Posts Tagged : João Portugal Ramos

Vinhos Pouca Roupa 2015

Texto João Barbosa

O Sol já aquece e a minha vontade de me atirar para dentro do mar é tal… bem! Como escrever isto sem parecer que apanhei demasiado calor na cabeça?… Os três vinhos chamam-se Pouca Roupa… a marca mais pop dos vinhos portugueses!

Mal os recebi para prova não consegui controlar o cérebro, que se pôs a cantar «Pop muzik», o sucesso de 1979 de M, a banda britânica de disco sound e pop new wave. Não foi por acaso! Por esse ano passava um anúncio na televisão, animado pelo tema, em que uma moça ia abrindo sucessivamente calças que tinha vestidas, pareciam não acabar… Pouca Roupa!

Para esta associação ser entendida não é preciso chamar Sigmund Freud. Porém, o espírito frenético de liberdade e fruição da disco sound toma conta facilmente do ânimo. Dei por mim como disc jockey mental e a passar para Patrick Hernandez, com o «Born to be alive».

Não vou continuar a enumerar os sucessos que cantei enquanto escrevi este texto. Posso dizer é que é impossível parar um Verão decidido! Exijo noites de dança na praia!

Nem sempre a marca se adequa ao produto, seja por incompetência ou artimanha. Mas não é o caso. Os vinhos Pouca Roupa querem o Verão – já o dissera há cerca de um ano e repito. São três, cada qual com uma cor.

Blend-All-About-Wine-Pouca Roupa-white 2015 pouca roupa Vinhos Pouca Roupa 2015 Blend All About Wine Pouca Roupa white 2015

Pouca Roupa branco 2015 – Foto Cedida por João Portugal Ramos | Todos os Direitos Reservados

Blend-All-About-Wine-Pouca Roupa-rosé 2015 pouca roupa Vinhos Pouca Roupa 2015 Blend All About Wine Pouca Roupa ros   2015

Pouca Roupa rosé 2015 – Foto Cedida por João Portugal Ramos | Todos os Direitos Reservados

Blend-All-About-Wine-Pouca Roupa-red 2015 pouca roupa Vinhos Pouca Roupa 2015 Blend All About Wine Pouca Roupa red 2015

Pouca Roupa tinto 2015 – Foto Cedida por João Portugal Ramos | Todos os Direitos Reservados

O Pouca Roupa Branco 2015 está fresquinho como um pinguim… e vai guloso e amigável, com 12,5 graus de álcool. Fez-se com uvas sauvignon blanc, verdelho e viosinho. É um tiro directo à diversão e vai bem com comida, conversa ou dança.

O Pouca Roupa Rosé 2015 é malandro. O lote de aragonês, cabernet sauvignon e touriga nacional engana a índole. Não fosse ser comedido no álcool, 12,5%, e seria um caso grave. É guloso e boa companhia para a conversa e para a festa.

O Pouca Roupa Tinto 2015 obriga a maior cuidado, pois a graduação alcoólica sobe para os 14 graus. É um lote de alfrocheiro, alicante bouschet e touriga nacional. Este precisa de comida no prato.

Três alentejanos irrequietos. Pop! Pop! Pop muzik! Pop! Pop! Pop muzik!

João Portugal Ramos – Vila Santa Reserva Tinto 2013 e Marquês de Borba Branco 2015

Texto João Barbosa

Estremoz é uma das minhas vilas favoritas – que me perdoem os seus habitantes, mas não me conformo com o facto de ter sido promovida a cidade. É que a palavra «vila» tem um encanto e um charme que cidade não tem.

Bem… Estremoz merece uma visita. Para mim, o Alentejo é a região portuguesa… o Douro dos socalcos iguala, mas quanto à paisagem das povoações tenho bastantes tristezas. O Além Tejo é completo e a melhor preservada região portuguesa, do Guadiana ao Atlântico, da fronteira com o Reino do Algarve até ao grande rio ibérico. Vale bem a pena tirar uns dias para conhecer este Sul.

