Posts Tagged : João Carvalho

Roquevale, uma vertical do Tinto da Talha Grande Escolha

Texto João Pedro de Carvalho

Desta vez rumo à vila de Redondo, mais propriamente à Roquevale que fica na estrada para Estremoz entre Redondo e a Serra D´Ossa. A empresa possui duas herdades num total de 185 hectares, a Herdade da Madeira Nova de Cima vocacionada para a produção de tintos onde despontam os solos de xisto e a Herdade do Monte Branco com solos de origem granítica mais vocacionada para a produção de brancos, onde está sediada a adega. A empresa que hoje se assume como a segunda maior empresa privada do Alentejo, a produção ronda os 3 milhões de litros por ano e é liderada pela enóloga Joana Roque do Vale.

Blend-All-About-Wine-Roquevale a vertical of Tinto da Talha-Herdade roquevale Roquevale, uma vertical do Tinto da Talha Grande Escolha Blend All About Wine Roquevale a vertical of Tinto da Talha Herdade

A adega e os vinhos – Foto Cedida por Roquevale | Todos os Direitos Reservados

O mundo do vinho e Joana Roque do Vale sempre andaram de mão dada, desde a infância em Torres Vedras onde os seus bisavôs eram produtores. Após a revolução de Abril o pai de Joana, Carlos Roque do Vale decide mudar-se para a vila de Redondo para tomar conta das duas herdades do sogro (que em 1970 já tinha iniciado a plantação de vinha na zona de Redondo). A Roquevale iria nascer em 1983 de uma sociedade entre Carlos Roque do Vale e o seu sogro. O caminho de Joana estava traçado, o mundo do vinho era a sua segunda casa, daí até fazer o seu estágio curricular na Herdade do Esporão foi um ápice. Aprendeu com os melhores, como coordenador de estágio teve o engenheiro Francisco Colaço do Rosário e o enólogo Luís Duarte que já na altura era também consultor da Roquevale. Terminado o curso começou a trabalhar na empresa da família onde iria assumir pouco tempo depois a enologia da empresa.

Blend-All-About-Wine-Roquevale a vertical of Tinto da Talha-Talhas roquevale Roquevale, uma vertical do Tinto da Talha Grande Escolha Blend All About Wine Roquevale a vertical of Tinto da Talha Talhas

Talhas – Foto Cedida por Roquevale | Todos os Direitos Reservados

Um produtor com marcas bem conhecidas dos consumidores onde se destacam nomes como Terras de Xisto, Tinto da Talha ou Redondo. O vinho agora em destaque foi durante largos anos considerado como o topo de gama da empresa, o Tinto da Talha Grande Escolha que nos mostra as duas melhores castas de cada colheita. A prova em formato vertical começou com o 2003 e foi até ao 2010, mostrando em todas as colheitas um vinho que encarou com naturalidade a passagem do tempo, sem sinais de desgaste ou velhice acentuada. Sempre com direito a passagem por barricas novas, durante as primeiras colheitas destaca-se a assídua presença da Touriga Nacional que ia intercalando com Aragones ou Syrah, daria lugar depois à Alicante Bouschet que combina com Syrah ou Aragones sendo 2009 o único que junta Touriga Nacional com Alicante Bouschet.

Blend-All-About-Wine-Roquevale a vertical of Tinto da Talha-Wines roquevale Roquevale, uma vertical do Tinto da Talha Grande Escolha Blend All About Wine Roquevale a vertical of Tinto da Talha Wines

A vertical – Foto de João Pedro de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

O que mais gostei foi o 2010 Aragonês/Touriga Nacional que mostra uma dupla em perfeita harmonia num conjunto cheio de vida com muita fruta madura, algum vegetal presente, tudo em perfeita harmonia. Amplo, guloso, exuberante com ponta de rusticidade, num bom registo fiel à região e a pedir comida por perto. Muito bom está o Aragonês/Alicante Bouschet 2008 que mostra um conjunto cheio e guloso, cacau, fruta sumarenta com pingo de doçura, tudo balanceado e fresco, bálsamo de segundo plano com muito sabor no palato, equilibrado e com taninos a marcarem ligeiramente o final. Seguido bem de perto pelo 2003 junta Touriga Nacional/Aragonês que sendo a primeira colheita mostrou-se em muito boa forma a juntar a uma fruta vermelha ainda madura uma bonita frescura de conjunto com bálsamo fino, couro, especiarias, tudo em corpo médio ainda com energia e final longo. O Tinto da Talha Grande Escolha 2009 junta Touriga Nacional/Alicante Bouschet, inicio com vegetal fresco e fruta madura e de apontamento mais doce, de início algum químico, tudo muito novo cheio de garra e bastante sabor, boa frescura mas final um pouco mais curto do que se esperava.

O Aragonês/Syrah 2007 é de todos aquele que menos conversa, cerrado com aroma químico de início, cacau, pimenta, fruta envolta em geleia, frescura a envolver tudo com boca saborosa, rebuçado de morango em fundo com balsâmico num conjunto bem estruturado com bom suporte e persistência. Um vinho com muito ainda para dar e que certamente está em fase de arrumações. Da colheita 2004 Syrah com Touriga Nacional saiu um tinto com fruta vigorosa, muita pimenta com chocolate de leite, arredondado e coeso, ligeiro vegetal de fundo. Mostra a fruta bem limpa e saborosa, cereja ácida, amora, bom de se gostar. Para o fim ficaram as colheitas 2005 Touriga Nacional/Aragonês que se mostrou de todos o vinho mais aberto e espaçado, tímido mas a mostrar o cunho Roquevale bem patente. Muito melhor na prova de boca, que se fosse de igual gabarito no nariz, seria um caso muito sério. Por fim o que menos gostei, o Syrah/Touriga Nacional 2006 que despejou no copo aromas químicos com vegetal acentuado, num conjunto agreste, muita nota fumada, rusticidade a fazer-se sentir. Ligeira frescura na boca com alguma fruta em corpo mediano e sem ter a mesma prestação que os outros irmãos de armas.

Contactos
Roquevale, S.A.
Herdade do Monte Branco, Apartado 87
7170-999 Redondo
E-mail : geral@roquevale.pt
Website: www.roquevale.pt

Quinta do Francês, o médico que sonhou ser enólogo

Texto João Pedro de Carvalho

Rumamos novamente ao Algarve, uma região que num espaço de uma década tem vindo a fazer um esforço para se voltar a colocar no mapa da produção de vinho de qualidade. O contributo dos produtores que acreditaram naquela região tem sido fundamental, entre eles está Patrick Agostini o responsável pela Quinta do Francês. Nascido em França e descendente de uma família italiana do Piemonte com tradições vinícolas, Patrick formou-se como médico de anatomia patológica em França, mas também com formação em viticultura e enologia.

