Posts By : Olga Cardoso

Herdade da Malhadinha Nova Coutry House & SPA – Um local onde a qualidade impera!

Texto Olga Cardoso

Situada a poucos quilómetros de Beja, no Baixo Alentejo, a Herdade da Malhadinha Nova é um espaço de lazer e de prazer.

A qualidade está presente em todos os pormenores, mesmos no mais simples…ou aparentemente simples.

Blend-All-About-Wine-Herdade da Malhadinha-Malhadinha herdade da malhadinha Herdade da Malhadinha Nova Coutry House & SPA - Um local onde a qualidade impera! Blend All About Wine Herdade da Malhadinha Malhadinha

Herdade da Malhadinha Nova – Foto Cedida por Herdade da Malhadinha Nova | Todos os Direitos Reservados

Objectos de design, cadeiras e iluminação de Philipe Starck, Charles & Ray Eames ou Mariano Fortuny estão presentes por todo o lado, mas perfeitamente integrados num ambiente rural. A fusão entre design, ruralidade, conforto e elegância, apelam aos sentidos e sentimentos.

Na Malhadinha Nova poderá usufruir de experiências, momentos, sensações ou detalhes, que certamente o levarão a uma segunda visita.

Cozinhar com um chefe conceituado, aprender a arte da fotografia ou da pintura, ou descobrir, de forma intimista, o mundo dos vinhos …. são algumas das experiências proporcionadas aos visitantes.

Aquando da minha visita à Herdade, senti-me recebida de forma principesca, tendo podido participar de um show

Joachim Koerper é apaixonado pelos produtos do sul da Europa, pelos seus sabores, cores, aromas e texturas. A sua filosofia é simples, como todas as coisas boas da vida, utilizar apenas produtos naturais e frescos e trabalhá-los com arte e criatividade.

Blend-All-About-Wine-Herdade da Malhadinha-Malhadinha-2 herdade da malhadinha Herdade da Malhadinha Nova Coutry House & SPA - Um local onde a qualidade impera! Blend All About Wine Herdade da Malhadinha Malhadinha 2

Herdade da Malhadinha Nova – Foto Cedida por Herdade da Malhadinha Nova | Todos os Direitos Reservados

Por essa razão, o Restaurante da Malhadinha – Wine & Gourmet, integrado no edifício da Adega, oferece uma cozinha de autor, que privilegia os produtos da terra em interpretações modernas. Neste restaurante é sempre feita uma selecção de pratos requintados com sabores e aromas irresistíveis, devidamente acompanhados pelos excelentes vinhos da Herdade.

A enologia está a cargo de Luis Duarte (Enólogo Consultor) e Nuno Gonzalez (Enólogo Residente). Para além de enólogo consultor, Luis Duarte é também um amigo da família. A sua notável carreira está fortemente ligada à Herdade do Esporão, com vários vinhos premiados, tendo sido considerado, por duas vezes, enólogo do ano em Portugal. Hoje em dia é um dos mais renomados enólogos do país, com resultados admiráveis em consultorias a alguns produtores do Alentejo. Nuno Gonzalez, por seu lado, é licenciado em bioquímica, tendo-se especializado em viticultura e enologia. Conta com passagens pela Austrália, Nova Zelândia, Estados Unidos da América e Itália. Em Portugal, reúne no seu currículo grandes casas como a José Maria da Fonseca, Niepoort, Cortes de Cima, entre outras.

Herdade da Malhadinha Nova nasceu de um sonho – o sonho de produzir um grande vinho, de produzir o melhor vinho do mundo.

Blend-All-About-Wine-Herdade da Malhadinha-Outside herdade da malhadinha Herdade da Malhadinha Nova Coutry House & SPA - Um local onde a qualidade impera! Blend All About Wine Herdade da Malhadinha Outside

Herdade da Malhadinha Nova – Foto Cedida por Herdade da Malhadinha Nova | Todos os Direitos Reservados

Para tal contribuem as condições únicas de espaço, a experiência de mais de 10 anos na produção de vinhos e a paixão de toda a equipa envolvida. Daqui nasceu uma notável gama de tintos, brancos e rosés. Cada vinho conta a sua história, à sua maneira.

