Posts Tagged : Ilkka Sirén

Vamos Festejar Com Vinho Madeira

Texto Ilkka Sirén | Tradução Bruno Ferreira

Agapornis (Pássaro do Amor). Os pássaros domésticos mais encantadores de todos. Praticamente desde sempre, o Vinho Espumante é a bebida de eleição para os momentos apaixonados. As bolhas são quase um sinónimo de festejo e, se o amor fosse uma bebida, quase de certeza que seria Champanhe. Mas e se não fosse?

A minha cunhada ficou recentemente noiva e, como é habitual, havia que festejar. Antes de mais, deixem-me dizer que, na Finlândia, as festas de noivado não são um grande acontecimento. Normalmente, e depois de já termos dito a toda a gente que estamos noivos, o máximo que poderá haver é bolo e café com os nossos pais. Não é comum haver uma grande festa, mas não deixa de ser uma excelente notícia e, como tal, merece ser festejada. Então a minha cunhada e o seu noivo organizaram uma pequena reunião.

Blend-All-About-Wine-Lets-Celebrate-With-Madeira-The-Cake Vamos Festejar Com Vinho Madeira Vamos Festejar Com Vinho Madeira Blend All About Wine Lets Celebrate With Madeira The Cake

O Bolo – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Houve bolo. Feito pela minha cunhada, claro. Tinha mais camadas do que uma cebola e sabia a arco-íris. Havia Champanhe, e muito. Foram feitos discursos e presentes foram oferecidos. E depois, mais Champanhe. Gosto muito de bolhas, mas também acho que um vinho bem feito, seja Vinho Espumante, Branco, Tinto ou Fortificado, é um bom vinho para festejar. Sendo eu um fã do vinho Madeira, pensei que seria simpático dar aos convidados um pouco a provar.

Blend-All-About-Wine-Lets-Celebrate-With-Madeira-Wine-Tray Vamos Festejar Com Vinho Madeira Vamos Festejar Com Vinho Madeira Blend All About Wine Lets Celebrate With Madeira Wine Tray

Bandeja do Vinho – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Enquanto vinho, o Madeira não podia ser mais festivo. Um líquido complexo para saborear lentamente, com um poder de sedução quase inigualável. Tinha um par de vinhos da Blandy’s para provar: o Bual Colheita 2002 e o Verdelho 1973. Coloquei os vinhos em alguns copos e, numa bandeja, dei-os a provar “às cegas”. Foi interessante ouvir as opiniões dos convidados, sem fazerem a menor ideia do que estavam a provar. Parecia estarem a gostar muito do jovem Bual, o que foi um pouco surpreendente. Os Madeiras mais jovens tendem a ser um pouco mais fortes, mas penso que o seu perfil ligeiramente mais doce facilitou a abordagem. Para mim o Bual 2002 estava muito fechado. Parecia estar a passar por uma fase e quase de certeza que se irá abrir muito mais, com o tempo.

Blend-All-About-Wine-Lets-Celebrate-With-Madeira-2002-Bual-Colheita-and-1973-Verdelho Vamos Festejar Com Vinho Madeira Vamos Festejar Com Vinho Madeira Blend All About Wine Lets Celebrate With Madeira 2002 Bual Colheita and 1973 Verdelho

Bual Colheita 2002 e o Verdelho 1973 – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Por outro lado, o Verdelho 1973 colheu opiniões muito divididas. Ok, nenhum deles era um provador profissional mas, enquanto consumidores estava curioso para ouvir as suas opiniões relativamente aos vinhos. Muito mais aromático do que o Bual. Opulentes aromas nogados e a frutos secos. O 1973 parece estar numa idade perfeita neste momento. A atingir lentamente a maturidade, mas ainda com muito tempo de vida pela frente. Para alguns, a acidez deste vinho foi um choque completo, algo que compreendo perfeitamente. É um gosto adquirido. Mas para mim, este Verdelho estava sensacional. Mais um exemplo clássico da singularidade e do puro poder dos vinhos Madeira.

Blend-All-About-Wine-Lets-Celebrate-With-Madeira-The-Happy-Couple Vamos Festejar Com Vinho Madeira Vamos Festejar Com Vinho Madeira Blend All About Wine Lets Celebrate With Madeira The Happy Couple

O Casal Feliz – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Enquanto bebida celebrativa, o final longo e persistente do Madeira torna-o uma bebida adequada para todo o tipo de ocasiões, e convenhamos, o Madeira é muito mais versátil do que as pessoas pensam. Pode ser utilizado desde aperitivo até digestivo. Não é tão amplamente consumido como o vinho Espumante, o que confere um simpático toque pessoal ao seu serão, seja num aniversário ou numa festa de noivado. Não consigo pensar em melhor maneira de felicitar o feliz casal do que, lhes desejar boa sorte na sua aventura conjunta a brindar com um vinho que pode durar uma vida inteira.

Contactos
Blandy’s
Tel: (+351) 291 740 110
Email: pubrel@madeirawinecompany.com
Website: www.blandys.com

Se Está Destinado, Está Destinado

Texto Ilkka Sirén | Tradução Bruno Ferreira

Era o Verão de 2009. Estava a trabalhar em Bierzo, Espanha, no transporte da uva das vinhas para a adega. Para mim era o realizar de um sonho. Quer dizer, só o facto de poder trabalhar ao ar livre, nas vinhas, algo que na Finlândia é impossível, foi uma experiência fantástica. Sempre que tinha fins-de-semana de folga costumava pedir emprestado o carro aos meus amigos e descia até ao Vale do Douro. Já conhecia o local de lá ter trabalhado em vindimas anteriores, em 2008. A viagem de ida e volta entre Bierzo e o Douro, duas das minhas regiões vitivinícolas preferidas, continua a ser uma das memórias que guardo com mais carinho. Vinho, comida, viajar, sem mulher e sem filhos. Só eu e o meu saca-rolhas. Noites longas e memórias tremidas de pessoas a decantar uma garrafa de vinho do Porto Taylor’s 1966 Vintage através de um espremedor de limões. Uma espécie de casa de fraternidade, recheada de jovens aspirantes a enólogos. Bons tempos. Não é que me esteja a queixar da minha vida actualmente, mas sabem como é… Nessa altura já estava completamente apaixonado pelo Douro e planeava mudar-me para lá um dia.