Acabaria por mudar-se para Portugal e aqui constituir família, encontrou uma propriedade que achou a ideal para cumprir o seu sonho, produzir vinho. Teve de começar praticamente do nada, uma vez que no início, a propriedade era apenas constituída por encostas com vegetação selvagem, mas após um ano e meio de preparação dos solos, drenagens e correcção de acidez a vinha foi implantada em 2002.

Blend-All-About-Wine-Quinta do Francês-Quinta quinta do francês Quinta do Francês, o médico que sonhou ser enólogo Blend All About Wine Quinta do Franc  s Quinta

Endtrada da Quinta do Francês in facebook.com/QuintaDoFrancesWinery

Hoje conta com 8 hectares de vinha situada nos vales de Silves, a meio caminho da Serra de Monchique, ali bem perto da ribeira de Odelouca. As vinhas distribuem-se por dois tipos de solos com os solos xistosos a totalizarem 6,5 hectares com a casta branca Viognier e as tintas Aragonês, Cabernet Sauvignon, Syrah e Trincadeira. Nos restantes 1,5 hectares e já em solo de aluvião muito perto da ribeira de Odelouca, ficou apenas instalada a Cabernet Sauvignon. Os seus vinhos têm vindo a ganhar notoriedade e a ganhar merecidamente o seu espaço junto dos consumidores. A qualidade sempre presente em vinhos onde a qualidade acima da média é hoje uma realidade não só na região de vinhos do Algarve mas também na Quinta do Francês.

Em prova coloco dois dos vinhos produzidos que a meu ver são o que de melhor o produtor tem para nos oferecer. O Quinta do Francês branco 2014 é um 100% Viognier com passagem por barricas de carvalho francês. Um branco com boa complexidade, fresco e de aromas delicados e limpos, descritores a invocar a casta (pêssego, maçã, pêra, ligeiro floral) baunilha da barrica com tudo em grande harmonia. Saboroso com a fruta a fazer-se sentir acompanhada de toque apimentado, algum fruto seco (avelã), frescura e a envolvente da madeira a arredondar os cantos em final de boa persistência.

Blend-All-About-Wine-Quinta do Francês white 2014 quinta do francês Quinta do Francês, o médico que sonhou ser enólogo Blend All About Wine Quinta do Franc  s white 2014

Quinta do Francês branco 2014 – Foto de João Pedro de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

Blend-All-About-Wine-Quinta do Francês red 2013 quinta do francês Quinta do Francês, o médico que sonhou ser enólogo Blend All About Wine Quinta do Franc  s red 2013

Quinta do Francês tinto 2013 – Foto de João Pedro de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

Do outro lado da mesa o Quinta do Francês 2013, um blend de Cabernet Sauvignon, Syrah e Aragonês com estágio em barrica por mais de um ano até ao engarrafamento. Mostra-se sério e com boa complexidade, frescura ligeira austeridade no aroma, grafite, tudo sem excessos com a fruta (frutos do bosque) a dar sinais de ligeira doçura, notas de bagas de pimenta preta, ligeiro floral num conjunto com a madeira bem integrada. Boca a dar indicação de um vinho sério e coeso, saboroso e com raça onde a fruta surge com notas de baunilha e especiarias em final de boa persistência.

Contactos
Quinta do Francês Estate Family
Sítio da Dobra Odelouca
Cx P 862H
8300-037 Silves – Portugal
Tel: (+351) 282 106 303
E-mail: quintadofrances@gmail.com
Website: www.quintadofrances.com

Da cozinha para a vinha, os vinhos de Margarida Cabaço

Texto João Pedro de Carvalho

Por vezes as decisões acertadas que tomamos na vida abrem os caminhos do sucesso, esta como muitas outras é uma história de sucesso. Tudo começou quando a jovem Margarida chegou a Estremoz, quis o destino que fosse ali encontrar o seu amor, Joaquim Cabaço, descendente da família Cabaço. Joaquim desde cedo aprendeu as artes do campo e da vinha, foi ele o responsável por plantar as actuais vinhas com a sua mulher Margarida em 1992. Na altura sem produção ou adega própria, toda a produção de uva era vendida a produtores da região, por outro lado era a paixão pela cozinha que iria levar a que em 1994 Margarida Cabaço inaugurasse um dos templos da cozinha Alentejana, o Restaurante São Rosas.

Blend-All-About-Wine-The wines of Margarida Cabaço-Margarida Cabaço margarida cabaço Da cozinha para a vinha, os vinhos de Margarida Cabaço Blend All About Wine The wines of Margarida Caba  o Margarida Caba  o

Margarida Cabaço à porta do seu restaurante, São Rosas

Apesar de toda a arte e mestria que Margarida coloca na sua cozinha, sentiu em determinado momento a necessidade de a complementar com algo mais, com algo que tivesse também o seu cunho, a sua mão. Nascia com a colheita de 2001 o projecto Monte dos Cabaços e as uvas que antes eram vendidas agora davam origem ao primeiro vinho do casal, curiosamente um Syrah produzido a partir de uma vinha com três anos. De um total de 130 hectares de vinha, entre uva branca e tinta, 55 ficaram para o projecto Monte dos Cabaços com os restantes a irem para o seu filho Tiago Cabaço. Hoje em dia a gama de vinhos cresceu e está mais composta, a enologia está a cargo da enóloga Susana Estéban mas cabe sempre a Margarida Cabaço a última palavra.

O processo de escolha começa na vinha tal como o faz aos produtos que coloca no São Rosas, critério de qualidade sempre presente. Os melhores lotes têm direito a passar por barrica e quando se mostram de patamar superior vão para o Monte dos Cabaços Reserva. Quanto à gama de vinhos especiais de nome Margarida, os quais não irei abordar por agora, são vinhos elaborados com a melhor casta de cada colheita, da qual uma parte ajuda a complementar os lotes dos restantes vinhos. O primeiro branco nasceu em 2005, agora temos o Monte dos Cabaços Colheita Seleccionada branco 2013 em prova que junta as castas Antão Vaz, Arinto e Roupeiro, apenas com passagem por inox. A mostrar-se com fruta (citrinos, maçã) vigorosa e muito madura, folha verde de limoeiro e flores brancas num conjunto directo e franco mas onde se nota algum nervo. Na boca mostra-se algo tenso, equilíbrio entre a fruta madura e suculenta e a secura, todo ele fresco e com bom final.

