malas e viajar para a Croácia durante uma semana. O azul do mar Adriático parecia o local ideal para relaxar por uns dias. A nossa estadia é que foi um pouco fora do normal, ficamos num farol. Sem staff de hotel, sem turistas, só nós e o mar.

Blend-All-About-Wine-Lighthouse-Keepers-Vinho do Porto-The-Lighthouse vinho do porto Os Faroleiros Blend All About Wine Lighthouse Keepers Port wine The Lighthouse

O Farol – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Um lugar realmente lindo e um alojamento como nunca tinha visto. A viagem de até à Ilha demorou cerca de 25 minutos de barco. É uma ilha muito pequena, e a própria casa é muito modesta, com uma cozinha e um par de quartos. Estava lá, claro, o faroleiro mas ficou no seu espaço. Fiz no entanto um novo amigo, de nome Sr. Alforreca. Havia muitos golfinhos à volta do farol mas eram um bocado rápidos para o meu gosto. Esta alforreca andava mais à minha velocidade.

Blend-All-About-Wine-Lighthouse-Keepers-Vinho do Porto-Mr-Jellyfish vinho do porto Os Faroleiros Blend All About Wine Lighthouse Keepers Port Wine Mr Jellyfish

Sr. Alforreca – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Depois de um longo dia era bom ver o pôr-do-sol no farol. Testemunhamos alguns pôr-do-sol fenomenais. Os golfinhos a nadar ao pôr-do-sol foi um clichê tradicional mas lindo. Era o aniversário da minha mulher e a ocasião pedia vinho do Porto. Por coincidência eu tinha uma pequena garrafa de Churchill’s Reserve Port na minha bagagem. Qualquer que seja a situação e onde quer que estejamos no mundo, existe sempre tempo para vinho do Porto. O Reserve Port é perfeito para levar em viagem devido ao tamanho pequeno da garrafa. Nunca se sabe quando é preciso um copo de vinho do Porto. Para nós é necessário quase sempre.

Blend-All-About-Wine-Lighthouse-Keepers-Churchill's-Reserve-Port wine vinho do porto Os Faroleiros Blend All About Wine Lighthouse Keepers Churchills Reserve Port wine

Churchill’s Reserve Port – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Sentámo-nos nas paredes do farol. O local parecia um pequeno forte e o cenário quase perfeito para saborear vinho do Porto. O sedoso e especiado Porto, com o seu final suave, permaneceu muito para além dos últimos raios de sol terem batido na calma superfície do mar Adriático.

Blend-All-About-Wine-Lighthouse-Keepers-Enjoying-a-glass-of-vinho do porto vinho do porto Os Faroleiros Blend All About Wine Lighthouse Keepers Enjoying a glass of port wine

A Saborear um Copo de Vinho do Porto – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Toda a estadia no farol pareceu um pouco surreal, do género de um filme de baixo orçamento com o Kevin Costner como personagem principal. Mas é uma experiência que recomendo vivamente. Estar completamente isolado com os nossos próprios pensamentos, com o fascinante “grande azul” e um copo de vinho do Porto para tornar o cenário perfeito. Vou sentir falta deste sítio e realmente espero cá voltar um dia. Afinal de contas, situações como esta, em que nos desligamos completamente de tudo, são bastantes raras. Só precisam de se certificar que levam mantimentos suficientes, o que significa bom vinho do Porto.

Contactos
Churchill Graham Lda
Rua da Fonte Nova, 5
4400 -156 Vila Nova de Gaia
Portugal
Tel: (+351) 22 370 3641
Fax: (+351) 22 370 3642
Email: office@churchills-port.com
Website: www.churchills-port.com

Os Novos Vintage da Família Symington

Texto José Silva

Foi o renovado espaço da Casa de Chá da Boa Nova, em Leça da Palmeira, mesmo em cima dos rochedos e do mar, que a família Symington escolheu para apresentar os seus dois mais recentes vinhos do Porto.