Blend-All-About-Wine-Meant-To-Be-Taylor’s-1966-Vintage-Port Se Está Destinado, Está Destinado Se Está Destinado, Está Destinado Blend All About Wine Meant To Be Taylor   s 1966 Vintage Port

Taylor’s 1966 Porto Vintage – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Blend-All-About-Wine-Meant-To-Be-Decanting-Port-Wine-Through-a-lemon-juicer Se Está Destinado, Está Destinado Se Está Destinado, Está Destinado Blend All About Wine Meant To Be Decanting Port Wine Through a lemon juicer

Decantar vinho do Porto Através de Um Espremedor de Limões – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Mas estar longe de casa durante longos períodos de tempo não é fácil. Terminei tudo com a minha namorada de longa data antes de fazer a mala e viajar para Bierzo, como errante do vinho que sou. A Finlândia estava no meu retrovisor e pensei, já está, é isto. Como estava errado! É como dizem; a ausência faz o coração gostar mais. E não demorou muito até me aperceber o quão idiota fui por ter deixado a minha namorada para trás. O clássico idiota. Por sorte, antes de terminarmos, ela tinha comprado um bilhete para Espanha e não queria perder a oportunidade de fazer uma boa viagem, e então decidimos que seria bom ela vir visitar-me a Bierzo. Vi a minha segunda oportunidade, a oportunidade de corrigir as coisas. Sabia que não queria viver a minha vida sem ela e comecei a planear o pedido de casamento.

Blend-All-About-Wine-Meant-To-Be-Bierzo-circa-2009 Se Está Destinado, Está Destinado Se Está Destinado, Está Destinado Blend All About Wine Meant To Be Bierzo circa 2009

Bierzo em 2009 – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Uma semana antes da minha então ex-namorada vir a Bierzo, fui dar uma volta ao Douro à procura de locais onde pudesse fazer o pedido. Queria que fosse especial, e mais especial que o Douro não existe. Conduzi durante um dia inteiro, a visitar vinhedos à procura do sítio perfeito. Nessa noite dormi no carro, no Pinhão, junto ao rio, porque não tinha onde ficar e precisava do dinheiro para poder ter gasolina para a nova viagem ao Douro na semana seguinte. Mas a missão de reconhecimento foi um sucesso porque encontrei um vinhedo fantástico, com uma vista magnífica para o rio. Na semana seguinte fazia esse mesmo percurso, Bierzo-Galiza-Douro, ao lado da minha futura mulher. Ela só ainda não o sabia.

Blend-All-About-Wine-Meant-To-Be-Douro-valley Se Está Destinado, Está Destinado Se Está Destinado, Está Destinado Blend All About Wine Meant To Be Douro valley

Vale do Douro – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Para encurtar um pouco esta longa história, levei-a àquele lugar especial, fiz o pedido e ela disse que sim. Escusado será dizer que a nossa relação pessoal e a nossa relação com o Vale do Douro ficaram profundamente interligadas. Nessa noite ficamos no acolhedor hotel rural da Quinta do Pégo. Como não tinha um anel para lhe dar, fomos ao Porto no dia seguinte. Depois de procurar um bocado, comprei basicamente o anel de “prata” mais barato que consegui encontrar em Vila Nova de Gaia. Já sei, sempre a manter a classe… Mas toda a viagem foi única, divertida e foi também uma maneira fantástica de começar a nossa vida a dois. Devemos muito disso a Portugal.

Blend-All-About-Wine-Meant-To-Be-Dom-Luís-I-Bridge Se Está Destinado, Está Destinado Se Está Destinado, Está Destinado Blend All About Wine Meant To Be Dom Lu  s I Bridge

Ponte de D. Luís – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Há algumas semanas, por uma qualquer bizarra coincidência, o meu sogro deu-me a provar um vinho às cegas, coisa que raramente faz. Provo-o. Definitivamente um vinho do Porto, provavelmente um LBV. Mas quando vi que o vinho era, na realidade, um Quinta do Pégo LBV 2009… a mesma quinta em que ficamos quando pedi a minha mulher em casamento e a colheita desse ano. Não faço ideia onde o meu sogro arranjou aquele vinho, além de que ele não sabia qual era a quinta, portanto, foi pura coincidência… Ou será que não? De qualquer forma, trouxe à tona todas aquelas memórias, qual potenciador vínico de memória! O vinho? Denso, frutado e tânico. O típico LBV jovem. Precisa de alguns anos para se abrir. Mas mais do que isso, este vinho foi bom para relembrar que um vinho não precisa de ser sempre o mais caro ou o melhor para nos tocar. Apesar de ser um LBV normalíssimo, é um dos melhores LBVs que já provei. Fez-me realmente feliz.

Blend-All-About-Wine-Meant-To-Be-Quinta do Pégo 2009 Se Está Destinado, Está Destinado Se Está Destinado, Está Destinado Blend All About Wine Meant To Be Quinta do P  go 2009

Quinta do Pégo 2009 – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Contacts
Hotel Rural Qta. do Pégo
Valença do Douro
5120-493 Tabuaço
Tel. + 351 254 73 00 70
Fax + 351 254 73 00 79
E-mail: info@quintadopego.com
Website: www.quintadopego.com

Bruxas da Páscoa e Vinho do Porto

Texto Ilkka Sirén | Tradução Bruno Ferreira

Chegou a Páscoa. Nós, finlandeses, somos exímios em pegar num feriado religioso, retirar-lhe tudo o que seja religioso e transformá-lo numa grande festa para comer e beber. Claro que há aqueles que seguem a tradição, mas para a maior parte das pessoas é apenas um longo fim-de-semana com amigos e família à volta de uma mesa a passar um bom bocado. Claro que temos uma boa parte de tradições de Páscoa. Os coelhinhos da Páscoa, os ovos de galinha e de chocolate são abundantes. O ovo de chocolate mais famoso é o Mignon e tem estado presente desde os finais do século XIX. Consiste na casca de um ovo verdadeiro recheada com nougat de amêndoa-avelã. Os tradicionais ovos de chocolate ocos não são nada quando comparados a este. Todas as Páscoas há cerca de 2 milhões de ovos Mignon à espera de serem consumidos, um número considerável tendo em conta que são todos feitos à mão.