A fundação deu-se durante o período da ocupação romana. O seu mais imponente monumento, o castelo, tem data incerta. A Direcção-Geral do Património Cultural aponta, sem certeza, para o período da crise dinástica, que levou ao trono Dom Afonso III, em 1248, filho segundo do Rei Dom Afonso II e Dona Urraca, filha de Dom Afonso VIII de Castela. É por via de Dom Afonso III que entraram os castelos no escudo heráldico de Portugal, derivado do brasão de seu avô materno.

Dom Afonso III foi quem completou a conquista do território continental português, em 1249, com a tomada de Faro. Foi o segundo monarca português a usar o título de Rei do Algarve, feudo meramente honorífico. Este soberano procedeu igualmente a uma importante reforma legislativa, as chamadas Ordenações Afonsinas.

Porém, a figura histórica mais apaixonante que se liga a este monumento é a de Dona Isabel de Aragão, Rainha consorte, casada com Dom Dinis, filho de Dom Afonso III. A Dom Dinis se deve a salvação dos Cavaleiros Templários, através da transformação da Ordem dos Pobres Cavaleiros de Cristo e do Templo Salomão na Ordem de Nosso Senhor Jesus Cristo, que iria levar, já na segunda dinastia, à criação do império português. Este monarca foi apelidado de «O Lavrador», pelo impulso que deu à agricultura.

À Rainha Isabel se atribuíram muitos milagres, tendo sido canonizada pelo Papa Leão X, em 1516. O seu mais famoso milagre foi o de transformar pão em rosas. Conta-se que distribuía secretamente pão pelos pobres e que o Rei intrigado com os rumores, que não lhe agradavam, a terá surpreendido quando levava o alimento aos desfavorecidos. Ao ser questionada acerca do que levava escondido no vestido, respondeu: «São Rosas, senho». Então, do seu regaço se deixaram cair bonitas flores. Maravilhas idênticas são atribuídas a Santa Isabel da Hungria, sua tia materna, a Santa Cecília e a Santa Zita.

O castelo de Estremoz foi uma das residências de Dom Dinis, tendo nele vindo a falecer a Rainha Santa Isabel. Hoje, o monumento é uma pousada, pelo que o visitante pode privar intimamente com um pouco da História de Portugal.

Vamos ao vinho, razão desta visitita escrita a Estremoz. Vem um branco e um tinto de João Portugal Ramos, enólogo e produtor que várias vezes tem sido sujeito de textos aqui na Blend – All About Wine.

Blend-All-About-Wine-João Portugal Ramos-Vila Santa joão portugal ramos João Portugal Ramos - Vila Santa Reserva Tinto 2013 e Marquês de Borba Branco 2015 Blend All About Wine Jo  o Portugal Ramos Vila Santa

Vila Santa Reserva Tinto 2013 – Foto Cedida por João Portugal Ramos | Todos os Direitos Reservados

Blend-All-About-Wine-João Portugal Ramos-Marquês de Borba joão portugal ramos João Portugal Ramos - Vila Santa Reserva Tinto 2013 e Marquês de Borba Branco 2015 Blend All About Wine Jo  o Portugal Ramos Marqu  s de Borba

Marquês de Borba Branco 2015 – Foto Cedida por João Portugal Ramos | Todos os Direitos Reservados

Vila Santa – Estremoz é terra de mármore e esta referência vínica bem a essa rocha pode ser comparada: beleza e solidez. Vila Santa Reserva Tinto 2013 é um dado seguro do Alentejo vinícola.

Digo seguro porque quem o compra sabe que leva um vinho que não o irá defraudar na qualidade. Tem aquilo que admiro no vinho: consistência de qualidade e de tradução do ano. Se existe uma fórmula, ela é a de escolher com critério as uvas, deixando à natureza contar a sua versão da vida. Elegante, fácil de nos perdermos nele e com uma acidez que nos desmente os 14% de álcool.