Blend-All-About-Symington-New-Wines-Casa-de-Cha Os Novos Vintage da Família Symington Os Novos Vintage da Família Symington Blend All About Symington New Wines Building

Casa de Chá da Boa Nova – Foto de José Silva | Todos os Direitos Reservados

Blend-All-About-Wine-Symington-New-Wines-The-Cliffs Os Novos Vintage da Família Symington Os Novos Vintage da Família Symington Blend All About Wine Symington New Wines The Cliffs

Os rochedos – Foto de José Silva | Todos os Direitos Reservados

Em frente à famosa construção, projectada pelo arq. Siza Vieira, lá continua a lápide com a quadra de António Nobre, que por ali gostava de ir em busca de inspiração.

Blend-All-About-Symington-New-Wines-The Space Os Novos Vintage da Família Symington Os Novos Vintage da Família Symington Blend All About Symington New Wines The Space

O espaço está fantástico – Foto de José Silva | Todos os Direitos Reservados

O espaço está fantástico, com aquela luminosidade que vem do mar, o restaurante agora a cargo duma equipa liderada pelo chefe Rui Paula, que não só executou um óptimo serviço de vinhos, sem falhas, como depois nos serviu uma deliciosa refeição, acompanhada por vinhos deste produtor do Douro: os Altanos brancos estão cheios de frescura, elegantes, com óptima acidez, brancos modernos. Os tintos do Vesúvio estão em grande nível, cheios de estrutura, possantes mas com muita elegância, vinhos muito gastronómicos.

Blend-All-About-Symington-New-Wines-The Space-The-Presentation Os Novos Vintage da Família Symington Os Novos Vintage da Família Symington Blend All About Symington New Wines The Space The Presentation

Apresentação Cuidada – Foto de José Silva | Todos os Direitos Reservados

Os primos Charles e Ruper Symington fizeram uma apresentação muito cuidada dos vinhos que íamos provar, pois, para além dos dois vinhos novos, fizemos uma curta mas deliciosa viagem por alguns vinhos do Porto soberbos. Charles Symington ainda fez uma curiosa e interessantíssima apresentação sobre a utilização das novas tecnologias de estudo e controle das vinhas através de técnicas em que se domina completamente a morfologia e composição das terras, da sua humidade, acidez e muitos outros parâmetros. O objectivo? Melhorar sempre a prestação das vinhas, obter cada vez melhores uvas. Os resultados estão á vista.

Blend-All-About-Symington-New-Wines-The Space-Grahams-Colheita-1972 Os Novos Vintage da Família Symington Os Novos Vintage da Família Symington Blend All About Symington New Wines The Space Grahams Colheita 1972

Grahams Colheita 1972 – Foto de José Silva | Todos os Direitos Reservados

Começamos então por dois Tawnies extarordinários: primeiro foi o Graham’s Colheita 1972 – dum âmbar escuro, laivos dourados e acastanhados, apresentou-se com toque seco no nariz, notas de flor de laranjeira, nozes, avelãs, tabaco, pleno de fragrâncias. Na boca tem complexidade, frutos secos, caramelo, acidez incrível, ainda notas secas, levemente fumado, sempre a evoluir no copo com um final a perder de vista…Já um vinho do Porto clássico.

Seguiu-se o Dow’s Colheita 1974 – dum âmbar médio, límpido, está muito elegante, com notas de laranja, algo citrino, muito delicado, fragrância de amêndoas, com especiarias, um verdadeiro perfume. Grande elegância na boca, acidez poderosa, persistente, casca de laranja, ainda muito fresco, nozes e amêndoas, algum fumo, tabaco, final muito longo para um vinho extraordinário.

Blend-All-About-Symington-New-Wines-Dows-Vintage-1975 Os Novos Vintage da Família Symington Os Novos Vintage da Família Symington Blend All About Symington New Wines Dows Colheita 1974

Dow’s Vintage 1975 – Foto de José Silva | Todos os Direitos Reservados

Era então a vez dos Vintage, começando pelo Dow’s Vintage 1975, com a curiosidade de ter sido servido a partir duma garrafa modelo Tappit Hen, de 2,1 litros, que a família ainda usa com alguma regularidade. O vinho já está a clarear, dum tom rubi pálido. Extremamente elegante no nariz, ainda com alguma fruta, compota, notas ligeiras de especiarias. Bela acidez, muito envolvente, alguns frutos secos, cereja, muito elegante mas persistente, final muito longo num vintage para evoluir ainda durante muito tempo.