Blend-All-About-Wine-The wines of Margarida Cabaço-white margarida cabaço Da cozinha para a vinha, os vinhos de Margarida Cabaço Blend All About Wine The wines of Margarida Caba  o white

Monte dos Cabaços Colheita Seleccionada Branco 2013 – Foto de João Pedro de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

Blend-All-About-Wine-The wines of Margarida Cabaço-reds margarida cabaço Da cozinha para a vinha, os vinhos de Margarida Cabaço Blend All About Wine The wines of Margarida Caba  o reds

Monte dos Cabaços Colheita Seleccionada Red 2009 and Monte dos Cabaços Reserva Red 2008 – Foto de João Pedro de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

Nos tintos, o Monte dos Cabaços Colheita Seleccionada 2009 mostra-se muito centrado na fruta madura, muita baga e frutos do bosque, alguma ameixa, notas de chocolate preto, tabaco, pimenta preta, tudo fresco e com boa intensidade. Conjunto bem estruturado, passagem saborosa com frescura em final longo. Para último fica o Monte dos Cabaços Reserva 2008 feito de Touriga Nacional e Alicante Bouschet, com estágio em barrica. Um vinho atractivo e sério, com fruta preta muito madura envolvida em frescura e alguma geleia, boa harmonia de conjunto com notas de especiarias e uma muito boa concentração onde a barrica aparece muito bem integrada. Muito envolvente ao mesmo tempo que mostra nervo e garra, até alguma austeridade que se faz sentir em pano de fundo. Na boca é um festival de sensações que nos agarra ao copo com a fruta muito limpa a explodir de sabor, muita garra e frescura com estrutura firme que lhe garante longevidade e uma fantástica prestação à mesa.

Quinta do Gradil, fomos conhecer os novos vinhos e o novo restaurante

Texto João Pedro de Carvalho

Faz relativamente pouco tempo visitei a Quinta do Gradil, no sopé da Serra de Montejunto. Segundo informação retirada do site do produtor, é considerada uma das mais antigas, senão a mais antiga, herdade do concelho do Cadaval, com uma forte tradição vitivinícola que se prolonga desde há séculos. Adquirida, nos finais dos anos 90, pelos netos de António Gomes Vieira, precursor da tradição de vinhos na família desde 1945. Os novos proprietários iniciaram, em 2000, o processo de reconversão de toda a área de vinha primando por castas de maior qualidade. Nos 120 hectares de vinha encontram-se plantadas variadíssimas castas brancas e tintas. Sauvignon Blanc, Arinto, Viosinho, Viognier, Chardonnay, Petit Manseng, Cabernet Sauvignon, Tinta Roriz, Touriga Nacional, Tannat, Petit Verdot, Syrah, são alguns exemplos. Esta rica paisagem de vinha é responsabilidade do Engº. Bento Rogado sendo todas estas uvas vinificadas na adega, coordenada pelo Eng.º Pedro Martins, sob a batuta atenta dos enólogos Vera Moreira e António Ventura.

Blend-All-About-Wine-Quinta do Gradil-Restaurant quinta do gradil Quinta do Gradil, fomos conhecer os novos vinhos e o novo restaurante Blend All About Wine Quinta do Gradil Restaurant

O restaurante in quintadogradil.pt

O palacete e capela, em fase muito avançada de degradação aquando da aquisição da Quinta pelos novos proprietários, foram limpos e contam agora com um projecto ambicioso de recuperação. A adega sofreu melhoramentos, estando projectada uma reformulação profunda nos próximos 2 anos, e as cocheiras recuperadas deram lugar a uma sala de tertúlias. Foi no renovado restaurante da Quinta, a cozinha está a cargo do Chefe Daniel Sequeira, que fomos recebidos e onde tivemos oportunidade de provar e harmonizar algumas das novidades com pratos da nova carta. Um momento de boa disposição onde os vinhos mostraram um à vontade muito grande com a mesa e neste caso com as propostas do Chefe.

Blend-All-About-Wine-Quinta do Gradil-Alheira quinta do gradil Quinta do Gradil, fomos conhecer os novos vinhos e o novo restaurante Blend All About Wine Quinta do Gradil Alheira

Mini Alheira de Caça em cama de grelos – Foto de João Pedro de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

O primeiro vinho a ser servido,  o Quinta do Gradil Sauvigon Blanc e Arinto 2014 mostrou-se jovem e com boa frescura, boa ligação entre as castas a juntar o lado mais exótico e vegetal da Sauvignon com os citrinos e a frescura da Arinto. Uma boa combinação que resulta num vinho directo e bastante agradável à mesa com entradas de bom tempero como foi o caso da fotografia acima colocada.

Blend-All-About-Wine-Quinta do Gradil-Quinta do Gradil Sauvigon Blanc e Arinto 2014 quinta do gradil Quinta do Gradil, fomos conhecer os novos vinhos e o novo restaurante Blend All About Wine Quinta do Gradil Quinta do Gradil Sauvigon Blanc e Arinto 2014

Quinta do Gradil Sauvigon Blanc e Arinto 2014 in quintadogradil.pt

Blend-All-About-Wine-Quinta do Gradil-Quinta do Gradil Chardonnay 2014 quinta do gradil Quinta do Gradil, fomos conhecer os novos vinhos e o novo restaurante Blend All About Wine Quinta do Gradil Quinta do Gradil Chardonnay 2014

Quinta do Gradil Chardonnay 2014 in quintadogradil.pt

Quinta do Gradil Chardonnay 2014 mostra um perfil mais anafado que o anterior com o vinho a mostrar ter mais algumas gorduras que lhe conferem untuosidade e peso. A fruta surge em formato de polpa branca com pêra e melão, tudo envolto em boa frescura, com o suave aconchego da barrica num conjunto bem equilibrado.

Enquanto os varietais mostram o melhor de cada ano, os Reserva são os mais especiais da casa e apenas são criados quando a qualidade alcançada é de patamar superior. Assim sendo saiu este Quinta do Gradil Reserva branco 2013, um lote de Arinto e Chardonnay com passagem por madeira. Um vinho que se mostra bastante mais sério, coeso com boa complexidade, frescura e ligeira untuosidade a envolver toda a fruta, ligeira carga vegetal com ervas de cheiro. Boa amplitude na prova de boca num vinho com boa presença, saboroso e fresco.

No plano dos tintos, foi apenas um o vinho provado e mostrou-se muito bem o Quinta do Gradil Syrah 2013. Guloso e com uma fruta que o torna muito apetecível, o ligeiro toque químico que desponta apenas de início no copo pouco ou nada incomoda, depois é um bazar de coisas boas a passarem à frente do nariz, desde os chocolates, especiarias, fruta com ligeira compota, boa frescura num vinho com harmonia mas que ainda mostra sinais que vai perdurar no tempo.