A diferença e a exclusividade são também marcadas pelos rótulos, frutos da criatividade da geração mais jovem da família Soares. As crianças dão nome aos vinhos e desenharam carinhosamente os seus rótulos.

Os vinhos da Herdade da Malhadinha, elegantes, intensamente frutados e de grande complexidade na boca, são o reflexo de um enorme respeito pela natureza e de toda a paixão e dedicação com que são criados.

Se quiser ler mais sobre alguns desses vinhos, por favor veja este artigo previamente publicado no nosso site.

No que diz respeito ao hotel propriamente dito, o Herdade da Malhadinha Nova Country House & Spa, importa referir que se trata de um espaço que respeita toda a matriz alentejana, região onde está implementado. O sense of place é um valor primordial na Mallhadinha.

Aqui, vivencia-se uma experiência autêntica, onde a qualidade e o requinte da simplicidade imperam.

Blend-All-About-Wine-Herdade da Malhadinha-Room herdade da malhadinha Herdade da Malhadinha Nova Coutry House & SPA - Um local onde a qualidade impera! Blend All About Wine Herdade da Malhadinha Room

Herdade da Malhadinha Nova – Foto Cedida por Herdade da Malhadinha Nova | Todos os Direitos Reservados

A decoração dos quartos é inspirada no mobiliário regional alentejano aliado a um design clean que proporciona todo o conforto e tranquilidade. À sua chegada encontrará um prato de fruta da época produzida na Herdade, assim como os amenities da Bvlgari e os ambientadores da marca portuguesa Castelbel, que enfatizam todo o luxo e requinte durante a estadia.

Blend-All-About-Wine-Herdade da Malhadinha-Fruit herdade da malhadinha Herdade da Malhadinha Nova Coutry House & SPA - Um local onde a qualidade impera! Blend All About Wine Herdade da Malhadinha Fruit

Herdade da Malhadinha Nova – Foto Cedida por Herdade da Malhadinha Nova | Todos os Direitos Reservados

O pequeno almoço é uma experiência que nos acaricia e nos desperta os sentidos. Expostos numa “mesa de dossel” estão variadíssimos produtos de alta qualidade e de uma enorme diversidade de sabores.

Blend-All-About-Wine-Herdade da Malhadinha-Spa herdade da malhadinha Herdade da Malhadinha Nova Coutry House & SPA - Um local onde a qualidade impera! Blend All About Wine Herdade da Malhadinha Spa

Herdade da Malhadinha Nova – Foto Cedida por Herdade da Malhadinha Nova | Todos os Direitos Reservados

As actividades proporcionadas aos hóspedes são muitas e muito atractivas. Desde momentos de relaxamento, no ambiente revigorante e aromatizado do seu Spa, passando por um divertido Jeep Safari pela propriedade, até um emocionante passeio de balão de ar quente na tranquilidade do amanhecer alentejano, tudo é possível na Herdade da Malhadinha.

Sendo um espaço de enoturismo, estão também previstas diferentes provas de vinhos conduzidas pelo enólogo, visitas às vinhas e à adega. Ao longo do ano, vão sendo lançados diferentes pacotes especiais, subordinados a experiências temáticas, tais como aventuras radicais, workshops de gastronomia ou cursos de fotografia.

Na altura das vindimas, são sempre disponibilizados programas especiais que permitem aos clientes viver aquela época especial em pleno. O turismo equestre é também privilegiado pela Herdade da Malhadinha, já que possui coudelaria própria, dedicando-se à criação de cavalos da raça Puro-Sangue Lusitano.

Não tenho dúvidas que a Herdade da Malhadinha Nova tem como principio orientador, a busca da excelência. Em poucos anos de existência, tornou-se não só num dos melhores produtores de vinho nacionais, como também num espaço de enoturismo com qualidade superior.

Contactos
Herdade da Malhadinha Nova
7800-601 Albernoa. Beja – Portugal
Tel: (+351) 284 965 210 / 211
E-mail: geral@malhadinhanova.pt
Website: www.malhadinhanova.pt

Adelaide Tributa…um Porto pré-filoxérico!