Seguiu-se o Warre’s Vintage 1977 – aspecto atraente, um rubi claro, médio. Nariz austero mas elegante, fumado, ainda fresco, notas de compota, plantas silvestres. Na boca apresentou-se profundo, com uma acidez fantástica, muito complexo, notas de fruta passada, ainda cheio de frescura, final longo e saboroso.

Finalmente apresentou-se um delicioso Graham´s Vintage 1977, um ano em que este produtor fez grandes vinhos do Porto. Ao contrário dos seus primos, apresenta ainda cor incrível, vermelho escuro, quase opaco. Nariz fantástico, profundo, austero mas cheio de elegância, muita fruta preta, chocolate, muito bom. Muito volumoso, acidez muito equilibrada mas potente, deliciosamente complexo, alguns frutos secos e um final fantástico, cheio, envolvente, um grande vinho.

Blend-All-About-Symington-New-Tasting Os Novos Vintage da Família Symington Os Novos Vintage da Família Symington Blend All About Symington New Tasting

A provar – Foto de José Silva | Todos os Direitos Reservados

Blend-All-About-Symington-New-Tasting-2 Os Novos Vintage da Família Symington Os Novos Vintage da Família Symington Blend All About Symington New Tasting 2

A provar – Foto de José Silva | Todos os Direitos Reservados

Depois duma ligeira pausa, para respirar fundo e ouvir ligeiras explicações dos dois primos sobre os novos vintage, veio o Dow’s Quinta da Senhora da Ribeira Vintage 2013. Opaco, quase preto, brilhante. No nariz apresentou-se com notas de chocolate preto, frutos pretos muito maduros, amoras, ameixas, uvas passas mas também bastante floral. Poderoso na boca, notas doces, chocolate, figos muito maduros, tabaco, acidez vibrante, muito envolvente, uma bela interpretação dum vintage moderno, excelente.

IMG_3722 Os Novos Vintage da Família Symington Os Novos Vintage da Família Symington IMG 3722

Quinta do Vesúvio Vintage 2013 e Dow’s Vintage 2013 Quinta da Senhora da Ribeira © Blend All About Wine, Lda

Finalmente a tradição do Quinta do Vesúvio Vintage 2013. Muito escuro, quase preto, sedoso. Nariz cheio de fruta, muita elegância, floral, fumo, tabaco, cacau e especiarias. Incrível na boca, acidez fantástica, poderosa, frutos pretos bem maduros, ligeiramente especiado, quase picante. Toma conta da boca e nunca mais acaba…A interpretação, perto a perfeição, dum local, dum terreno, dumas vinhas, da Quinta de Vesúvio! E da tradição da pisa a pé em lagares de granito. O regresso às memórias dos primórdios do Douro. Um grande vinho do Porto!

Blend-All-About-Symington-New-Wines-smoked-mackerel Os Novos Vintage da Família Symington Os Novos Vintage da Família Symington Blend All About Symington New Wines smoked mackerel

Cavala Fumada – Foto de José Silva | Todos os Direitos Reservados

Já à mesa do restaurante, depois dum copo de champanhe ao ar livre, começamos por uma entrada de cavala fumada com pimentos, falso tomate com requeijão e merengue de azeitona e azeite, servido numa simpática lata de conserva.

Blend-All-About-Symington-New-Wines-smoked-eel Os Novos Vintage da Família Symington Os Novos Vintage da Família Symington Blend All About Symington New Wines smoked eel

Enguia Fumada – Foto de José Silva | Todos os Direitos Reservados

Seguiu-se o prato de peixe, enguia fumada com beterraba e tutano.

Blend-All-About-Symington-New-Wines-rack-of-lamb Os Novos Vintage da Família Symington Os Novos Vintage da Família Symington Blend All About Symington New Wines rack of lamb

Carré de Cordeiro – Foto de José Silva | Todos os Direitos Reservados

Na carne foi o carré de cordeiro com tupinambur em especiarias e funcho.