O Vila Santa Reserva Tinto 2013 resulta de um lote de aragonês, touriga nacional, syrah, cabernet sauvignon e alicante bouschet. A ficha técnica não indica a percentagem de cada casta. Deduzo que, por não estar em ordem alfabética, isso traduz o maior peso que cada cultivar tem no conjunto.

Uma parte das uvas foi pisada em lagares de mármore e outra em balseiros de madeira, seguida de maceração pós-fermentativa. O vinho estagiou nove meses em pipas de carvalhos americano e francês.

O segundo vinho é também um clássico que se renova. A marca Marquês de Borba é também uma garantia. Não oscila, é fiável. Pode gostar-se mais ou menos, mas o padrão não resvala. Agora escrevo sobre o branco, referente à vindima de 2015.

Ora, o vinho… É um lote das castas arinto, antão vaz e viognier. É um vinho que está mesmo a pedir que o Verão chegue depressa. Tem a virtude duma graduação alcoólica que, infelizmente, nem sempre existe: 12,5%. Assim, tem uma leveza que desafia as comidas mais frágeis e estivais, mas igualmente convívio de conversa e preguiça.

O baixo grau de álcool e a casta arinto fazem maravilhas. Penso que, tal como nas vindimas anteriores, se mostra ao gosto dos enófilos. Não é o «meu» vinho – reporto-me apenas ao factor «gosto», não critico a qualidade do néctar. A justificação é a «maldita».

Tenho um problema com a variedade antão vaz… pouco haverá a fazer. Não é um problema do vinho nem da cultivar, é a minha boca que não simpatiza com estas uvas. O meu elogio à arinto deve-se a senti-la como um antídoto à minha casta branca de embirração.

João Portugal Ramos

Texto João Pedro de Carvalho

João Portugal Ramos licenciou-se em Agronomia pelo Instituto Superior de Agronomia em 1977. Estagiou no Centro de Estudos da Estação Vitivinícola Nacional de Dois Portos, após o que iniciou em 1980 no Alentejo a actividade de enólogo-gerente da Cooperativa da Vidigueira. Sairia passado pouco tempo, passando pela Casa Agrícola Almodôvar onde em 1982 ganha o prémio de Melhor Vinho na Produção com o tinto Paço dos Infantes 1982. Daria o salto para a Adega Cooperativa de Reguengos de Monsaraz onde ajudou a criar a marca Garrafeira dos Sócios. A partir da experiência acumulada, João Portugal Ramos constituiu no final da referida década a sua primeira empresa de nome Consulvinus com o objectivo de dar resposta às inúmeras solicitações de vários produtores, no seu percurso de glória criou alguns dos míticos Tapada do Chaves, Quinta do Carmo ou Cooperativa de Portalegre. A partir de 1989, a Consulvinus alargou a sua actividade para além do Alentejo, chegando ao Ribatejo, Península de Setúbal, Dão, Beiras, Estremadura e Douro.

Blend-All-About-Wine-João-Portugal-Ramos-Winery joão portugal ramos João Portugal Ramos Blend All About Wine Jo  o Portugal Ramos Winery

A Adega © Blend All About Wine, Lda

 

Em 1990, João Portugal Ramos plantou os primeiros cinco hectares de vinha em Estremoz, onde vive desde 1988, dando início ao seu projecto pessoal. A construção da adega em Estremoz, no Monte da Caldeira, iniciou-se em 1997, tendo sido ampliada em 2000. O sucesso e os prémios acumulados pelos “seus” vinhos ao longo da sua carreira valeram-lhe o reconhecimento nacional e internacional como um dos principais responsáveis pela evolução dos vinhos portugueses. Fruto da sua mestria têm nascido alguns dos grandes vinhos de Portugal, muitos deles ainda feitos em talha, vinhos que fazem parte da história e que têm tido a capacidade única de marcarem tanto percurso enófilo como foi o meu caso. Os exemplos são vários e na sua quase totalidade, incluindo os da década de 80, ainda mostram uma invejável forma na hora da prova.