Texto Olga Cardoso

Se há vinhos que resistem ao tempo e se engrandecem com o passar dos anos e mesmo dos séculos, se há vinhos que sofrem metamorfoses absolutamente extraordinárias, se há vinhos que tocam a perfeição e conseguem deixar rendido o mais incauto dos enófilos…o Adelaide Tributa é seguramente um deles!

Este Porto apresenta uma cor âmbar intensa e um aroma magistralmente complexo. Frutos secos, como figos, amêndoas e avelãs, especiarias várias, com destaque para a noz moscada e o cravinho e muito, muito cacau, tudo é possível encontrar no seu nariz profusamente aromático e requintado.

Na boca mostra-se explosivo. Denso, untuoso, profundo, com uma acidez mordaz e acutilante e um final perfeitamente interminável.

O seu grau baumé de 13,7, indicia só por si, a sua já provecta idade. Segundo registos do produtor, estamos perante um vinho pré-filoxérico, que remonta a 1866 e provém de um lote original de cinco pipas.

Século e meio de evaporação e uma conservação em ambiente favorável, reduziram-no a apenas duas pipas e conferiram-lhe uma concentração veemente e colossal.

Blend-All-About-Wine-Adelaide Tributa-D-Antónia adelaide tributa Adelaide Tributa...um Porto pré-filoxérico! Blend All About Wine Adelaide Tributa D Ant  nia

D. Antónia Adelaide Ferreira – Foto Cedida por Quinta do Vallado | Todos os Direitos Reservados

Blend-All-About-Wine-Adelaide Tributa-wine adelaide tributa Adelaide Tributa...um Porto pré-filoxérico! Blend All About Wine Adelaide Tributa wine1

Adelaide Tributa – Foto Cedida por Quinta do Vallado | Todos os Direitos Reservados

 

Foi engarrafado numa série limitada de 1300 decanters originais de cristal, devidamente numerados e embalados numa caixa de madeira desenhada pelo Arquitecto Francisco Vieira de Campos. O seu preço, na ordem dos 3000 € a garrafa, fruto da sua qualidade e raridade, destina-o apenas a coleccionadores e apreciadores endinheirados.

Uma homenagem da Quinta do Vallado a D. Antónia Adelaide Ferreira, sua anterior proprietária e para sempre relembrada como a Ferreirinha, por alturas da comemoração do bicentenário sobre o seu nascimento.

Um vinho ímpar, aristocrático, tremendamente concentrado e complexo. Um Porto grandioso e sibilino, pleno de matizes e nuances, verdadeiro exemplar da excelência vínica que o Douro e o Porto poderão alcançar.

Contactos
Quinta do Vallado – Sociedade Agrícola, Lda.
Vilarinho dos Freires
5050-364 – Peso da Régua | Portugal
Tel: (+351) 254 323 147
Fax: (+351) 254 324 326
Email: geral@quintadovallado.com
Website: www.quintadovallado.com

Instituto do Vinho Madeira – Uma Masterclass que fez toda a diferença!

Texto Olga Cardoso

Instituto do Vinho, do Bordado e do Artesanato da Madeira, I.P. – IVBAM, é o organismo responsável pela fiscalização das actividades vitivinícolas regionais e pela certificação e controlo de qualidade do Vinho da Madeira.

Trata-se de um organismo que, dotado de autonomia administrativa e financeira, se preocupa eficientemente pela consolidação e crescimento sustentado da produção dos artigos tradicionais regionais, sem nunca esquecer a manutenção da qualidade e a sua promoção eficaz e crescente, quer a nível nacional, quer a nível internacional.

Blend_All_About_Wine_IVBAM_1 Instituto do Vinho Madeira – Uma Masterclass que fez toda a diferença! Instituto do Vinho Madeira – Uma Masterclass que fez toda a diferença! Blend All About Wine IVBAM 1

Instituto do Vinho, do Bordado e do Artesanato da Madeira, I.P. – IVBAM – Foto cedida por IVBAM | Todos os Direitos Reservados

A Madeira possui cerca de 400 hectares de vinha. Os terrenos agrícolas caracterizam-se por declives muito acentuados, que regra geral se encontram sob a forma de socalcos, designados por poios. A água de rega na Madeira é captada nas zonas altas da ilha e é conduzida através de canais denominados por “levadas” que integram um impressionante sistema de 2150Km de canais.