Blend-All-About-Symington-New-Wines-Slection-of-national-cheeses Os Novos Vintage da Família Symington Os Novos Vintage da Família Symington Blend All About Symington New Wines Slection of national cheeses

Selecção de Queijos Nacionais – Foto de José Silva | Todos os Direitos Reservados

Blend-All-About-Symington-New-Wines-Tiramisu Os Novos Vintage da Família Symington Os Novos Vintage da Família Symington Blend All About Symington New Wines Tiramisu

Tiramisu – Foto de José Silva | Todos os Direitos Reservados

Uma seleção de queijos nacionais antecedeu a sobremesa, um desconcertante “take me that” (tiramisu).

Blend-All-About-Symington-New-Wines-The-Sea Os Novos Vintage da Família Symington Os Novos Vintage da Família Symington Blend All About Symington New Wines The Sea

O mar – Foto de José Silva | Todos os Direitos Reservados

Entretanto já tínhamos regressado ao vinho do Porto…O mar, esse, continuava a bater nas rochas…

Contactos
Symington Family Estates
Travessa Barão de Forrester 86
Apartado 26
4431-901 Vila Nova de Gaia
Portugal
Tel:  +351 223 776 300
Fax: +351 223 776 301
Email: symington@symington.com
Website: www.symington.com

Porto Cruz, uma empresa em constante expansão…

Texto José Silva

Embora pertencente a uma grande firma francesa de produção e distribuição de bebidas, é uma empresa portuguesa de sucesso, que alicerça a sua força na produção de vinho do Porto, e que tem um lugar de destaque em Portugal, sendo um dos maiores produtores de vinho do Porto, mas sobretudo no estrangeiro, para onde exporta a maioria da sua produção.

Blend-All-About-Wine-Porto-Cruz-2 porto cruz Porto Cruz, uma empresa em constante expansão... Blend All About Wine Porto Cruz 2

Porto Cruz – Foto de José Silva | Todos os Direitos Reservados

Faz parte também do seu portfolio a casa C. da Silva, produtora dos vinhos Dalva, uma referência no sector.

Há um par de anos tomou a maioria do capital da Henriques and Henriques e a totalidade do capital da Justino’s, ambos produtores de vinho da Madeira. Recentemente comprou a Quinta de Ventozelo, uma das maiores extensões de vinha do Douro.

Blend-All-About-Wine-Porto-Cruz-Adega-Alijo-2 porto cruz Porto Cruz, uma empresa em constante expansão... Blend All About Wine Porto Cruz Adega Alijo 2

Adega de Alijó – Foto de José Silva | Todos os Direitos Reservados

Blend-All-About-Wine-Porto-Cruz-Most-Modern-and-Most-Revolutionary-Technology-2 porto cruz Porto Cruz, uma empresa em constante expansão... Blend All About Wine Porto Cruz Most Modern and Most Revolutionary Technology 2

Mais moderna e revolucionária tecnologia para produção de vinhos – Foto de José Silva | Todos os Direitos Reservados

Entretanto já tinha inaugurado a nova adega em Alijó, detentora da mais moderna e revolucionária tecnologia para produção de vinhos.

Blend-All-About-Wine-Porto-Cruz-This-Cellar-Can-Hold-22 million-Litres-of-Wine-2. porto cruz Porto Cruz, uma empresa em constante expansão... Blend All About Wine Porto Cruz This Cellar Can Hold 22 million Litres of Wine 2

Adega com capacidade de armazenagem de 22 milhões de litros de vinho – Foto de José Silva | Todos os Direitos Reservados

É uma adega com capacidade de armazenagem de 22 milhões de litros de vinho, com 40 cubas de 360.000L cada e outras de 180.000L cada, entre muitas outras de menor dimensão. Dois enormes filtros alimentam todo o complexo, assim como sistemas de azoto e ar comprimido. E um inovador sistema de limpeza e desinfecção automático que opera para a limpeza de todas as cubas.

Blend-All-About-Wine-Porto-Cruz-Pumping-System-2 porto cruz Porto Cruz, uma empresa em constante expansão... Blend All About Wine Porto Cruz Pumping System 2

Sistema de bombagem do vinho – Foto de José Silva | Todos os Direitos Reservados

O sistema de bombagem do vinho é também automático e tudo é liderado por um sofisticado sistema de domótica.