Blend-All-About-Wine-João-Portugal-Ramos-The-Wine-Range joão portugal ramos João Portugal Ramos Blend All About Wine Jo  o Portugal Ramos The Wine Range

A gama de vinhos © Blend All About Wine, Lda

 

Muito recentemente face aos pedidos do mercado investiu nos Vinhos Verdes, já antes tinha no Douro juntamente com o enólogo José Maria Soares Franco criado o projecto Duorum. Passados 13 anos sem lançar uma nova marca de vinho alentejano, tirando os topos de gama, criou a marca Pouca Roupa com um enorme sucesso de vendas. Como tem vindo a ser hábito e não podia ser de outra forma, são os consumidores a ditarem o sucesso deste nome incontornável da enologia.

Blend-All-About-Wine-João-Portugal-Ramos-Vila-Santa joão portugal ramos João Portugal Ramos Blend All About Wine Jo  o Portugal Ramos Vila Santa

Vila Santa Reserva 2012 & Vila Santa Reserva 2009 © Blend All About Wine, Lda

Na mais recente visita à adega e em animada conversa com o Engº João Portugal Ramos, foram colocadas em prova as mais recentes colheitas no mercado com um destaque para os brancos de 2104 que brilham alto fruto de um ano de excepcional qualidade. Foi proposto logo de início provar lado a lado a colheita mais recente com uma colheita anterior onde se começou pelo Vila Santa. O Vila Santa tinto nasceu na colheita de 1991, na altura ainda feito em talha, afirmando-se desde muito cedo como uma das grandes relações preço/satisfação existentes em Portugal. A qualidade assegurada colheita após colheita num perfil que tendo sofrido os necessários ajustes mas onde se tem sabido preservar o “estilo” Vila Santa que tanto prazer dá quando em novo como o 2012 ou mesmo com uns anos em garrafa como tão bem se mostrou o 2009.

De seguida provamos os Quinta da Viçosa, a meu ver os vinhos mais irreverentes do produtor e que nos oferecem a cada colheita o blend das duas melhores castas. Em prova o Quinta da Viçosa 2012 (Aragonês/Petit Verdot) e o 2011 (Touriga Nacional/Cabernet Sauvignon). Nota-se acima de tudo o cunho bem pessoal do enólogo, o espaço de destaque que a fruta ganha, limpa e sempre fresca, desempoeirada e inserida num conjunto sempre com bastante vigor, o tal vigor que permite sem exageros prolongar todos os seus vinhos numa linha de tempo muito acima da média. Quanto aos vinhos, o 2012 ainda muito vigoroso, demasiado novo o que me faz inclinar para o 2011, aquele travo de Cabernet Sauvignon a fazer lembrar Bordéus conquista-me no imediato, embora os dois ainda muito novos e a precisar de tempo em garrafa. Para estes dois tintos a escolha seria óbvia, carne de porco ou novilho com bom tempero, ligações com javali, veado ou caça grossa serão sempre vencedoras.

Blend-All-About-Wine-João-Portugal-Ramos-Quinta-Viçosa-Estremus-marques-borba joão portugal ramos João Portugal Ramos Blend All About Wine Jo  o Portugal Ramos Quinta Vi  osa Estremus marques borba

Marquês de Borba Reserva 2012, Estremus 2001 & Quinta da Viçosa 2007 © Blend All About Wine, Lda

A fase final da prova contou com a presença daquele que é um dos “novos” clássicos do Alentejo, o Marquês de Borba Reserva que desde que saiu pela primeira vez na colheita 1997 conquistou por direito próprio lugar entre os grandes vinhos da nação. A evolução deste vinho é algo notável, comprova-se provando o 1999 que está num momento de forma magistral e ainda com muita vida pela frente. Terá sido este 1999 o melhor de todos até à data para o seu criador, eu irei juntar ao 1999 o 2012. Embora o 2013se encontre em momento pré-escolar a prova que dá é de um vinho ainda na fase de arrumos, tudo muito espalhado, muita caixa por abrir, precisa de tempo. Enquanto isso o 2012 já se mostra algo mais esclarecido, dá mostras de um conjunto luxuoso ao qual não se consegue ficar indiferente. A envolvência entre fruta/madeira confere um elevado grau de sensualidade e elegância ao vinho, no palato confirma tudo o que tem vindo a ser dito. Por esta altura são os pratos mais nobres e delicados que brilham, uma Perdiz Estufada é o casamento perfeito.