Blend-All-About-Wine-Quinta do Gradil-Quinta do Gradil Reserva branco 2013 quinta do gradil Quinta do Gradil, fomos conhecer os novos vinhos e o novo restaurante Blend All About Wine Quinta do Gradil Quinta do Gradil Reserva branco 2013

Quinta do Gradil Reserva branco 2013 in quintadogradil.pt

Blend-All-About-Wine-Quinta do Gradil-Quinta do Gradil Syrah 2013 quinta do gradil Quinta do Gradil, fomos conhecer os novos vinhos e o novo restaurante Blend All About Wine Quinta do Gradil Quinta do Gradil Syrah 2013

Quinta do Gradil Syrah 2013 in quintadogradil.pt

Blend-All-About-Wine-Quinta do Gradil-Quinta do Gradil Sparkling Wine Chardonnay e Arinto 2013 quinta do gradil Quinta do Gradil, fomos conhecer os novos vinhos e o novo restaurante Blend All About Wine Quinta do Gradil Quinta do Gradil Sparkling Wine Chardonnay e Arinto 2013

Quinta do Gradil Sparkling Wine Chardonnay e Arinto 2013 in quintadogradil.pt

Por último e em jeito de despedida foi provado o Quinta do Gradil Espumante Chardonnay e Arinto 2013, um vinho que agradou pela frescura e elegância da fruta. De bolha fina mostra um bom entendimento entre as duas castas, acidez presente num conjunto com ligeira untuosidade. Bastante agradável e festivo, pronto para umas entradas servidas no terraço.

Contacts
Estrada Nacional 115 Vilar
2550 – 073 Vilar | Cadaval
Portugal
Tel: (+351) 262 770 000
Fax: (+351) 262 777 007
Mobile: (+351) 917 791 974
E-mail: info@quintadogradil.pt
Website: www.quintadogradil.pt

Esmero e Mimo, os vinhos de Rui Xavier Soares

Texto João Pedro de Carvalho

A produção de vinhos na família de Rui José Xavier Soares, coordenador da Viticultura da Real Companhia Velha onde trabalha desde 1997, remonta ao tempo do seu avô Fernando que foi responsável pela maior parte das vinhas que hoje dão origem aos vinhos criados por Rui Soares. Durante largos anos a quinta apenas produziu para vinho do Porto e para consumo próprio, foi em 2002 que se decidiu iniciar uma nova etapa, a de comercializar vinhos de mesa. A base de todo o processo são as vinhas velhas da família, situadas em Valdigem (Lamego), de onde são produzidos vinhos brancos e tintos com as marcas Esmero e Mimo.

Blend-All-About-Wine-Esmero-and-Mimo-Vines esmero Esmero e Mimo, os vinhos de Rui Xavier Soares Blend All About Wine Esmero and Mimo Vines

Vinhas Esmero in facebook.com/Esmero-143943452320952/?fref=ts

Separating the tasting in two moments:

Separando a prova em dois momentos, o dos brancos onde os dois exemplares nascem a partir de vinhas com 30 anos de idade localizadas em terreno de transição de xisto para granito. Os dois brancos apenas passam por inox, ficando o contacto com a madeira reservada para os tintos. Segundo a definição, Mimo é algo delicado, feito com graça, beleza e perfeição. No Mimo branco 2014 predomina o Moscatel Galego, Fernão Pires e Síria, um branco fresco, diferente e divertido com aromas limpos e muito cativantes onde despontam as flores, citrinos maduros, vegetal fresco num conjunto de corpo médio, boa frescura a combinar com a presença da fruta e ligeira secura no fim.

Do cuidado extremo no trabalho, do primor, apuro e requinte, dessa mesma acção de esmerar surge o Esmero branco 2014 onde predomina o Viosinho e Gouveio. Um branco sério, com vigor e onde as notas bem definidas de fruta de polpa branca com algum citrino se misturam com as ligeiras notas de madeira e austeridade mineral de fundo. Acidez muito presente a dominar todo o conjunto com fruta fresca, tisanas, médio corpo com nervo e uma bela estrutura que o suporta.

Blend-All-About-Wine-Esmero-and-Mimo-mimo-white-2014 esmero Esmero e Mimo, os vinhos de Rui Xavier Soares Blend All About Wine Esmero and Mimo mimo white 2014

Mimo branco 2014 – Foto de João Pedro de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

Blend-All-About-Wine-Esmero-and-Mimo-red-2013 esmero Esmero e Mimo, os vinhos de Rui Xavier Soares Blend All About Wine Esmero and Mimo red 2013

Esmero tinto 2013 – Foto de João Pedro de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

No segundo momento da prova, os dois tintos, ambos com estágio de 18 meses em barrica, são separados e diferenciados não só pela diferença de idade das vinhas mas também pela altura a que estão. Enquanto o Mimo tinto 2012 é elaborado a partir de uma vinha com 30 anos situada a meia encosta, mostrando fruta (bagas, frutos do bosque) muito limpa, fresca e bem saborosa, pimenta, cacau e nota de madeira muito ligeira que aconchega o conjunto.

Blend-All-About-Wine-Esmero-and-Mimo-Reds esmero Esmero e Mimo, os vinhos de Rui Xavier Soares Blend All About Wine Esmero and Mimo Reds

Tintos Esmero in facebook.com/Esmero-143943452320952/?fref=ts

Na boca muita frescura e vivacidade de uma fruta muito limpa e de qualidade, puro com presença média com tudo muito equilibrado e saboroso, um tinto que é fácil de se gostar. Por outro lado o topo de gama, o mais sério e aquele que é produzido a partir de uma vinha com mais de 80 anos, mistura de castas a baixa altitude. O Esmero tinto 2013 é dominado pela complexidade, frescura e qualidade de todo o conjunto, cheio de frutos silvestres, cereja, todos muito maduros e cheios de acidez, amplo, com muito caracter, pimenta preta, aconchego da barrica em fundo. Boca a mostrar um perfil encorpado, vigor, persistência, harmonia com a fruta e a barrica em plena harmonia num belíssimo vinho do Douro com anos de vida pela frente.

Quinta das Bágeiras, o minimalismo enológico

Texto João Pedro de Carvalho

Rumamos à Bairrada, mais propriamente a Fogueira (freguesia de Sangalhos, concelho de Anadia) onde fica situada a Quinta das Bágeiras e onde nos espera o produtor Mário Sérgio Nuno, nome incontornável da Bairrada e dos vinhos de mesa de Portugal. Os rótulos e garrafas que têm como símbolo a fogueira que é também nome da terra, no entanto este símbolo marca o início de Mário Sérgio como jovem agricultor e produtor de vinho. Fruto da oferta de um amigo seu conhecido, também produtor, a marca Fogueira que não podia ser marca de vinho por ser nome de terra, acabou por surgir como símbolo dos vinhos da Quinta das Bágeiras.

Blend-All-About-Wine-Quinta das Bágeiras-Logo quinta das bágeiras Quinta das Bágeiras, o minimalismo enológico Blend All About Wine Quinta das B  geiras Logo

Quinta das Bágeiras Logo in facebook.com/quintadasbageirasvinhos

Um trabalho de três gerações, que apenas com Mário Sérgio Alves Nuno começou a produzir e engarrafar com marca própria, antes era tudo vendido a granel. Tudo começou com a produção da colheita de 1987 que tinha praticamente sido toda vendida para as Caves São João e Mário Sérgio pediu ao seu pai para ficar com um tonel para fazer o seu próprio vinho. Uma opção que viria a dar frutos com um terceiro prémio no concurso de vinhos do IVV, com o primeiro branco a ser lançado em 1989. A enologia fica a cargo do enólogo e amigo Rui Moura Alves que está desde a primeira hora ao lado de Mário Sérgio, sendo parte responsável pelo sucesso e estatuto de produtor de referência alcançado na década de 90.