Blend-All-About-Wine-Porto Cruz-Most-Stainless-Steel-Presses-2 porto cruz Porto Cruz, uma empresa em constante expansão... Blend All About Wine Porto Cruz Most Stainless Steel Presses 2

Lagares de aço inox – Foto de José Silva | Todos os Direitos Reservados

Blend-All-About-Wine-Porto-Cruz-Equipment-Paraphernalia-2 porto cruz Porto Cruz, uma empresa em constante expansão... Blend All About Wine Porto Cruz Equipment Paraphernalia 2

A parafernália de equipamentos impressiona o visitante – Foto de José Silva | Todos os Direitos Reservados

Com lagares de aço inox que alimentam as cubas onde os vinhos vão fermentar e estagiar, passando depois para barricas ou directamente para as garrafas, toda a parafernália de equipamentos impressiona o visitante, quer pela quantidade, quer pela qualidade, quer pela preservação e higiene, imaculadas.

Blend-All-About-Wine-Porto Cruz-Where-The-Wines-Are-Made-2 porto cruz Porto Cruz, uma empresa em constante expansão... Blend All About Wine Porto Cruz Where The Wines Are Made 2

Nesta adega estão centralizados todos os trabalhos – Foto de José Silva | Todos os Direitos Reservados

Nesta adega estão centralizados todos os trabalhos e ali passam a ser feitos todos os vinhos da empresa, sendo armazenados e dali expedidos.

Blend-All-About-Wine-Porto-Cruz-Stored-in-Giant-Stainless-SteelVats-2 porto cruz Porto Cruz, uma empresa em constante expansão... Blend All About Wine Porto Cruz Stored in Giant Stainless SteelVats 2

Armazenados em cubas de inox gigantes © Blend All About Wine, Lda

Blend-All-About-Wine-Biggest-Park-of-Mashing-Tubs-in-the-Region-2 porto cruz Porto Cruz, uma empresa em constante expansão... Blend All About Wine Biggest Park of Mashing Tubs in the Region 2

Maior parque de balseiros da região © Blend All About Wine, Lda

Muitos deles vão para Vila Nova de Gaia, onde vão estar armazenados em cubas de inox gigantes ou em estágio, no maior parque de balseiros da região, de enorme dimensão.

Blend-All-About-Wine-Porto-Cruz-Old-Cement-Vats-2 porto cruz Porto Cruz, uma empresa em constante expansão... Blend All About Wine Porto Cruz Old Cement Vats 2

As velhas cubas de cimento – Foto de José Silva | Todos os Direitos Reservados

Ali a grandeza não é menor, com as velhas instalações sempre em evolução, adaptadas às modernas necessidades, e onde ainda são usadas as velhas cubas de cimento, num aproveitamento inteligente de todo o espaço disponível.

Blend-All-About-Wine-Porto Cruz-Sophisticated-System-2 porto cruz Porto Cruz, uma empresa em constante expansão... Blend All About Wine Porto Cruz Sophisticated System 2

Sistema sofisticado © Blend All About Wine, Lda

Ali opera também um sofisticado sistema de enchimento, rotulagem e embalamento, que corresponde às necessidades das enormes quantidades de vinho que saem diariamente, rumo a todo o mundo. A eficácia parece ser a palavra de ordem, anunciando-se para breve obras na parte administrativa e no laboratório.

Com a equipa de enologia a cargo do Eng. José Manuel Soares, que tem uma longa experiência na viticultura e enologia duriense, todo o projecto e estratégia são da responsabilidade do Eng. Jorge Dias, que tem sabido desenhar um perfil novo para os vinhos da Porto Cruz e para toda a imagem da empresa, o que está à vista um pouco por todo o lado.

Blend-All-About-Wine-Porto Cruz-The-Imposing-Porto-Cruz-Building-2 porto cruz Porto Cruz, uma empresa em constante expansão... Blend All About Wine Porto Cruz The Imposing Porto Cruz Building 2

O imponente edifício Porto Cruz – Foto de José Silva | Todos os Direitos Reservados

Toda essa imagem está concentrada, mais abaixo, na marginal de Gaia, na imponência do edifício Porto Cruz, já uma referência na zona. Duma construção antiga fez-se um espaço onde, como os próprios dizem “o vinho tem que ser vivido!” Decoração arrojada, muito moderna, investiu-se na imagem digital, com soluções muito inovadoras para dar a conhecer o vinho, sobretudo o vinho do Porto, também através do audiovisual. A tudo isto associou-se muito bem a cultura, que utiliza este espaço duma forma permanente ou temporária, tudo em prol do vinho do Porto e da sua história.