Para o final fica aquele que é de momento o topo de gama do produtor, o Estremus 2011, ainda que se tenha tido um vislumbre do que será a sua nova edição. Mas é no 2011 que as atenções se prendem com razões de sobra para que tal aconteça, o vinho que nem sequer nasce em vinhedo velho é um monumento de classe e raça. Muita finesse com a fruta num patamar de definição e frescura muito acima da média, no fundo sente-se a pujança e nervo de um grande vinho, um gigante adormecido com muitas alegrias para dar nos tempos futuros. A prova que dá esbarra numa saudável austeridade no palato, os tais taninos que ainda não se acomodaram, no nariz a cada rodopio no copo a complexidade vai-se desenrolando. Mais uma vez a enologia de João Portugal Ramos a conseguir lançar um vinho grandioso, como tem sido seu costume ao longo das últimas três décadas. Uau.

Contactos
João Portugal Ramos Vinhos S.A.
Vila Santa
7100-149 Estremoz
Portugal
Tel: (+351) 268 339 910
Fax: (+351) 268 339 918
Website: www.jportugalramos.com

Para a mesa com Pouca Roupa

Texto João Barbosa

Há expressões engraçadas, que, de tão usadas, nem reparamos nem pensamos no que querem dizer… «Foi resvés Campo de Ourique» – o maremoto de 1755 quase chegou à colina de Campo de Ourique. Basta esta, pois não quero escrever um texto para almanaque.

No mundo da gastronomia – em que me centro apenas na componente vínica ou de outras bebidas – há igualmente expressões que dão jeito e, na pressa de se dizer o que se quer, o maremoto leva-lhe parte.

A minha expressão favorita é a do «vinho de piscina». A imagem é maravilhosa – mesmo não pensando num tanque cheio de vinho. Calor, sol, família e amigos. Tudo jóia! Mas… quantos de nós têm piscina ou conhecem alguém com piscina?

Infelizmente não tenho piscina. Azaruncho privado. Outra imagem é do vinho para depois da praia, quando as senhoras se enrolam nuns panos coloridamente desbotados e os homens enfiam os pólos tronco abaixo, contorcendo-se com a canção desagradável do sal, algodão e pelo.

Estiraçados nas cadeiras da esplanada – nas férias tudo é permitido – a ver o mar e o sol a pôr-se, bebendo um «vinho para depois da praia». Tudo jóia! Mas… quantos de nós tem arcaboiço para beber um copo de vinho entre a areia e a casa? Além da questão do volante… Ao jantar, é diferente. Mas, «vinho para depois da praia»?!

Não importa! «Vinho de piscina» e «vinho para depois da praia» são expressões fantásticas. E vêm a propósito de quê? Da nova marca de vinhos de João Portugal Ramos. É um achado!

«Pouca Roupa»! Duas palavras que sintetizam o que já era sintético: «vinho de piscina» e «vinho para depois da praia». Confesso que ao saber do «Pouca Roupa» lembrei-me de toda uma gama: Biquíni (bivarietal), Monoquini (monocasta), Triquini (três, claro)… já Tanga e Sunga… Nudismo, depois de esvaziada.

O que conta esta marca, que se veste de «negro, branco e rosa»? Desde logo um prazer fácil, directo ao assunto. Todos eles, mas uns mais felizes do que outros, o que é normal. São os três Regional Alentejano e referentes à vindima de 2014

Para a mesa com Pouca Roupa Para a mesa com Pouca Roupa Blend All About Wine Pouca Roupa 1

Pouca Roupa tinto 2014

O Pouca Roupa Tinto 2014 é um alentejano temperado com Dão… ok, touriga nacional. A touriga nacional é do mundo, pelo que também do Alentejo, onde ocupa áreas significativas. O lote é composto ainda por alfrocheiro e alicante bouschet.