Blend-All-About-Wine-Ilkka-Siren-and-Brother Bruxas da Páscoa e Vinho do Porto Bruxas da Páscoa e Vinho do Porto Blend All About Wine Ilkka Siren and Brother

Eu e o meu irmão mais velho vestidos de bruxas – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Falando de tradições estranhas da Páscoa, durante este período, os finlandeses também cultivam erva em casa. Calma, não é a ilegal mas sim a normal azevém verde, que é colocada numa pequena taça em cima da mesa para simbolizar o renascimento da vida depois do Inverno e a chegada da Primavera. Além disso há também a tradição de vestir as crianças de bruxas. Sim, é mesmo isso. Acredita-se que antigamente havia, durante a Páscoa, bruxas montadas nas suas vassouras que faziam todo o tipo de travessuras. Agora os miúdos vão de porta em porta vestidos de bruxas, abanando galhos de salgueiro aos estranhos para lhes desejar felicidades, e em troca podem receber alguns doces. Uma estranha mistura de tradições Ortodoxas e Pagãs. Antigamente eram feitas grandes fogueiras para espantar as bruxas, tradição essa que ainda hoje se mantém. Como pode ver na fotografia acima, em criança, costumava passar todas as Páscoas a parecer a avó do Harry Potter.

Blend-All-About-Wine-Graham’s-LBV-2008 Bruxas da Páscoa e Vinho do Porto Bruxas da Páscoa e Vinho do Porto Blend All About Wine Graham   s LBV 2008

Graham’s LBV 2008 – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Felizmente a minha carreira como Dumbledore não estava destinada. Em vez disso, posso beber este LBV mágico de 2008 da Graham’s e relaxar com a minha família. Na Finlândia o consumo de vinho sobe um pouco durante a Páscoa. Especialmente o vinho tinto que nas lojas de monopólio atinge mais 64% de vendas do que numa semana normal. O consumo de vinhos de sobremesa também sobe um bocado, o que me traz a este vinho do Porto. Um LBV aveludado é uma bebida excelente para Páscoa. Eu costumo servir Moscato d’Asti com sobremesas mais leves, como panna cotta. Mas com sobremesas de chocolate mais pesadas e com mämmi (uma estranha sobremesa finlandesa) prefiro um LBV firme. 2008 foi o ano da minha primeira visita a Portugal e trabalhei na vindima do Vale do Douro. Lembro-me de que o Verão não foi particularmente quente, para o que Portugal está habituado. Mas para mim, um pálido menino finlandês, parecia que estava a assar no forno e que estava a ficar maduro muito mais rápido do que as uvas. Quando a colheita começou houve algumas previsões meteorológicas sombrias e, mesmo com algumas chuvas, provavelmente muito necessárias, a qualidade do vintage saiu muito boa. Especialmente nalguns Single Quintas e, o nível do LBV é, na verdade, mais do que bom.

Blend-All-About-Wine-Port-and-Old-Gouda Bruxas da Páscoa e Vinho do Porto Bruxas da Páscoa e Vinho do Porto Blend All About Wine Port and Old Gouda

Vinho do Porto e Gouda Velho – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Com este firme mas delicado LBV Graham’s 2008 optei por algo super clássico no que toca à harmonização. Vinho do Porto e um queijo Gouda velho a desfazer-se é, provavelmente, a minha harmonização favorita de sempre. Quando o queijo se desfaz em pequenos cristais salgados na boca e o ingerimos juntamente com este vinho do Porto rico, frutado e com muita profundidade…o resultado final é, provavelmente, a coisa mais próxima da perfeição. O Porto tem já alguns anos e, sendo um LBV, começa já a ganhar aquela suavidade atraente em torno das bordas, continuado a ser vibrante e delicioso. Vou saborear este vinho com um grande sorriso no meu rosto e manter o copo debaixo de olho para que as sedentas bruxas da Páscoa não o venham roubar.

Contactos
Graham’s Porto
Vila Nova de Gaia
Portugal
Tel: (+351) 223 776 484 / 485
Email: Lodge: grahams@grahamsportlodge.com
             Geral: grahams@grahams-port.com
Website: www.grahams-port.com

A Santa Aliança dos Cheesburgers e Vinho do Porto

Texto Ilkka Síren | Tradução Bruno Ferreira

Antes que começem já com “Não, ele não pode ter feito isso”, pensem nisto por um bocadinho. Não é suposto a harmonização de vinho e comida ser uma coisa impossível. E, se pensarmos demasiado na questão corremos o risco de ficarmos entediados pela nossa própria curiosidade. O que vos quero dizer é: fiquem-se pelo simples. Descobrir uma boa harmonização de comida e vinho é, para mim, algo excitante e as regras são, não há regras! Sim, por vezes é preciso arriscar e experimentar algo que normalmente não associamos a certos vinhos. Neste caso foi um cheeseburger com vinho do Porto.

Blend_All_About_Wine_Holy_Alliance_1 A Santa Aliança dos Cheesburgers e Vinho do Porto A Santa Aliança dos Cheesburgers e Vinho do Porto Blend All About Wine Holy Alliance 1

Cheeseburger e rolha da garrafa acabadinha de abrir – Foto de Ilkka Síren | Todos os Direitos Reservados

Quero desde já deixar uma coisa perfeitamente clara. Eu amo vinho do Porto. Estou sempre a provar todo o tipo de vinhos, cervejas, cidras e bebidas espirituosas e tudo o que tenha o seu quê de <oomph>. Mas nada chega aos calcanhares de um bom vinho do Porto. É simplesmente um incrível e delicioso líquido. Existem muitas comidas boas para acompanhar com vinho do Porto. E, apesar de ser maioritariamente associado a sobremesas, acho que é muito mais gastronomicamente versátil do que isso. Confesso que esta harmonização Hamburger-Porto começou por ser apenas uma semi-intencional tentativa de provocação. Já ouvi pessoas a falar de harmonizações como por exemplo, vinho do Porto e bife suculento com pimentos. Então pensei, porque não fazê-lo com algo ainda mais comum, tipo um hambúrguer. Uma voz dentro da minha cabeça dizia-me que não iria funcionar, mas já aprendi a suprimir esse instinto.

Não quis estar a elaborar muito, sabia que para isto funcionar teria que ser com um cheeseburger, ou melhor, um DOUBLE-cheeseburger. Acompanhar queijo com vinho do Porto é bastante comum e algo de que eu gosto muito. Sempre gostei mais da combinação de sabores doces com salgados do que de doce com doce. Fazer hamburgers não é, normalmente, tarefa complicada, mas a escolha dos ingredientes é a chave para que esta harmonização funcione. Um bom bife com uma pitada de pimenta preta, queijo cheddar – nada dessas porcarias pré-cortadas – e ainda fiz a minha própria maionese de chipotle para conferir um bom sabor picante ao conjunto. Cebola vermelha em conserva para a acidez conferir algo especial e essencial ao hamburger. Nunca esquecendo a verdadeira definição de um bom hamburger: tem de ser possível comê-lo com as mãos.