Blend-All-About-Wine-Porto Cruz-Modern-Restaurant-2 porto cruz Porto Cruz, uma empresa em constante expansão... Blend All About Wine Porto Cruz Modern Restaurant 2

Restaurante Moderno – Foto de José Silva | Todos os Direitos Reservados

No piso de cima funciona um moderno restaurante, com consultoria do chefe Miguel Castro Silva, mas onde o chefe José Guedes faz maravilhas, com uma cozinha consistente e apelativa.

Blend-All-About-Wine-Porto Cruz-The-terrace-3 porto cruz Porto Cruz, uma empresa em constante expansão... Blend All About Wine Porto Cruz The terrace 3

A vista – Foto de José Silva | Todos os Direitos Reservados

Blend-All-About-Wine-Porto-Cruz-The-terrace-4 porto cruz Porto Cruz, uma empresa em constante expansão... Blend All About Wine Porto Cruz The terrace 4

A vista – Foto de José Silva | Todos os Direitos Reservados

No terraço funciona um bar onde se tem uma visão de 360º sobre Gaia e o Porto, ali em frente, e que funciona até tarde nos meses de bom tempo. Na noite de S. João, estamos em primeira plateia.

Blend-All-About-Wine-Porto-Cruz-Porto-Dalva-Golden-White-1971-2 porto cruz Porto Cruz, uma empresa em constante expansão... Blend All About Wine Porto Cruz Porto Dalva Golden White 1971 2

Porto Dalva Golden Branco 1971 – Foto de José Silva | Todos os Direitos Reservados

No final duma visita muito completa, brindou-se com um Porto Dalva Golden White 1971.

O rio Douro, esse, passava ali à frente, pachorrento…

Contactos
Espaço Porto Cruz
Largo Miguel Bombarda, N.º23
4400 – 222 Vila Nova de Gaia
Tel: (+351) 220 92 53 40 / 220 92 54 01
Fax: 220 924 299
Website: www.myportocruz.com | www.porto-cruz.com

De Volta aos anos 30 com a Casa dos Tawnies

Texto Sarah Ahmed | Tradução Bruno Ferreira

Big Fortified Tasting (Grande Prova de Fortificados) é a uma feira exclusivamente dedicada a vinhos fortificados, e a maior do mundo para este propósito. E é também uma das minhas provas favoritas do ano, até porque fortificados envelhecidos em madeira – obras vínicas do tempo – estão entre os mais deliciosos e complexos vinhos à face da Terra. Por isso não hesitei quando tive a oportunidade de participar na Masterclass “House of Tawnies”, da Sogevinus, que me levou de volta aos anos 30. Pode ter sido a era da Depressão mas, no que toca ao vinho do Porto, à medida que provava os Colheitas 1935, 1937 e 1938, havia muitas razões celebrar!

Blend-All-About-Wine-Back-to-The-Thirties-House-of-Tawnies-Carlos-Alves-Winemaker-Sogevinus De Volta aos anos 30 com a Casa dos Tawnies De Volta aos anos 30 com a Casa dos Tawnies Blend All About Wine Back to The Thirties House of Tawnies Carlos Alves Winemaker Sogevinus

Carlos Alves, Enólogo do grupo Sogevinus – Foto de Sarah Ahmed | Todos os Direitos Reservados

Não contabilizando a inegável qualidade destes vinhos do Porto, a auto-intitulada alcunha “House of Tawnies” encaixa-lhe que nem uma luva. Quando a Sogevinus adquiriu, há 10 anos atrás, a Kopke, a Burmester, a Barros e a Cálem, ficou em posse do maior stock de Colheitas em Portugal – segundo o enólogo do grupo, Carlos Alves, a Sogevinus possui 17 milhões de litros de Porto Tawny. Além do mais, já que os Colheitas são engarrafados por encomenda, passam muito mais tempo em madeira do que os 7 anos mínimos legais. Agora que tenho tempo para pensar, foi qualquer coisa de extraordinário provar vinhos que passaram mais de 80 anos em madeira. Os 4 Colheitas que provamos tinham sido engarrafados apenas 15 dias antes.