O sistema de condução mais tradicional é o da “latada” (pérgola), no qual as vinhas são conduzidas horizontalmente. Mais recente é o sistema de condução em espaldeira, que, no entanto, só pode ser utilizado em terrenos com declives menos acentuados.

Por regra, a vindima ocorre entre meados de Agosto e meados de Outubro e é feita de forma totalmente manual. Os esforços são muitos e os rituais espelham a dificuldade relativa a todo um sistema de minifúndio espalhado por uma orografia extremamente acidentada.

Falar de Vinho Madeira é o mesmo que falar em dramatismo. Dramaticidade essa que se manifesta não só na paisagem avassaladora da ilha, como também no método de vinificação dos seus vinhos e no seu longo período de estágio.

Dramaticidade é de facto uma palavra que assenta bem não só na Madeira mas em tudo o que é Português. Somos um povo dramático sim…e isso manifesta-se em diferentes aspectos da nossa cultura.

A nossa canção ou música nacional é o  Fado – existirá outra tão forte, triste ou sentida? Realmente percebo a dificuldade de alguém proveniente do Norte da Europa, pessoas normalmente mais frias, precisas e desprovidas de sentimentos tão melancólicos, ou de alguém proveniente de países mais alegres e descontraídos como são os países do continente Sul Americano.

De facto, não deve ser fácil perceber todos estes nossos sentimentos exacerbados!

Mas voltando a falar de vinho…é realmente um orgulho ser Português. Somos ainda neófitos no que respeita a vinhos de mesa. Ganhámos hoje vários prémios internacionais e somos já contemplados por publicações como a Wine Spectator com lugares cimeiros no que concerne aos melhores vinhos do mundo. Mas nesta área, há ainda um longo caminho a percorrer, isto se quisermos manter e incrementar todo este reconhecimento de qualidade.

Produzimos pouco mais de 6 milhões de hectolitros por ano. Querer estar no topo do mundo no que diz respeito à qualidade, exigirá muito de nós no futuro. Querer espalhar a boa nova pelo consumidor internacional e não ficar cingido apenas ao reconhecimento das revistas, exigirá muito mais ainda. Sim, porque não se esqueçam que uma coisa é o reconhecimento da imprensa e outra, bem diferente, é a aceitação dos consumidores, esses sim, irão permitir o crescimento dos vinhos portugueses.

A imprensa compra vinhos? Não. O trade compra vinhos? Sim, mas para vender e só enquanto isso financeiramente se justificar. Então quem é que temos de conquistar? Os consumidores – naturalmente!

Ora bolas, lá estou eu a divagar…voltemos então ao Vinho Madeira e ao IVBAM.

Este ano fui 4 vezes à Madeira e estou prestes a embarcar novamente. É verdade…não me canso e penso até ficar muito mais ligada àquela ilha no futuro.

A última viagem à Madeira, que ocorreu em meados de Novembro 2014, foi realmente marcante. Toda a equipa Blend – All About Wine’s team members ficou muito bem impressionada. Visitamos todos os produtores de Vinho Madeira e fizemos ainda uma prova genérica de vinhos de mesa Madeirenses.

Experimentamos diferentes restaurantes fantásticos da ilha e percebemos o seu enorme potencial turístico…ainda tão estranhamente esquecido no que respeita aos seus vinhos!

Os vinhos provados ao longo dos 5 dias de viagem foram muitos e de elevada qualidade. Vinhos novos, mas sobretudo vinhos muito velhos. Vários vinhos com mais de 100 anos, que nos contaram e nos provaram toda a peculiaridade desta ilha vitícola.

Alguns deles foram provados durante a MasterClass do IVBAM, muito bem conduzida pela Chefe da Câmara de Provadores – Rubina Vieira.

Blend_All_About_Wine_IVBAM_2 Instituto do Vinho Madeira – Uma Masterclass que fez toda a diferença! Instituto do Vinho Madeira – Uma Masterclass que fez toda a diferença! Blend All About Wine IVBAM 2

MasterClass do IVBAM, conduzida pela Chefe da Câmara de Provadores – Rubina Vieira © Blend All About Wine, Lda.