Blend_All_About_Wine_Holy_Alliance_2 A Santa Aliança dos Cheesburgers e Vinho do Porto A Santa Aliança dos Cheesburgers e Vinho do Porto Blend All About Wine Holy Alliance 2

Ferreira LBV 2009 – Foto de Ilkka Síren | Todos os Direitos Reservados

Quanto ao Porto, escolhi um LBV Ferreira 2009. Queria algo acessível mas com uma boa estrutura. Este vinho é incrivelmente saboroso. Adoro a sensação na boca, a textura e a fruta inicial com um final picante. Para que esta harmonização funcione, o vinho não pode ser um vinho tímido, tem que ter presença. Este vinho não só tem isso como tem uma excelente relação qualidade/preço e é um exemplo de um bom Porto.

Agora querem saber, certo? Se estava bom? Sim, estava. Pode não ser a combinação mais elegante mas garanto que foi uma das melhores que tive o prazer de saborear nos últimos tempos. Se gostar de cheeseburgers (quem não gosta, certo?) e de vinho do Porto (duh!) então vai gostar desta combinação. Esqueçam por um bocado o snobismo vínico e desfrutem de uma coisa simples mas com comida muito saborosa. A ideia é baixar a fasquia no que toca à experimentação com comidas diferentes. Dito isto, a fasquia da qualidade deve ser sempre elevada. Experimente, e se não gostar experimente uma coisa diferente. Afinal o importante é divertirmo-nos.

Feiticeiros da Madeira

Texto Ilkka Sirén | Tradução Bruno Ferreira

A indústria do vinho é bem conhecida pela sua hospitalidade. No geral as pessoas são afáveis e acolhedoras. Quando as pessoas partilham o mesmo tipo de entusiasmo por alguma coisa, neste caso vinho, estão mais interligadas e quase que parece conhecermos as pessoas mesmo quando não conhecemos. Claro que há sempre algumas maças podres, mas mesmo assim considero a indústria do vinho uma agradável área de negócio.

Blend_All_About_Wine_Barbeito_1 Feiticeiros da Madeira Feiticeiros da Madeira Blend All About Wine Barbeito 1

Barril de Malvasia – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Tomem o exemplo da Barbeito. A primeira vez que os visitei na Madeira estava de férias, a viajar com a minha mulher e a sua família. Estão a ver o típico turista, a apreciar as vistas, piscina, Coral (cerveja), “bolo do caco” (pão de alho), espetada, vinho, esquivando-se dos “velhinhos alegres e divertidos”, dormir, tomar um duche e repetir tudo outra vez? Tentei no entanto organizar algumas actividades extracurriculares e fomos visitar a Vinhos Barbeito. Encontrar a adega revelou-se uma tarefa quase impossível para o taxista, mas depois de muitas paragens lá conseguiu encontrar o sítio. Durante a visita provamos vinhos datados de 1875! Foi uma visita muito casual, com os meus sogros e mesmo assim eles tiveram a amabilidade de nos mostrar estes grandes vinhos. Foi realmente fantástico e um bom exemplo da generosidade que existe no negócio dos vinhos.

Blend_All_About_Wine_Barbeito_2 Feiticeiros da Madeira Feiticeiros da Madeira Blend All About Wine Barbeito 2

Corrimão\cano de transporte de vinho – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Vinhos Barbeito está situada numa zona industrial no cimo de um morro ventoso. Enquanto algumas das adegas da Madeira são rústicas, a adega da Barbeito tem um toque moderno. Nada de extravagante, apenas prática. Consegue-se perceber que quem desenhou o layout das instalações foi alguém com uma mente ligada aos vinhos. Até o corrimão do parque de estacionamento é na realidade um cano para transportar o vinho desde a área de vinificação até outro edifício onde estão os barris e se faz o engarrafamento. Espectacular, não é?!

Blend_All_About_Wine_Barbeito_7 Feiticeiros da Madeira Feiticeiros da Madeira Blend All About Wine Barbeito 7

Laboratório de vinho – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Vinhos Barbeito foi fundada em 1946 o que, em anos-de-vinho-Madeira, significa um projecto relativamente recente. Desde aí que a propriedade se estabeleceu como uma das adegas mais emocionantes em Portugal. O enólogo Ricardo Diogo é como que um feiticeiro quando se fala de lotear de vinhos. Alguns chamam-no “o Gandalf da Madeira”. Bem, na verdade não sei se chamam ou não mas deviam. Não digo que os vinhos da Barbeito sejam perfeitos, nada é, mas estão rapidamente a tornar-se num sinónimo de vinhos de notável qualidade.

Blend_All_About_Wine_Barbeito_3 Feiticeiros da Madeira Feiticeiros da Madeira Blend All About Wine Barbeito 3

Máquina de rotulação – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Na minha recente visita à adega, a missão era muito simples: provar tantos vinhos quanto humanamente possível. Missão cumprida! Provamos inúmeras amostras num alinhamento nada menos que épico. Começando por algumas Tinta Negras e Bastardo, de 5 e 10 anos, até anos como 1834. Deixem-me repetir, podem não ter percebido bem, MIL OITOCENTOS E TRINTA E QUATRO! Isso sim, é um vinho velho. Remonta ao ano em que foi abolida a inquisição espanhola. Alguns vinhos são impossíveis de descrever ao pormenor, por isso nem vou tentar. Vou apenas dizer que o vinho é para lá de fenomenal.

Blend_All_About_Wine_Barbeito_4 Feiticeiros da Madeira Feiticeiros da Madeira Blend All About Wine Barbeito 4

Velha Guarda – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Aqui estão as minhas escolhas de entre os vinhos provados:

Barbeito ‘Ribeiro Real’ Verdelho 20 anos
Um vinho feito de Verdelho e um toque de vinhos Tinta Negra 100 anos das lendárias vinhas Ribeiro Real. Perfumados aromas de especiarias e uma delicada intensidade que nos faz perder o nariz no copo durante muito tempo. No momento em que o vinho toca na língua somos transportados para outro lugar. A palavra “persistente” não chega sequer para começar a descrever a longevidade de sabores deste vinho. Continuam e continuam… Fantástico!

Blend_All_About_Wine_Barbeito_6 Feiticeiros da Madeira Feiticeiros da Madeira Blend All About Wine Barbeito 6

Barbeito ‘Ribeiro Real’ Verdelho 20 anos – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Barbeito ‘Mãe Manuela’ Malvasia 40 anos
Um lote antigo de Malvasia. Um toque floral, vegetal, licor e notas de chocolate preto. Uma rica e deliciosa sensação na boca que é imediatamente realçada por uma acidez vibrante tornando toda a experiência extremamente agradável. Um vinho complexo que o vai fazer suspirar por mais um copo, mesmo semanas após a degustação. Definitivamente um dos vinhos mais fabulosos que provei este ano. Fenomenal.