Blend-All-About-Wine-Quinta das Bágeiras-Mário Sérgio quinta das bágeiras Quinta das Bágeiras, o minimalismo enológico Blend All About Wine Quinta das B  geiras M  rio S  rgio

Mário Sérgio Nuno – Foto de João Pedro de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

Blend-All-About-Wine-Quinta das Bágeiras-Avô Fausto-2 quinta das bágeiras Quinta das Bágeiras, o minimalismo enológico Blend All About Wine Quinta das B  geiras Av   Fausto 2

Avô Fausto – Foto de João Pedro de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

Os brancos das Bágeiras estendem-se pelos espumantes, colheita, Garrafeira, Pai Abel e Avô Fausto. Mário Sérgio prefere para os seus brancos solos planos e argilo-calcários situados em cota baixa, onde despontam a Bical e Maria Gomes. Com a casta Baga realiza três vindimas, a primeira para aguardente, a segunda para espumantes e a terceira para os tintos. Recuperou e manteve as parcelas que eram dos seus pais e dos seus avós, dos 12 hectares iniciais hoje conta já com 28 hectares. Com mais de 25 anos a produzir vinhos que mostram a face mais tradicional da Bairrada, minimalismo enológico, decantação em lagares abertos e estágio em antigos tonéis, sem colagens nem filtrações, com uma identidade e rusticidade muito própria que lhe conferem toda a autenticidade que os caracteriza.

Blend-All-About-Wine-Quinta das Bágeiras-barrels quinta das bágeiras Quinta das Bágeiras, o minimalismo enológico Blend All About Wine Quinta das B  geiras barrels

Antigos tonéis – Foto de João Pedro de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

E é de visita às instalações em que se dá conta que por ali a modernidade teima em ficar à porta e o saber passa de geração em geração, não fosse esta uma empresa familiar. Um saber que tem vindo a ser colocado em prática com os seus vinhos desde o início e homenageado por Mário Sérgio na forma de novos lançamentos que visam o seu Pai Abel e o seu Avô Fausto. O destaque desta vez vai para os dois últimos e também os mais recentes, o Pai Abel acaba por ser a homenagem ao seu progenitor, que apesar dos seus 80 anos continua a trabalhar as vinhas e a transmitir todo o seu conhecimento às gerações mais novas.

Este Pai Abel branco 2013 é um branco que sai de uma vinha com 20 anos de idade com as castas Maria Gomes e Bical. O que interessa é a qualidade final do produto, por isso pouca produção, com a primeira passagem pela vinha a levar as uvas para os espumantes e a segunda passagem finalmente para o branco. Fermenta em barrica usada de pequena capacidade, o uso de tonel fica apenas para o Garrafeira, aqui o que nos surge no copo é um branco tenso e muito preciso, complexo de aromas firmes a mostrar a sua juventude e rasto mineral de fundo. Ao mesmo tempo a madeira a dar bom volume, fruta madura com tisanas, boca ampla com muita frescura, profundo e cheio de nervo com grande persistência num vinho que vai durar largos anos em garrafa.

Blend-All-About-Wine-Quinta das Bágeiras-Pai Abel quinta das bágeiras Quinta das Bágeiras, o minimalismo enológico Blend All About Wine Quinta das B  geiras Pai Abel

Pai Abel branco 2013 – Foto de João Pedro de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

Blend-All-About-Wine-Quinta das Bágeiras-Avô Fausto quinta das bágeiras Quinta das Bágeiras, o minimalismo enológico Blend All About Wine Quinta das B  geiras Av   Fausto e1452247575747

Avô Fausto branco 2014 – Foto de João Pedro de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

.O segundo vinho surge em homenagem ao seu avô, Fausto Nuno, que foi quem lhe despertou o gosto pelos vinhos e também o responsável pela vocação vitivinícola da família. O Avô Fausto branco 2014 é um branco proveniente de vinhas velhas e vinhas com cerca de 15 anos, num perfil que seria ao gosto de Fausto Nuno, elegante, fresco e macio. Neste caso apenas Maria Gomes com estágio em barrica, aromático, muito preciso, fresco e delicado, ao mesmo tempo a mostrar-se tenso e cheio de nervo, perfume de rosas, muito citrino acompanhada de notas resinosas e ligeiríssima untuosidade. Uma abordagem diferente mas com a chancela da Quinta das Bágeiras.

Contactos
Fogueira
3780-523 Sangalhos, Aveiro
Portugal
Tel: (+351) 234 742 102
Telemóvel: (+351) 964 190 336
E-mail: quintadasbageiras@mail.telepac.pt
Website: www.quintadasbageiras.pt

Frei João, a Bairrada das Caves São João

Texto João Pedro de Carvalho

De volta às Caves São João para falar do vinho cujo perfil se poderá afirmar como o mais clássico de toda a Bairrada, o Frei João. Para tal convém reavivar a memória e recuar aos idos anos 50 onde a dupla, Luís e Alberto Costa decide começar a seleccionar, comprar e envelhecer vinhos de grande qualidade nas caves da empresa. É desses vinhos que surgiram marcas emblemáticas como os Porta dos Cavaleiros em 1963, ou em 1945 o primeiro Caves São João Reserva Particular. Em 1960 iria surgir o primeiro Bairrada, o Frei João cujo nome serve de homenagem ao frade carmelita Frei João Baptista (Convento de Santa Cruz do Buçaco) um dos primeiros a plantar vinha na região.

Blend-All-About-Wine-Caves Sao Joao-Logo caves são joão Frei João, a Bairrada das Caves São João Blend All About Wine Caves Sao Joao Logo

Caves São João logo – Foto de João Pedro de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

Os primeiros Frei João teriam como origem lotes comprados pelos dois irmãos, junto a produtores da região sendo as Adegas Cooperativas de Mogofres e Cantanhede dois dos principais fornecedores na altura. O Frei João Reserva, ainda em garrafa Borgonhesa, iria nascer na colheita de 1963 e teria o condão de afirmar o seu perfil como o mais clássico de toda a Bairrada. Factores como a tipicidade e a importante consistência geográfica dos lotes adquiridos ano após ano foram determinantes, tal como uma vinificação onde a fermentação com engaço era uma realidade contribuíram para a afirmação ao longo das décadas de um perfil clássico, representativo do melhor que se fazia em toda a região. Nos anos 70 de certo modo assistimos a uma revolução que se manifestou no perfil dos vinhos, na mudança de garrafa do Frei João para bordalesa ou até na própria região com a demarcação da Bairrada em 1979. Em 1972 é adquirida a propriedade Quinta do Poço do Lobo, que com produção própria começa a dar o seu contributo para os lotes aos quais se junta cada vez com maior presença lotes provenientes da zona de Vilarinho do Bairro.