Blend-All-About-Wine-Back-to-The-Thirties-House-of-Tawnies-Tasting-Glasses De Volta aos anos 30 com a Casa dos Tawnies De Volta aos anos 30 com a Casa dos Tawnies Blend All About Wine Back to The Thirties House of Tawnies Tasting Glasses

Os quatro copos na mesa de prova – Foto de Sarah Ahmed | Todos os Direitos Reservados

É uma longevidade que se baseia simultaneamente na mestria de selecção das uvas e o cuidado dispensado nestes raros e finos Portos durante o seu longo estágio em madeira. Alves explica que, as uvas não têm apenas de ter estrutura para envelhecer, devem também enquadrar-se na filosofia da casa. Ele certifica-se disso, nas vinhas, todos os anos, a cada vindima; as uvas para os Colheitas são as primeiras a ser alocadas já que esta categoria é uma imagem de marca da empresa.

Nos Kopke, as uvas para os Colheita têm sido obtidas, desde os anos 20, nas parcelas do meio e superiores da Quinta S. Luiz, perto do Pinhão, em Cima Corgo. A 600m acima do nível médio das águas do mar, proporcionam a acidez para o estilo estruturado e intenso do Kopke. Quando a Barros adquiriu a Kopke em 1952, também pensou nas uvas da Quinta S. Luiz mas, neste caso, uvas com um maior teor de açúcar são obtidas de duas parcelas mais baixas e mais quentes, da vinha junto ao rio. São mais adequadas para os Portos mais ricos desta casa.

Quanto ao cuidado dispensado aos Portos durante o tempo que passam em madeira, Alves tem uma equipa dedicada para isso, consistiando de duas pessoas, isto porque “precisam de conhecer os vinhos para trabalhá-los bem”. Acrescenta ainda que, têm o cuidado de se certificarem que as pipas, os tonéis e as barricas se mantém sempre ligados à mesma casa “já que a madeira – o tamanho e tipo de madeira – confere perfil à casa”. A Cálem, por exemplo, com a maior variedade de barris, tem a tradição de envelhecer os vinhos em madeira tropical/exótica.

Alves e a sua equipa transferem os Colheitas, pelo menos uma vez por ano, das pipas individuais de 550 litros (barril de Porto) em que se encontram, para uma barrica grande, isto para poderem ajustar os níveis de aguardente vínica (que evapora ao longo do tempo) e manter os de requisitos mínimos de percentagem alcoólica (a aguardente vínica integra-se muito melhor quando misturada em quantidades mais elevadas, na barrica). Há dois factores que ajudam a explicar o porquê destes Colheitas dos anos 30 – os mais antigos que a empresa tem para venda – terem conseguido manter uma frescura incrível, sendo que um deles é este modo de exposição ao ar, e o outro é o facto de lavarem as pipas antes de recolocarem lá os Portos. Aqui estão as minhas notas de prova:

Kopke Porto Branco 1935

Fundada em 1638 por Christiano Kopke e pelo seu filho Nicolau, a Kopke é a empresa mais antiga de exportação de vinho do Porto. Em 1953 foi adquirida pela família Barros, nas mãos da qual ficou até 2006, altura em que a própria Barros foi aquirida pela Sogevinus. Com cerca de 45g/l de açúcar residual, este pálido e raro Colheita, feito a partir de uvas brancas, é, em termos de estilo, mais seco do que o Kopke Tawny Colheita de uvas tintas. Tem um nariz mais firme e focado, ainda que mais contido. Palato com notas distintas a maresia/ ozono e nogado, estilo Fino (Sherry Seco) – mais leve e menos doce do que o sabor a nozes que normalmente associo aos tawnies. E, talvez por ter menos extracto e açúcar residual, tem uma frescura particularmente marcada. É de um ano altamente considerado no Douro, e tem uma electrizante intensidade de perfume a casca de laranja, laranja e maça eau-de-vie, com notas de anis e apimentado num final longo e limpo.