Blend_All_About_Wine_Barbeito_5 Feiticeiros da Madeira Feiticeiros da Madeira Blend All About Wine Barbeito 5

Barbeito ‘Mãe Manuela’ Malvasia 40 anos – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Contactos
Estrada da Ribeira Garcia
Parque Empresarial de Câmara de Lobos – Lote 8
9300-324 Câmara de Lobos – Portugal
Tel: (+351) 291 761 829
Fax: (+351) 291 765 832
Email: info@vinhosbarbeito.com.pt
Site: www.vinhosbarbeito.com

Breves momentos com a Casa da Passarella

Texto Ilkka Sirén | Tradução Patrícia Leite

Eu gosto de vinho. Eu gosto de comida. Eu gosto de estar com boa gente. Gosto particularmente de todas estas coisas juntas. Sempre que possível, tento rodear-me de pessoas com quem gosto de passar uns bons momentos, a maioria das quais partilha o meu entusiasmo por tudo o que seja apetitoso. Nunca tive problemas em apreciar um ou dois copos sozinho, mas o vinho, como a comida, é uma coisa que é realmente melhor quando partilhado.

Acho que essa é uma das principais razões pelas quais eu adoro Portugal. Não é preciso muito para convencer um Português a desfrutar de um copo de vinho connosco, a partilhar um pouco de comida, a partilhar um breve momento nesta nossa vida errática. Por muito lamechas que soe, a vida é uma compilação desses breves momentos. Portanto, dentro deste espírito, eu convidei alguns amigos para provar uns vinhos da região do Dão.

Casa da Passarella é uma propriedade que tem uma daquelas histórias tipo “adega arruinada salva por milionário”. A propriedade data de 1892 e era um projecto muito ambicioso de um senhor chamado Amand d’Oliveira. Plantaram 200 hectares de vinhas, que imagino tenha sido uma tarefa árdua naquela altura. Algumas dessas vinhas ainda existem. Mas como acontece com tantas outras propriedades, tudo acabou em ruinas. Pelo menos até 2007, quando a propriedade foi adquirida por Ricardo Cabral. Uns anos e uns milhões de euros depois, bada-bing-bada-boom, a Casa da Passarella começa a dar cartas novamente.

Short moments with CASA DA PASSARELLA1 casa da passarella Breves momentos com a Casa da Passarella Short moments with CASA DA PASSARELLA1

Copo de Vinho – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Portanto, os meus amigos vieram cá a casa e eu abri uma garrafa de Casa da Passarella O Enólogo Encruzado 2012. O vinho começou tímido, mas passado um bocado começou a abrir. A maior parte dos encruzados que vejo aqui na Finlândia são muito relaxados e normalmente, bastante maduros mostrando toneladas de frutas tropicais. Podem ser bastante agradáveis, mas não é o estilo que normalmente escolho. Contrariamente, este vinho era menos frutado e mais contido, mostrando agradáveis citrinos e aromas de ervas verdes com um final longo, de deixar água na boca. Eu desafiei um bocado o vinho, ao emparelhá-lo com uma salsicha txistorra picante. Foi pura e simplesmente pecaminoso, e por pecaminoso quero dizer, pecaminosamente delicioso. A ligeira viscosidade do encruzado funcionou bem com as especiarias e a acidez cortou a gordura da salsicha, tornando a combinação deliciosa.

Short moments with CASA DA PASSARELLA2 casa da passarella Breves momentos com a Casa da Passarella Short moments with CASA DA PASSARELLA2

Salsicha Chistorra & Casa da Passarella O Enólogo Encruzado 2012 – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Depois veio a altura do tinto. Provamos o O Oenólogo Vinhas Velhas 2010 tinto, um vinho feito de vinhas velhas com uma mistura de castas locais como Baga, Alvarelhão, Tinta Pinheira, Jaen, Tinta Carvalha etc. O nariz era especiado com boa fruta vermelha. O que eu gosto nestes vinhos do Dão que vêm de perto da Serra da Estrela é que são tendencialmente frescos. É sem dúvida uma região mais fresca, o que se consegue provar nos vinhos. Este vinho tinha uma boa estrutura, cheio de corpo e equilíbrio. Estava à espera de algo mais “rústico” mas, pelo contrário, revelou-se bastante polido. Cheio de corpo, taninos suaves, gosto persistente. Muito bebível agora mas dentro de 5 a 10 anos pode transformar-se num verdadeiro sedutor de deixar cair o queixo.

Short moments with CASA DA PASSARELLA3 casa da passarella Breves momentos com a Casa da Passarella Short moments with CASA DA PASSARELLA3

Casa da Passarella O Oenólogo Vinhas Velhas 2010 Tinto – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Portanto, ali estávamos nós. A beber, a comer, a rir enquanto víamos o sol a pôr-se em Helsínquia. Só foi preciso um pouco de vinho, um bocadinho de comida e alguns amigos para me fazer, durante aquele breve momento, verdadeiramente feliz.

Contactos
Casa da Passarella
Rua Santo Amaro, 3, Passarella
6290-093 Lagarinhos
Telefone: 00 351 238 486 312
Email: info@casadapassarella.pt
Site: www.casadapassarella.pt

António Madeira, A Estrela em Ascensão do Dão Serrano

Texto Ilkka Sirén | Tradução Teresa Calisto

Estive recentemente num encontro de um grupo de wine bloggers Finlandeses. De vez em quando, este grupo de geeks sedentos encontra-se para provar alguns vinhos, normalmente “às cegas”, e comer boa comida. E já me conhecem, não é preciso muito para me convencer a comer e a beber.

Inicialmente era suposto fazermos um picnic ao ar livre, mas o tempo não esteve do nosso lado, por isso refugiamo-nos numa adega, localizada na baixa de Helsínquia. Toda a gente trouxe algumas garrafas e servimo-las “às cegas”, uns aos outros. A noite teve um começo dramático quando um dos bloggers deixou cair ao chão, uma garrafa de champagne Pommery NV dos anos 70, que se partiu juntamente com uma garrafa de Blanc de Noir, um vinho branco tranquilo de já-não-me-recordo-de-onde. Passados 15 minutos a praguejar e a desdenhar silenciosamente, continuamos com a prova. Na realidade, os rapazes conseguiram salvar parte do champagne antigo e vertê-lo em alguns copos de vinho, usando um filtro de café. Estava altamente oxidado e já tinha passado o seu auge há bastante tempo, mas ainda era bastante interessante para aqueles que gostamos de, ocasionalmente nos entregar à necrofilia viníca.