Blend-All-About-Wine-Caves Sao Joao-Frei caves são joão Frei João, a Bairrada das Caves São João Blend All About Wine Caves Sao Joao Frei

Frei João – Foto de João Pedro de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

Um passeio pela história de um ícone da Bairrada, apenas possível realizar nas Caves São João, um local mágico que nos dá este enorme privilégio de poder provar vinhos com mais de 40 anos em perfeito estado de conservação, que não mostram sinais de decadência ou cansaço e que a prova que dão proporciona verdadeiros momentos de glória com alguns dos melhores vinhos que se fizeram em Portugal e no mundo.

Blend-All-About-Wine-Caves Sao Joao-Frei-Bairrada-1966 caves são joão Frei João, a Bairrada das Caves São João Blend All About Wine Caves Sao Joao Frei Bairrada 1966

Frei João Reserva 1966 Magnum – Foto de João Pedro de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

Blend-All-About-Wine-Caves Sao Joao-Frei-Bairrada-1974 caves são joão Frei João, a Bairrada das Caves São João Blend All About Wine Caves Sao Joao Frei Bairrada 1974

Frei João Branco 1974 – Foto de João Pedro de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

Blend-All-About-Wine-Caves Sao Joao-Frei-Bairrada-1990 caves são joão Frei João, a Bairrada das Caves São João Blend All About Wine Caves Sao Joao Frei Bairrada 1990

Frei João White 1990 – Foto de João Pedro de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

Frei João Branco 1966: A caminho do meio século de vida com uma complexidade fantástica, muito fechado e a pedir decantação, sério com frescura e profundidade, limpo com rezina, tom melado, vegetal, fruta branca, boa untuosidade com fruto seco a fazer-se notar. Boca com grande frescura a ligar com untuosidade ligeira a envolver o conjunto sempre muito coeso, tenso e com final a mostrar uma surpreendente austeridade mineral.

Frei João Branco 1974: Uma enorme surpresa, arrebatador a todos os níveis e fico com a sensação que terá sido dos melhores da Bairrada provados até à data. Aroma de enorme complexidade, flores amarelas, notas meladas, fósforo, vegetal, aqui o tom de frutos secos menos intenso e mais fino. Boca envolvente com a acidez muito viva, fruto de polpa branca presente e com vivacidade, longo e persistente, amplo, profundo a mostrar garra e a afirmar a sua presença.

Frei João Branco 1990: À primeira impressão o que se pode dizer é que o tempo não passou por ele, tenso, nervoso, cheio de garra com notas de resina e esteva, fruta branca ainda presente. Muita energia, com uma acidez acutilante numa passagem de boca saborosa mas tensa, a mostrar-se ainda austero e com muita vida pela frente.

Blend-All-About-Wine-Caves Sao Joao-Frei-Bairrada-1988 caves são joão Frei João, a Bairrada das Caves São João Blend All About Wine Caves Sao Joao Frei Bairrada 1988

Frei João White 1988 – Foto de João Pedro de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

Blend-All-About-Wine-Caves São João-Frei-Bairrada-1980 caves são joão Frei João, a Bairrada das Caves São João Blend All About Wine Caves Sao Joao Frei Bairrada 1980

Frei João Reserva 1980 – Foto de João Pedro de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

Frei João Reserva 1966 Magnum: Um vinho que é obrigatório conhecer e provar. Um tinto enorme que exala Bairrada por todos os cantos, dono de grande complexidade onde a fruta (cerejas, framboesas) ainda surge com ligeiro apontamento maduro acompanhada de licor… delicioso, cacau, caixa de charutos, chá preto a dar sensação de secura. Boca de luxo, amplitude, frescura, nervo, grande presença e passagem com frescura e fruta, muita classe em final longo e apimentado.

Frei João Reserva 1980: Um belíssimo tinto cheio de frescura e jovialidade, ampla complexidade marcada pela fruta redondinha e ácida (bagas silvestres) com toques caruma, caramelo, café, esteva, coeso, amplo e muito estruturado, cheio de vigor mas com grande finesse. Boca com sabores vincados, fabulosa acidez, longo final.

Pode ler mais sobre as Caves São João aqui.

Contactos
S. João da Azenha, Ap-1, Anadia
3781-901, Avelãs de Caminho
Frei João
Porta dos Cavaleiros
Tel: (+351) 234 743 118
Fax: (+351) 234 743 000
E-mail: geral@cavessaojoao.com
Website: www.cavessaojoao.com

 

Caves São João – Porta dos Cavaleiros, o perfil de uma região

Texto João Pedro de Carvalho

A história das Caves São João é longa e rica em detalhes, tudo começou com o nome Sociedade dos Vinhos Irmãos Unidos, fundada em 1920 por três irmãos viticultores da Bairrada: José, Manuel e Albano Ferreira da Costa. Durante largos anos prosperou a venda a granel, tendo sido apenas a partir de 1950 quando se juntou Caves São João à denominação da firma. Mas apenas em 1959, já com os descendentes de um dos fundadores, Alberto e Luís Costa nos comandos das Caves, iriam surgir as marcas que lançaram as Caves São João para o estrelato – o Frei João (Bairrada) e o Porta dos Cavaleiros (Dão). Alberto e Luís Costa eram exímios negociantes de vinho, sabiam como poucos escolher e comprar os melhores lotes, direi mesmo que souberam como poucos criar e educar grandes vinhos que ainda hoje perduram e mostram com galhardia toda a potencialidade das duas regiões que abraçaram, o Dão e a Bairrada.

Blend-All-About-Wine-Caves São João-Data Fundação caves são joão Caves São João – Porta dos Cavaleiros, o perfil de uma região Blend All About Wine Caves S  o Jo  o Data Funda    o

Caves São João – Foto de João Pedro de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

Blend-All-About-Wine-Caves São João-Cave-2 caves são joão Caves São João – Porta dos Cavaleiros, o perfil de uma região Blend All About Wine Caves S  o Jo  o Cave 2

Caves São João – Foto de João Pedro de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

Sem possuírem qualquer vinha no Dão, eram escolhidos e comprados os melhores lotes e na colheita de 1963 surgiram  os primeiros Porta dos Cavaleiros, tanto o Colheita como o Reserva Seleccionada. Uma marca que tal como a sua congénere na Bairrada, teve o dom de quase “criar” um perfil a que hoje associamos de Clássico a cada uma das regiões. De notar que os Reserva Seleccionada mostram mais frescura que os Colheita, devido a que as uvas dos Reserva eram provenientes dos contrafortes da Serra da Estrela num perfil mais fresco a que se poderá apelidar de “Dão Serrano”, enquanto os Colheita as uvas eram provenientes de zonas mais baixas e porventura mais quentes. Sobre os Reserva Seleccionada sabe-se que o vinho passava quatro anos nos enormes depósitos de cimento e posteriormente mais um ano em garrafa. Vinhos sabiamente educados e de traçada clássica, sérios com toque acetinado tão característico que nos mostram aquilo que a região pode e deve fazer.