Para além de bem conduzida, esta MasterClass foi ainda simpaticamente personalizada. Sim, foi uma Blend – All About Wine Masterclass – nada e criada para nós!

Provámos 12 vinhos provenientes de diferentes anos, produtores e castas. Começamos com um Colheita de 1996 e terminámos com um Verdelho de 1850.

Os que mais me impressionaram foram o Sercial 1862 e o Moscatel 1875. O Bastardo de 1927, pela sua diferença e raridade, também não me passou indiferente.

Complexidade, concentração, profundidade e equilíbrio foram características comuns a estes dois vinhos, sendo o primeiro, obviamente, bastante mais seco e muito mais delgado do que o segundo, o qual revela aspectos mais viscosos e melosos, embora se tenha mostrado muito harmonioso e sem revelar qualquer tipo de excessos. Que grandes vinhos!

Mas o que importa aqui não é falar dos vinhos e/ou produtores pelas suas particularidades ou diferenciações, isso caberá a cada um dos meus colegas, ao falarem de cada produtor individualmente.

Aqui importará falar do Vinho Madeira em toda a sua plenitude e grandiosidade. São 5 as castas ditas nobres do Vinho Madeira. Numa classificação estipulada por grau crescente de doçura temos: Sercial, Verdelho, Boal e Malvasia e sim…o Terrantez!!!

Em termos de grau de doçura ficará entre o Verdelho e o Boal, mas sendo tão raro, e correspondendo a menos de 1% das plantações da ilha, nem sequer poderá ser considerado!

Falámos de uma casta que dá lugar a vinhos absolutamente excepcionais. Pense-se por exemplo na enormidade do Terrantez 1880 da Pereira D’Oliveira…talvez um dos vinhos mais perfeitos que provei até hoje.

 

Blend_All_About_Wine_IVBAM_3 Instituto do Vinho Madeira – Uma Masterclass que fez toda a diferença! Instituto do Vinho Madeira – Uma Masterclass que fez toda a diferença! Blend All About Wine IVBAM 3

Mesa de Prova © Blend All About Wine, Lda.

Não sendo considerada uma casta nobre, a Tinta Negra, é uma casta muito utilizada no Vinho Madeira. Hoje em dia são já consideráveis, não só em quantidade mas também em qualidade, os vinhos Madeira produzidos através dessa casta.

No que respeita à ordem de vindima, as castas colhidas, por uma habitual ordem de prioridade, são:

  1. Verdelho;
  2. Boal;
  3. Tinta Negra;
  4. Malvasia;
  5. Sercial;

No que respeita ao processo de vinificação e/ou envelhecimento verifica-se que poderá ocorrer por um de dois processos: Estufagem ou Canteiro.

Estufagem: – O vinho é colocado em estufas de aço inox, aquecidas por um sistema de serpentina, por onde circula água quente, por um período nunca inferior a 3 meses, a uma temperatura entre os 45 e 50 graus Celsius. Concluída a «estufagem», o vinho é sujeito a um período de «estágio» de pelo menos 90 dias à temperatura ambiente. A partir deste momento pode permanecer em inox, ou ser colocado em cascos de madeira, até reunir as condições que permitem ao enólogo fazer o acabamento do vinho, para que possa ser colocado em garrafa, com a garantia de qualidade necessária. No entanto, estes vinhos nunca podem ser engarrafados e comercializados antes de 31 de Outubro do segundo ano seguinte à vindima. São vinhos maioritariamente de lote.

Canteiro: – Os vinhos seleccionados para estágio em Canteiro (esta denominação provém do facto de se colocar as pipas sob suportes de traves de madeira, denominadas de canteiros) são envelhecidos em cascos, normalmente nos pisos mais elevados dos armazéns onde as temperaturas são mais elevadas, pelo período mínimo de 2 anos. Trata-se de um envelhecimento oxidativo em casco, desenvolvendo os vinhos, características únicas de aromas intensos e complexos. Os vinhos de canteiro só poderão ser comercializados, decorridos pelo menos 3 anos, contados a partir de 1 de Janeiro do ano seguinte ao da vindima.