Blend_All_About_Wine_Antonio_Madeira_Glass_Wine António Madeira, A Estrela em Ascensão do Dão Serrano António Madeira, A Estrela em Ascensão do Dão Serrano Blend All About Wine Antonio Madeira Glass Wine

Copo de Vinho – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Havia todo o tipo de vinhos a ser servidos, do neozelandês Grüner Veltliner ao Pinot Noir Catalão. Um dos vinhos que eu trouxe, foi um António Madeira Dão Vinhas Velhas 2011. Esta foi muito provavelmente, a primeira vez que foi provado na Finlândia e eu estava curioso por ouvir o que as pessoas pensavam do vinho.

António Madeira é um tipo francês mas que tem as suas raízes em Portugal. Começou a procurar uma vinha na região de vinho do Dão em 2010 e encontrou um vinhedo de 50 anos, que tinha sido negligenciado, no sopé da Serra da Estrela. António assumiu a tarefa de a recuperar e em 2011 produziu o seu primeiro vinho desta vinha. Eu tinha visto algumas fotografias deste lugar, que parece uma mini versão de Mendoza com a Serra nevada de fundo. Não tão grande nem dramática como os Andes, mas ainda assim muito bonita.

Blend_All_About_Wine_Antonio_Madeira_Cheese António Madeira, A Estrela em Ascensão do Dão Serrano António Madeira, A Estrela em Ascensão do Dão Serrano Blend All About Wine Antonio Madeira Cheese

Queijo – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Quando o servi aos meus amigos wine geeks na prova cega, eles tiveram muita dificuldade em localizar com precisão a sua origem. Não porque não tivesse um carácter distintivo, mas apenas porque os vinhos do Dão são quase completamente desconhecidos na Finlândia. Uma situação que espero que mude no futuro. A hipótese mais próxima foi a Galícia. Depois de cheirar e de provar, ou melhor, depois de o beber, a opinião geral parecia muito positiva. As pessoas reconheceram que ainda era um vinho muito jovem, mas que tinha sem dúvida potencial para envelhecer bem.

Então, o que achei do vinho? Eu já o tinha provado uma vez no evento Simplesmente Vinho, no Porto. Lembro-me de ter provado muitos vinhos nesse dia. Nestes eventos vínicos, mesmo um bom vinho, pode escapar ao nosso radar. Fiquei feliz pela oportunidade de o provar outra vez. O que me surpreendeu neste vinho foi o facto de António, que é um rapaz novo, não ter exagerado. Poderá questionar-se “porque é que isso é tão surpreendente?” mas, da minha experiência, muitas vezes quando estes jovens ases fazem o seu primeiro vinho, têm tendência a produzir vinhos para impressionar os outros ou para provar um ponto de vista. Demasiada extracção, demasiado carvalho, demasiado “natural” ou qualquer outra aldrabice. Deve manter-se o ego fora da equação e deixar que as vinhas falem por elas próprias e, neste caso, parece que António fez precisamente isso. Algo me diz que ainda vamos ouvir falar muito sobre os vinhos Dão Serrano no futuro.

Blend_All_About_Wine_Antonio_Madeira_Dao António Madeira, A Estrela em Ascensão do Dão Serrano António Madeira, A Estrela em Ascensão do Dão Serrano Blend All About Wine Antonio Madeira Dao

António Madeira Dão Vinhas Velhas 2011 – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

António Madeira Dão Vinhas Velhas 2011

Esta velha vinha tem uma mistura de castas tradicionais Portuguesas como Tinta Pinheira e Negro Mouro. O vinho tem um toque muito clássico. Fruta vermelha viva com o aroma a pinheiro verde que encontro com frequência nos vinhos do Dão. Boa estrutura e frescura que lhe dá uma boa apetência a ser bebido, já nesta idade. O que poderá explicar por que motivo a garrafa se esvaziou tão rapidamente. Um vinho bem equilibrado que nos faz questionar por que motivo os vinhos do Dão não são conhecidos mundialmente. Bom, que seja ouvido! Estes vinhos conseguem conquistar as mentes e os corações de qualquer entusiasta vinícola de Tóquio ao Rancho Cucamonga.

Contactos
António Madeira
Tel: + 33 680633420
Email: ajbmadeira@gmail.com
blog “A palheira do Ti Zé Bicadas”
vinhotibicadas.blogspot.fr

Os Vinhos Enosexuais da Quinta das Bágeiras

Texto Ilkka Sirén | Tradução Patrícia Leite

A Bairrada poderá ser uma das regiões vitivinícolas menos conhecidas em Portugal. Para muitos é apenas um ponto preto no mapa. As pessoas de facto não parecem saber o que esperam quando bebem um vinho da Bairrada. O que dificulta ainda mais as coisas é o facto de não ser muito fácil chegar aos bons vinhos.

A casta tinta rainha da região é a Baga, que é na minha opinião uma das castas mais bonitas no planeta Terra. Quando um Baga é bem feito e um pouco envelhecido, pode enganar qualquer um numa prova cega, passando por um vinho top Nebbiolo de Piemonte. As castas brancas incluem Bical e Maria Gomes (Fernão Pires). A Bairrada também é conhecida por produzir um vinho espumante agradável. Mas se está à procura de carácter e não quer ficar entediado em provas estéreis, há um produtor na Bairrada de visita obrigatória, a Quinta das Bágeiras.

blend_all_about_wine_Quinta das Bageiras1 Os Vinhos Enosexuais da Quinta das Bágeiras Os Vinhos Enosexuais da Quinta das Bágeiras blend all about wine Quinta das Bageiras1

Mário Sérgio Alves Nuno – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Mário Sérgio Alves Nuno é o proprietário e o enólogo “extraordinaire” desta quinta única. Na primeira vez que o conheci, ele fatiou e cortou um leitão inteiro com aquelas tesouras grandes mesmo à minha frente e serviu-mo como almoço. Foi amor à primeira vista. A propósito, o leitão da Bairrada é extremamente saboroso. Só isso já é um bom motivo para visitar a região.
Mário Sérgio produz tudo, desde vinho espumante até aos tintos. Também faz um vinagre espectacular, do qual me ofereceu uma garrafa na minha última visita. Há pouco tempo acabei-a e quase chorei. Preciso de mais desse vinagre o mais rápido possível.
Os vinhos são conhecidos por serem muito bons e têm uma personalidade distinta. Se procura vinhos frutados fáceis de beber, deve fugir a correr e a gritar numa outra direcção.
A adega está cheia daquelas colunas de garrafas inclinadas que desafiam a gravidade. Mas o braço direito de Mário, o senhor do chapéu engraçado, diz que elas nunca caiem. Felizmente os terramotos são raros na região.
A Quinta das Bágeiras faz também parte de um grupo de produtores chamado Baga Friends, que reúne Buçaco, Niepoort, Filipa Pato e alguns outros. Se estiver interessado em aprender mais sobre os vinhos da Bairrada e especialmente sobre a casta Baga, deve provar os vinhos deste gangue de enólogos talentosos.