Blend-All-About-Wine-Caves São João-Cave-3 caves são joão Caves São João – Porta dos Cavaleiros, o perfil de uma região Blend All About Wine Caves S  o Jo  o Cave 3

Caves São João – Foto de João Pedro de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

Blend-All-About-Wine-Caves São João-Cave caves são joão Caves São João – Porta dos Cavaleiros, o perfil de uma região Blend All About Wine Caves S  o Jo  o Cave

Caves São João – Foto de João Pedro de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

Visitar as Caves São João e ter o prazer de contemplar mais de um milhão de garrafas que resistiram à passagem do tempo é uma rara oportunidade para os apreciadores. Esta foi uma prova que ficou na memória, em tudo especial até pelo facto de alguns vinhos não se encontrarem já disponíveis para venda face ao reduzido número de garrafas existentes. O primeiro vinho foi o Porta dos Cavaleiros 1964, este branco com 51 anos é arrebatador em todos os sentidos. Notável a evolução no copo, claramente a precisar de decantação. Inicialmente algo preso e contido, a mostrar alguma rezina, desenvolvendo uma complexidade notável com destaque para a fantástica acidez que envolve e segura todo o conjunto. Profundo, floral com nota de cera, untuosidade com fruto seco e ainda alguma fruta madura de caroço. Boca com muita frescura, mostra garra e nervo, grande presença e profundidade, sério, educado, a untuosidade que mostra ter combina em grande com a frescura que refresca o palato terminado longo e persistente.

Blend-All-About-Wine-Caves São João-Porta dos Cavaleiros 1964 caves são joão Caves São João – Porta dos Cavaleiros, o perfil de uma região Blend All About Wine Caves S  o Jo  o Porta dos Cavaleiros 1964

Porta dos Cavaleiros 1964 – Foto de João Pedro de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

Blend-All-About-Wine-Caves São João-Porta dos Cavaleiros 1979 caves são joão Caves São João – Porta dos Cavaleiros, o perfil de uma região Blend All About Wine Caves S  o Jo  o Porta dos Cavaleiros 1979

Porta dos Cavaleiros 1979 branco – Foto de João Pedro de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

Blend-All-About-Wine-Caves São João-Porta dos Cavaleiros 1984 caves são joão Caves São João – Porta dos Cavaleiros, o perfil de uma região Blend All About Wine Caves S  o Jo  o Porta dos Cavaleiros 1984

Porta dos Cavaleiros Reserva branco 1984 – Foto de João Pedro de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

Dando entrada nos anos 70 onde curiosamente são poucos os vinhos das Caves São João que me têm ficado na memória, salvo erro o branco Reserva de 1973 em Magnum e o tinto também Reserva 1975. Este Porta dos Cavaleiros branco 1979 não fugiu à regra, cordial a mostrar-se com vida, fruta já em passa, mineralidade com alguma secura de final de boca. Nos brancos da década de 80 o melhor de todos é o Reserva 1985, este Porta dos Cavaleiros Reserva branco 1984 é um grande branco em idade adulta, mas se comparado peca pela falta de garra tanto na boca como no nariz onde mostra menos frescura e acutilância ou limpeza de aromas. De resto goza de uma belíssima harmonia de conjunto, conjugando a sensação de untuosidade com acidez e presença da fruta ainda vivaça e madura.

No campo dos tintos a entrada não poderia ser melhor, o Porta dos Cavaleiros Reserva 1966 é a meu ver o melhor de todos, afirmando-se como um dos melhores vinhos de sempre da região. Pura classe num vinho de compêndio, cheio de caruma e pinhal, muito bosque, frutos silvestres, cerejas, folha de tabaco, eucalipto, couro. Puro veludo num tom que combina austeridade com a gulodice de um vinho cheio de vida e frescura, longo e com final persistente. De passagem pelos anos 70 foi provado o Porta dos Cavaleiros Reserva 1974, novamente o que menos brilhou entre os tintos, com a região bem evidenciada no perfil e a dar uma prova de muito bom nível. Perdeu em poder de afirmação mostrando-se mais delgado e espaçado tanto em complexidade aromática como em presença de boca.

Blend-All-About-Wine-Caves São João-Porta dos Cavaleiros 1966 caves são joão Caves São João – Porta dos Cavaleiros, o perfil de uma região Blend All About Wine Caves S  o Jo  o Porta dos Cavaleiros 1966

Porta dos Cavaleiros Reserva 1966 – Foto de João Pedro de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

Blend-All-About-Wine-Caves São João-Porta dos Cavaleiros 1974 caves são joão Caves São João – Porta dos Cavaleiros, o perfil de uma região Blend All About Wine Caves S  o Jo  o Porta dos Cavaleiros 1974

Porta dos Cavaleiros Reserva 1974 – Foto de João Pedro de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

Blend-All-About-Wine-Caves São João-Porta dos Cavaleiros 1985 caves são joão Caves São João – Porta dos Cavaleiros, o perfil de uma região Blend All About Wine Caves S  o Jo  o Porta dos Cavaleiros 1985

Porta dos Cavaleiros Reserva 1985 – Foto de João Pedro de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

Termino com o segundo melhor tinto, o Porta dos Cavaleiros Reserva 1985, que é um dos que mais prazer me tem dado nas últimas vezes que o tenho tido no copo. Literalmente é daqueles vinhos que está num momento muito alto da sua vida, conjuga toda a frescura da fruta com a complexidade que apenas o tempo consegue oferecer. Por entre os aromas a pinhal e bosque, cogumelos, terroso ligeiro, abre para fruta madura e suculenta, tudo embalado em enorme frescura, limpo com caixa de charutos, especiarias variadas. Na boca é acetinado e ao mesmo tempo vigoroso, com a fruta a explodir de sabor, muita personalidade com ampla presença, profundo e final persistente. Um grande vinho do Dão e do Mundo.

Contactos
S. João da Azenha, Ap-1, Anadia
3781-901, Avelãs de Caminho
Frei João
Porta dos Cavaleiros
Tel: (+351) 234 743 118
Fax: (+351) 234 743 000
E-mail: geral@cavessaojoao.com
Website: www.cavessaojoao.com

Quinta de Cabriz celebra 25 anos da sua história

Texto João Pedro de Carvalho

Os vinhos Cabriz estão a celebrar os 25 anos da sua história, relembro que a Quinta de Cabriz é o berço da Global Wines/Dão Sul, em Carregal do Sal (Viseu), entre as serras da Estrela e do Caramulo e entre o Dão e o Mondego. A propriedade tem 38 hectares e ali são produzidas uvas tintas e brancas, das quais resulta um portefólio alargado, onde se incluem espumantes e aguardentes, além de vinhos brancos e tintos. A Quinta de Cabriz aposta também no enoturismo e possibilita visitas à sua adega, disponibilizando um restaurante de cozinha regional, winebar, wineshop, provas e cursos de vinhos, e salas para eventos. Até Setembro do próximo ano, a principal marca do grupo Global Wines/Dão Sul põe todo o País a celebrar o lema “Dão é Cabriz”. Nova imagem, novos rótulos, acções nos pontos de venda, publicidade com forte impacto, passatempos e oferta de prémios (tablets de última geração, produtos regionais do Dão, fins-de-semana gastronómicos e turísticos no Dão e viagens ao estrangeiro) aos consumidores vão ajudar a contar a história desta marca do Dão bem conhecida pelos consumidores.