Ora o que tenho a dizer: 14% de álcool é demasiado. Sendo que tem acidez que o aguenta, o organismo não quer saber. A graduação é elevada se pensarmos em «pouca roupa». Só lhe aponto a graduação, é prazenteiro.

Blend_All_About_Wine_Pouca_Roupa_2 Para a mesa com Pouca Roupa Para a mesa com Pouca Roupa Blend All About Wine Pouca Roupa 2

Pouca Roupa branco 2014

O Pouca Roupa Branco 2014 é um alentejano diferente, em que viosinho, sauvignon blanc e verdelho se orquestram nos sentidos. Mais uma vez, boa acidez e a pedir comida leve. Aplaudo os seus 12,5% de álcool.

Blend_All_About_Wine_Pouca_Roupa_3 Para a mesa com Pouca Roupa Para a mesa com Pouca Roupa Blend All About Wine Pouca Roupa 3

Pouca Roupa Rosé 2014

O Pouca Roupa Rosé 2014 fez-se com uvas touriga nacional, aragonês e cabernet sauvignon. Guloso! A acidez mais do que aguenta os 13% de álcool. Porém, parece-me uma percentagem excessiva, quando penso em «pouca roupa».

Agora resta esperar que a Primavera seja simpática e o Verão seja amigo. Que o tempo de prazer não signifique maldade para as lavouras. Fiz a primeira recomendação a um amigo que tem piscina.

Contactos
João Portugal Ramos Vinhos S.A.
Vila Santa
7100-149 Estremoz
Portugal
Tel.: (+351) 268 339 910
Fax.: (+351) 268 339 918
E-mail: info@grandesvinhos.com
Website: www.jportugalramos.com

João Portugal Ramos Loureiro 2013, os prazeres acessíveis do Vinho Verde

Texto João Pedro de Carvalho

A aventura de João Portugal Ramos no mundo do vinho começou em 1980. Chegou a andar pelo Dão, Lisboa e Setúbal, mas nos dias de hoje apenas conta com presença nas regiões do Alentejo, Tejo, Beiras e Douro.

Os canais internacionais de distribuição pediram-lhe um Vinho Verde e foi isso que o fez lançar em 2011 o seu primeiro vinho daquela região, o Lima Loureiro em exclusivo para o mercado Americano.

Consolidado o projecto sediado em Monção, investimento que rondou 1 milhão de euros, lançou com sucesso na colheita de 2012 o João Portugal Ramos Alvarinho (Portugal, UK e USA).

joao-portugal-ramos-loureiro-the-inexpensive-pleasures-of-vinho-verde João Portugal Ramos Loureiro 2013, os prazeres acessíveis do Vinho Verde João Portugal Ramos Loureiro 2013, os prazeres acessíveis do Vinho Verde joao portugal ramos loureiro the inexpensive pleasures of vinho verde

João Portugal Ramos Loureiro 2013 – Foto de João Pedro de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

Chega agora a vez de lançar no mercado Português e com igual sucesso o João Portugal Ramos Loureiro 2013 (3,79€ PVP). Um vinho de aroma fresco e elegante, citrinos, erva-príncipe, ervas de cheiro combinadas com mineralidade de fundo. No palato mostra boa acidez e sabor refrescante com bom final de boca. Sob a influência marítima, a região dos Vinhos Verdes tem nos seus vinhos um verdadeiro símbolo de boas vindas ao verão, resultando numa harmonia perfeita com marisco, ceviche ou simplesmente como vinho de esplanada.

Contactos
João Portugal Ramos Vinhos S.A.
Vila Santa
7100-149 Estremoz
Portugal
Tel.: (00 351) 268 339 910
Fax.: (00 351) 268 339 918
www.jportugalramos.com