blend_all_about_wine_Quinta das Bageiras2 Os Vinhos Enosexuais da Quinta das Bágeiras Os Vinhos Enosexuais da Quinta das Bágeiras blend all about wine Quinta das Bageiras2

Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Quinta das Bágeiras Garrafeira Branco 2012
O vinho é bastante fechado no início, o que não me surpreendeu nada. Aprendi a esperar estes aromas de libertação lenta de praticamente todos os vinhos Bágeiras. Depois de 20 minutos no copo, o vinho abriu e ficou com muito charme. Na boca, o vinho é muito bem estruturado. Acidez soberba e sabores de pêra e citrinos. É definitivamente um vinho digno de envelhecimento que podemos esquecer na adega por um tempo. Notável.

blend_all_about_wine_Quinta das Bageiras3 Os Vinhos Enosexuais da Quinta das Bágeiras Os Vinhos Enosexuais da Quinta das Bágeiras blend all about wine Quinta das Bageiras3

Quinta das Bágeiras Garrafeira Branco 2012 | Quinta das Bágeiras Pai Abel Branco 2010 – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Quinta das Bágeiras Pai Abel Branco 2010
No momento em que abri a garrafa, gritei “merengue!”. Este vinho tem aquele aroma inconfundível, forte e voluptuoso, que quase me faz lembrar de alguns vinhos Meursault. No aroma parece um pouco como se alguém deixasse cair um palheiro na nossa cabeça e nos cobrisse de maçãs doces. Humm, parece uma cena do CSI. Talvez eu não tenha aproveitado a minha vocação como redactor da TV Hollywood? Outra vez, uma acidez de fazer crescer água na boca e alguns sabores a nozes. O vinho é bastante rico em textura, mas no final muito fresco. Já tem alguma idade e parece estar a evoluir muito bem, mas ainda pode continuar a evoluir por cerca de uma década.

blend_all_about_wine_Quinta das Bageiras4 Os Vinhos Enosexuais da Quinta das Bágeiras Os Vinhos Enosexuais da Quinta das Bágeiras blend all about wine Quinta das Bageiras4

Photo by Ilkka Sirén | All Rights Reserved

Contacts
Mário Sérgio Alves Nuno
Fogueira – 3780-523 Sangalhos
Bairrada – Portugal
Tel: +351 234 742 102
Fax: +351 234 738 117
Site: www.quintadasbageiras.pt/
Email: quintadasbageiras@mail.telepac.pt

O Início do Verão e as «Bolhas» da Bairrada

Texto Ilkka Sirén | Tradução Patrícia Leite

O Inverno na Finlândia foi longo, frio e escuro. Não sou o maior fã do Inverno aqui. Não me importo com o frio ou a neve, é a escuridão que realmente me tira do sério. Imagine-se a ir para o trabalho e é escuro. Sai do trabalho, é escuro. Se trabalha num escritório sem janelas, provavelmente não vai ver o sol durante uns meses, excepto talvez nos fins-de-semana.

E mesmo assim o tempo poderá estar nublado. Apenas percebemos o quanto isso afecta as pessoas quando chega a Primavera. Quando começamos a ficar com dias mais longos na Finlândia, parece que todo o país e as pessoas mudam. A Primavera aqui tem sido igualmente difícil. Ainda há pouco tempo tivemos os últimos flocos de neve. O clima do Inverno geralmente volta algumas vezes na Primavera, o que neste momento não surpreende mesmo ninguém. O que nos surpreendeu foi o clima fantástico que temos tido aqui nas últimas duas semanas. E com isso quero dizer que podemos andar lá fora de t-shirt! Fui a Lisboa na semana passada e estava mais frio do que em Helsínquia, o que nunca acontece. Quando voltei para aquecer Helsínquia, sabia que estava na hora de fazer uma festa de verão.

Summer Kick-Off and Bairrada Bubbles1 O Início do Verão e as «Bolhas» da Bairrada O Início do Verão e as «Bolhas» da Bairrada Summer Kick Off and Bairrada Bubbles1

Churrasqueira – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Missão número um: tinha de montar uma nova churrasqueira. O meu sogro é um entusiasta do churrasco, assim como eu, por isso era necessário ter os utensílios adequados para o verão. Em apenas 26 passos “fáceis” e algumas cervejas mais tarde, conseguimos montar uma espectacular churrasqueira. Quero salientar que nós, os finlandeses, adoramos churrascadas. Passamos a maior parte do ano dentro de casa, por isso, quando o clima o permite, aproveitamo-lo ao máximo.

Summer Kick-Off and Bairrada Bubbles2 O Início do Verão e as «Bolhas» da Bairrada O Início do Verão e as «Bolhas» da Bairrada Summer Kick Off and Bairrada Bubbles2

Churrasco – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Foi um fim-de-semana com alguma emoção porque a Finlândia participou no Campeonato Mundial de Hóquei no Gelo (IIHF), que é um grande acontecimento aqui nesta parte do mundo. A equipa finlandesa jogou muito mal no início do torneio, mas conseguiu conquistar o seu caminho para a final, onde íamos a jogar contra um antigo rival, a Rússia. Para encurtar a história, perdemos. Jogámos como campeões e merecíamos a vitória, mas devido a um juízo injusto do árbitro sofremos penaltis em cada dois minutos. Foi um jogo muito amargo.