Blend-All-About-Wine-Quinta-de Cabriz-Wine Cellar quinta de cabriz Quinta de Cabriz celebra 25 anos da sua história Blend All About Wine Quinta de Cabriz Wine Cellar

Wine Cellar in www.daosul.com

Blend-All-About-Wine-Quinta de Cabriz-Wines quinta de cabriz Quinta de Cabriz celebra 25 anos da sua história Blend All About Wine Quinta de Cabriz Wines

Cabriz Colheita Seleccionada 2013 & Cabriz Colheita Seleccionada 2013 – Photo by João Pedro de Carvalho | All Rights Reserved

A relação qualidade/preço sempre foi um dos trunfos dos vinhos Cabriz e os vinhos que aqui se destacam são disso o maior exemplo. E com a cara lavada, ou direi com uma nova imagem surgem no copo o Cabriz Colheita Seleccionada 2013 bem conhecido dos consumidores. Um vinho muito directo e de fácil abordagem, cantos arredondados e de perfil muito fácil de se gostar com fruta a surgir madura e de apontamento morno e ligeiramente adocicado, com ligeiro cacau, travo vegetal de fundo. A produção total são 2.500.000 garrafas de um vinho redondinho, com ligeira frescura e muito correcto face ao patamar de qualidade em que se situa. O outro vinho mostra um salto na qualidade, o Cabriz Reserva 2012 onde a fruta surge mais fresca, limpa e com maior frescura. Deixa de lado aquele tom morno e doce e mostra um pouco mais de carácter associado à região onde nasce. De resto é um vinho moderno, onde a fruta surge ligeiramente escondida pela barrica, cacau, apontamento balsâmico com toque de especiarias em fundo. Ligeiro vigor no palato, fruta muito presente, boa amplitude com final a mostrar ligeira secura.

Contactos
Dão Sul – Sociedade Vitivinícola S.A.
Apartado 28, 3430-909
Carregal do Sal, Portugal
Tel: (+351) 232 960 140
Fax: (+351) 232 961 203
E-mail: daosul@daosul.com
Website: www.daosul.com

Soalheiro, Oppaco e Terramatter

Texto João Pedro de Carvalho

Nasceu em 1974 pelas mãos de João António Cerdeira a primeira parcela de apenas um hectare de uvas Alvarinho em Melgaço. o O tempo passou e hoje já sobre o olhar dos filhos Luís e Maria João Cerdeira, contam-se dez os hectares de vinha da casta Alvarinho. Durante mais de 25 anos esta marca tem sido presença à mesa, sendo de elogiar tanto a consistência como o potencial de guarda que este Alvarinho apresenta colheita após colheita. E na cavalgada dos anos as novidades foram sendo colocadas à disposição do consumidor, vinhos que quando saem para o mercado são quase sempre encarados com uma dose de experimentalismo/inovação, mas que pouco tempo depois se assumem como exemplos a seguir. Foi assim com o Primeiras Vinhas e também foi com o Reserva, ambos exemplares que elevam a casta Alvarinho para os patamares do que de melhor se faz em Portugal.

Blend-All-About-Wine-Soalheiro-Quinta soalheiro Soalheiro, Oppaco e Terramatter Blend All About Wine Soalheiro Quinta

Quinta de Soalheiro – Foto Cedida por Quinta de Soalheiro | Todos os Direitos Reservados

Na realidade são vinhos que precisam e até gostam de um tempinho de espera na garrafa, por exemplo o Alvarinho Soalheiro é exemplar que apenas o gosto de abrir com dois anos de estágio em garrafa mas as garantias a ver por colheitas como 2007 ou mesmo anteriores confirmam que nos podemos esquecer dele que não fica minimamente amuado. Neste caminho vai o Primeiras Vinhas e o Reserva, a mostrarem que há na adega do Soalheiro quem saiba educar os vinhos nesse sentido.

É já nas novas instalações que o processo criativo tem continuidade, as novidades fazem eco por entre os consumidores e acabam de chegar para já, dois novos vinhos ao mercado. O primeiro de nome Terramatter é da colheita 2014, um Alvarinho com uma vindima mais precoce, sem filtração e sujeito a depósito cujo envelhecimento é feito, essencialmente, em barricas de castanho (pipas tradicionais da região do Minho). A tonalidade é ligeiramente mais carregada que o normal na casa, nota-se algo fechado com a espectável precisão aromática que o produtor nos tem acostumado em todos os seus vinhos. Denso, bom volume de boca com muita elegância e frescura, sensação de ligeira untuosidade. Travo mineral vincado em fundo numa passagem plena de sabor e frescura. Está a meu ver ainda muito novo e será bastante interessante acompanhar a sua evolução, haja garrafas que o permitam.

Blend-All-About-Wine-Soalheiro-Terramater soalheiro Soalheiro, Oppaco e Terramatter Blend All About Wine Soalheiro Terramater

Terramater Alvarinho 2014 – Foto de João Pedro de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

Blend-All-About-Wine-Soalheiro-Oppaco soalheiro Soalheiro, Oppaco e Terramatter Blend All About Wine Soalheiro Oppaco

Oppaco Vinhão e Alvarinho tinto 2013 – Foto de João Pedro de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

A outra novidade é o primeiro Soalheiro tinto de nome Oppaco, colheita 2013, baseado nas castas Vinhão e Alvarinho. Novamente a palavra inovação em foco, uma vez que se trata do primeiro vinho tinto da região com lote de uvas tintas e uvas brancas. O resultado é um vinho que alia a rusticidade da casta Vinhão, domada pela frescura e elegância que a casta Alvarinho mostra nas mãos de Luís Cerdeira. Grande frescura de conjunto, aromas limpos e definidos, aquela rusticidade que se faz sentir num misto de fruta muito presente mas ao mesmo tempo a mostrar um conjunto muito novo e cheio de energia. Diferente e senhor do seu nariz, identidade própria a pedir comida regional por perto, desde Galo de cabidela a uns Rojões à moda do Minho.

Contactos
Alvaredo . Melgaço
4960-010 Alvaredo
Tel: (+351) 251 416 769
Fax: (+351) 251 416 771
Email: quinta@soalheiro.com
Website: www.soalheiro.com