Blend-All-About-Wine-Back-to-The-Thirties-House-of-Tawnies-Kopke-Colheita-1935 De Volta aos anos 30 com a Casa dos Tawnies De Volta aos anos 30 com a Casa dos Tawnies Blend All About Wine Back to The Thirties House of Tawnies Kopke Colheita 1935

Kopke Porto Branco 1935 & Kopke Porto Colheita 1935 – Foto de Sarah Ahmed | Todos os Direitos Reservados

Kopke Porto Colheita 1935

Âmbar carregado e borda de açafrão. Com as suas notas a casca de laranja e toranja no nariz, tem uma sensação palpável de frescura – um ponto a mais. Mas também há riqueza, o que me faz lembrar dos biscoitos Madeleine. Na boca, tem uma energia fantástica. Uma espinha nogada confere longevidade e tensão, o toque a toranja e a casca de laranja conferem sabor, enquanto que, um toque de vinagrinho de frutas faz um contraste picante com o figo seco, doce e suave. Um final longo, muito vibrante, com um timbre maravilhoso. Fabulosamente complexo e com personalidade.

Burmester Porto Colheita 1937

Henry Burmester e John Nash começaram a enviar vinho do Porto para as Ilhas Britânicas após chegarem a Vila Nova de Gaia, em 1750. A casa de Porto permaneceu na família Burmester até 2005, altura em que foi adquirida pela Sogevinus. Apesar de ter uma cor caramelo queimado, é um Colheita particularmente sedoso, com um paladar (e doçura aparente) muito diferente do Kopke. Parece muito mais jovem, tal é o seu perfeito e harmoniosamente frutado paladar a caramelo salgado. Alves descreve-o como sendo “uma caixa de perfume”, devido aos aromas que apresenta. É possível distinguir tamarindo, canela adocicada e cardamomo no chutney de frutas secas e damasco de Tânger. Rico, mas bem equilibrado, tem uma grande postura e persistência no final, carregado a cigarrilhas de café crème. Melífluo, muito elegante.

Blend-All-About-Wine-Back-to-The-Thirties-House-of-Tawnies-Barros-Colheita-1938-Burmester-Colheita-1937 De Volta aos anos 30 com a Casa dos Tawnies De Volta aos anos 30 com a Casa dos Tawnies Blend All About Wine Back to The Thirties House of Tawnies Barros Colheita 1938 Burmester Colheita 1937

Barros Porto Colheita 1938 & Burmester Porto Colheita 1937 – Foto de Sarah Ahmed | Todos os Direitos Reservados

Barros Porto Colheita 1938

A Barros foi fundada em 1903 por Manoel de Almeida e adquirida pela Sogevinus em 2006. Proveniente de ano quente, este Barros tem tons fulvos, e nas bordas, açafrão e azeitona nas. No nariz sente-se um pouco a aguardente, com uma pitada de noz. E, contrariamente à realidade, sugere ser o mais velho dos Colheitas Tawny. Na boca é mais doce, com tâmaras secas, crème caramel, caramelo salgado e nogado. No entanto, o final demonstra um traço de terra e noz amarga – está a secar um pouco. Não é tão harmonioso como os outros.

O meu preferido? É difícil escolher entre o Kopke e o Burmester – são estilos tão diferentes, tal como devem ser. Fazendo um balanço, o Kopke é o mais etéreo dos dois – adorei a energia, tensão e toque que apresentou. Mas o equilíbrio aveludado do Burmester foi o que colheu mais votos.

Se quiser fazer o seu próprio mano a mano Burmester vs Kopke, porque não juntar-se a mim no Tour da Blend – All About Wine ao Porto, Vinho Verde e Douro no próximo mês?  Vamos fazer um frente a frente de Tawnies 20 anos e Portos brancos da Kopke e da Burmester, seguido de dois Colheitas da Kopke, um 1966, e outro de 1957, um dos meus Portos favoritos que também indiquei no artigo que escrevi para a wine-searcher em Dezembro.  Dias felizes!

Contactos
Sogevinus Fine Wines, S.A.
Avenida Diogo Leite nº 344
4400-111 Vila Nova de Gaia
Tel: +351 22 3746660
Fax: +351 22 3746699
E-mail: comercial@sogevinus.com
Website: www.sogevinus.com