No que respeita à fortificação, verifica-se que esta consiste na paragem da fermentação com a adição de álcool vínico a 96% vol. A escolha do momento da interrupção da fermentação faz-se de acordo com o grau de doçura pretendido para o vinho, podendo-se, com este procedimento, obter quatro tipos de vinho: o seco, o meio-seco, o meio-doce e o doce.

Para mim, falar de Vinho Madeira é o mesmo que falar em Vinhos apaixonantes, envolventes e arrebatadores. Confesso-me completamente rendida os seus encantos. Sou uma Madeira Wine Geek…é verdade!

Volúpia e sedução, luxúria e lascívia andam por aqui de mãos dadas com uma enorme sensibilidade, delicadeza e erudição. Quem disse que estas características aparentemente antagónicas não se podem harmonizar na perfeição? Será que toda esta energia telúrica, toda esta autenticidade e profundidade, consubstanciarão mesmo o sabor antecipado do paraíso?

Voltaire dizia que os Tokaji possuíam o condão de conferir vigor à mais pequena fibra do seu cérebro. Bom, o Senhor era um iluminista e eu não sou…mas acho que é realmente isto que se passa comigo relativamente ao Vinho Madeira!

Mas enquanto o Tokaji é considerado o Rei dos Vinhos e o Vinhos dos Reis (assim o disse um dia Louis XV ao oferecer um copo daquele vinho à sua amante Madame de Pompadour), permitam-me dizer que, para mim, pela sua acidez triunfante e o seu mártir processo de vinificação, condições que o tornam quase imortal, o Madeira é muito mais do que um Vinho dos Reis…é um verdadeiro vinho dos DEUSES!

E por último mas não menos importante, vejam este excelente vídeo sobre o vinho Madeira.

Vídeo cedido por Instituto do Vinho, do Bordado e do Artesanato da Madeira, I.P. – IVBAM

Contactos
Instituto do Vinho, do Bordado e do Artesanato da Madeira, I.P.
Rua Visconde de Anadia, nº44
9050-020 Funchal
Tel: (+351) 291 211 600
Fax: (+351) 291 224 791
E-mail: ivbam.sra@gov-madeira.pt
Site: www.ivbam.gov-madeira.pt

Quinta da Romeira – qualidade e consistência!

Texto Olga Cardoso

A Quinta da Romeira está situada no coração de Bucelas, uma das mais antigas regiões exportadoras de vinho, muito famosa pelos seus vinhos brancos e por isso mencionada por Shakespeare na sua peça teatral Henrique VI.

Existe de facto uma forte ligação entre esta Quinta e o Reino Unido. Em 1703, Luís de Vasconcelos e Sousa, terceiro Conde de Castelo Melhor, foi um dos grandes intermediários nas negociações do contrato de casamento entre a Princesa Catarina de Bragança e o Rei de Inglaterra Carlos II. Em honra da Princesa, instituiu o Morgadio de Santa Catherina, tendo nele incluído a Quinta da Romeira.

Blend_All_About_Wine_Quinta_Romeira_1 Quinta da Romeira – qualidade e consistência! Quinta da Romeira – qualidade e consistência! Blend All About Wine Quinta Romeira 1

Janela Manuelina © Blend All About Wine, Lda.

Em início do século XIV, o nobre Solar da Romeira ofereceu estadia a Sir Arthur Wellesley, mais tarde Duque de Wellington, de cujas janelas manuelinas avistava as famosas linhas de Torres Vedras, que mandou construir às portas de Lisboa com o objectivo de impedir o exército invasor (Francês) de alcançar a capital do Reino de Portugal.

Provando os vinhos de Bucelas e deles se tendo tornado forte apreciador, enviou-os para o monarca inglês da época, Jorge IV, que também tendo gostado imenso de tais vinhos, os passou a designar por Vinhos de Lisboa.

A Quinta da Romeira foi recentemente adquirida pela Wine Ventures, empresa sediada em Lisboa e liderada por Francisco de Sousa Ferreira, homem como elevada craveira na área da gestão, designadamente em empresas do sector do vinho e outras bebidas, como a Unicer e a Sogrape, onde desempenhou funções de Administrador Executivo.