Summer Kick-Off and Bairrada Bubbles3 O Início do Verão e as «Bolhas» da Bairrada O Início do Verão e as «Bolhas» da Bairrada Summer Kick Off and Bairrada Bubbles3

Quinta do Ortigão Reserva Bruto 2010 branco – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Acho que foi Napoleão quem disse que “Na vitória, merecemos Champanhe. Na derrota precisamos dele”. Bem, em minha casa esta regra aplica-se a qualquer bom vinho e, depois daquele jogo de hóquei no gelo, eu precisava desesperadamente de algumas «bolhas» agradáveis. Aí entrou a Quinta do Ortigão. Bairrada, a terra do leitão, estava no meu radar desde que fiz a minha primeira vindima no Douro. Mesmo nessa altura, em que eu sabia muito pouco sobre vinhos portugueses, a qualidade dos vinhos espumantes foi para mim impressionante, graças ao clima relativamente frio e às BB. Não estou a falar do Big Brother, refiro-me às castas Baga e Bical que são frequentemente utilizadas na produção de vinho espumante na Bairrada. A maior parte das «bolhas» da Bairrada são bastante simples, muito frutadas e bebíveis. Boas, mas não óptimas. Mas algumas delas têm uma boa profundidade e muita personalidade, o que torna a região muito intrigante.

Summer Kick-Off and Bairrada Bubbles4 O Início do Verão e as «Bolhas» da Bairrada O Início do Verão e as «Bolhas» da Bairrada Summer Kick Off and Bairrada Bubbles4

Rolha – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Quinta do Ortigão Reserva Bruto 2010 branco
Este vinho é jovem e já se pode detectar alguns aromas desenvolvidos. No nariz, temos uma boa mistura de maçãs verdes, especiarias e limão. Mais contido e não tão frutado como as «bolhas» mais jovens da Bairrada. Um delicioso aperitivo, mas também um vinho que se aguenta numa refeição. Bebi-o com alguns legumes grelhados e funcionou muito bem.

Contactos
Quinta do Ortigão
3780-227 Anadia
Bairrada – Portugal
Tel: (+351) 231 503 209
Fax: (+351) 231 503 209
E-mail: palegre@quintadoortigao.com

A aventura vai começar

Texto Ilkka Sirén | Tradução Patrícia Leite

Vou ser muito honesto. Não tenho sido um grande fã do Alentejo como região vitivinícola. Sei que isso pode aborrecer algumas pessoas mas é a verdade. Eu não tenho nada contra o Alentejo, mas tenho andado sempre mais à volta das regiões do Norte de Portugal, como Bairrada, Dão, Douro e Vinho Verde. Isto acontece apenas porque, quando viajo para Portugal, normalmente apanho o avião para o Porto, de onde podemos ir até estas maravilhosas regiões do vinho de forma bastante rápida.

O Alentejo é um pouco mais distante e normalmente não tempo para me aventurar tão longe para sul. Por esse motivo, demorei algum tempo a ir conhecer a região, mas no ano passado isso finalmente aconteceu. E tudo o que posso dizer é, UAU! O Alentejo é mais do que bonito. Como poderemos não gostar das incríveis paisagens, dos azeites, dos sobreiros e do tempo quente. Já para não falar da terra de uma das “coisas vivas” mais deliciosas do planeta, o Porco Preto Ibérico. Por isso, se gostar de bastante sol e boa comida, então deverá definitivamente visitar o Alentejo.

Blend-All-About-Wine-Let-the-Adventure-Begin-Aventura-2012 aventura A aventura vai começar Blend All About Wine Let the Adventure Begin Aventura 2012

Aventura ‘2012/Susana Esteban e Saca-Rolhas – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Os vinhos são diversificados, tanto no estilo como na qualidade. Poderá encontrar alguns vinhos incríveis no Alentejo, mas provavelmente irá ter também umas quantas decepções. Mas para apreciar e entender plenamente estes vinhos, temos mesmo de visitar a região e eu mal posso esperar por lá voltar para descobrir o que mais esta região tem para oferecer.

A enóloga Susana Esteban andou durante dois anos à procura de vinhas no Alentejo antes de encontrar duas parcelas, cada uma com uma personalidade própria, a partir das quais começou o que parece ser um projecto muito promissor. Frescura não é a primeira palavra que me vem à cabeça quando penso em vinho Alentejano, mas de alguma forma a Susana conseguiu fazer dois vinhos equipados com uma frescura invulgar, que faz “saltar” a fruta vibrante como uma coelhinha da Playboy de um grande bolo. Não digo que estes sejam os dois vinhos mais excitantes do mundo, mas são uma lufada de ar fresco, muito bem-vinda, que irá contribuir para aumentar a já versátil gama de vinhos do Alentejo.

Blend-All-About-Wine-Let-the-Adventure-Begin-Cork aventura A aventura vai começar Blend All About Wine Let the Adventure Begin Cork

Aventura ‘2012/Susana Esteban e Saca-Rolhas – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Aventura 2012 / Susana Esteban Vinho Regional Alentejano

Se juntar um punhado de umas lindas flores roubadas do bouquet do casamento do seu melhor amigo com uma pitada de pimenta preta e alcaçuz e depois esfregar esta combinação nas mãos, ela cheiraria exactamente como este vinho. Bem, é provável que o aroma não seria exactamente o mesmo mas muito próximo. Este vinho faz-me lembrar um Zweigelt apimentado da Áustria que uma vez provei.
Simples e directo, jovem, sem madeira com um final de mirtilos (não, eu não inventei isto). Com “apenas” 13,5%, o que é bastante moderado para o Alentejo, e com alguma acidez vigorosa, este vinho tem alguma capacidade de ser bebido mais tarde. Uma bebida agradável para nós que gostamos de embarcar em aventuras vínicas.

Blend-All-About-Wine-Let-the-Adventure-Begin-Procura-2011 aventura A aventura vai começar Blend All About Wine Let the Adventure Begin Procura 2011

Procura ‘2011 – Foto de Ilkka Sirén | Todos os Direitos Reservados

Procura 2011 Vinho Regional Alentejano

Este vinho peculiar foi o primeiro deste projecto. É um lote de Alicante Bouschet duma vinha perto de Évora com várias castas (“sabe-se-lá-quais”) de uma vinha mais velha e fresca em Portalegre. O vinho começa bastante intenso, porém delicado. Poderia até ser mais intenso se não fosse a forte acidez a mantê-lo controlado. Embora o nome do vinho seja Procura, por mais que eu procurasse não consegui nele detectar o álcool relativamente elevado. Com 14,5%, este vinho é equilibrado e tem um agradável sabor vibrante a fruta.

(Não sou um grande utilizador de decanters, mas se o for, pode querer experimentar decantar para ver se o vinho suaviza um pouco).

Contactos
Susana Esteban
Sede – Av. António Augusto Aguiar, Nº 100, 4º Esq. / 1050-019 Lisboa
Adega – Quinta Seca da Boavista / 7490-311 Mora
E-mail: susana@susanaesteban.com
Site: www.susanaesteban.com