Blend_All_About_Wine_Quinta_Romeira_2 Quinta da Romeira – qualidade e consistência! Quinta da Romeira – qualidade e consistência! Blend All About Wine Quinta Romeira 2

José SIlva, Maria Godinho and Manuel Pires da Silva © Blend All About Wine, Lda.

A liderança na área da enologia encontra-se presentemente nas mãos de Manuel Pires da Silva, com longa e comprovada carreira, designadamente na Quinta do Minho. Manuel conta com a colaboração da promissora enóloga Maria Godinho, que acrescenta juventude e criatividade ao grupo e ainda com a colaboração do conhecido e prestigiado enólogo Manuel Vieira.

Foi por esta simpática equipa e ainda pela profissional e dinâmica Directora de Marketing, Catarina Rente, que a Blend | All About Wine foi recebida no passado dia 25 de Setembro.

Blend_All_About_Wine_Quinta_Romeira_3 Quinta da Romeira – qualidade e consistência! Quinta da Romeira – qualidade e consistência! Blend All About Wine Quinta Romeira 3

Copos de Prova © Blend All About Wine, Lda.

Numa prova muito bem organizada, provamos um total de 7 vinhos. Cinco brancos e dois tintos. A qualidade e consistência demonstrada pelos diferentes vinhos é de facto assinalável. Os brancos são frescos, com uma acidez notável e um delicioso toque de maresia e salinidade que a proximidade do mar lhes proporciona.

Os tintos, elaborados a partir da nossa Touriga Nacional e das castas francesas Merlot e Cabernet Sauvignon, mostraram bom corpo, boa estrutura e deram-nos excelentes sinais sobre a pretensão desta empresa em produzir também vinhos tintos
De facto a Quinta da Romeira fica muito perto do mar e do vasto estuário do tejo.

Possui a maior vinha contínua de Arinto, cerca de 75 hectares, e é, na minha opinião, a produtora dos melhores Arintos da região, não só no que toca à sua tipicidade como também à sua imbatível qualidade/preço. Se querem provar um arinto de Bucelas, não hesitem em comprar Quinta da Romeira!

Confesso-me uma fã incondicional dos Arintos desta casa e por isso aqui ficam as minhas notas pessoais sobre aquilo a que chamo – a magnífica trilogia!

Blend_All_About_Wine_Quinta_Romeira_4 Quinta da Romeira – qualidade e consistência! Quinta da Romeira – qualidade e consistência! Blend All About Wine Quinta Romeira 4

Prova Régia 2013 © Blend All About Wine, Lda.

Prova Régia 2013
Estagiou durante um mês sobre as borras finas e exibe um nariz exuberante com notas de fruta tropical, como ananás e maracujá, acompanhadas de delicados apontamentos cítricos. Na boca mostra-se muito fresco, com uma acidez muito bem controlada, num fundo bastante mineral. Um vinho versátil e consensual.

Blend_All_About_Wine_Quinta_Romeira_5 Quinta da Romeira – qualidade e consistência! Quinta da Romeira – qualidade e consistência! Blend All About Wine Quinta Romeira 5

Prova Régia Reserva 2013 © Blend All About Wine, Lda.

Prova Régia Reserva 2013
Cerca de 10% deste vinho é fermentado em barricas novas de carvalho francês. Apenas a percentagem suficiente para lhe conferir complexidade, sem que a madeira se faça sentir e permita a exibição de todo o seu carácter varietal. Muito cítrico, lima e limão a dominar o seu conjunto aromático, aos quais se juntam as notas de tropicalidade e suaves sensações de salinidade. Mineral e fresco, possuí um final longo e elegante. Um exemplar vivo da qualidade do Arinto de Bucelas.

Blend_All_About_Wine_Quinta_Romeira_6 Quinta da Romeira – qualidade e consistência! Quinta da Romeira – qualidade e consistência! Blend All About Wine Quinta Romeira 6

Morgado de Sta. Catherina 2012 © Blend All About Wine, Lda.

Morgado de Sta. Catherina 2012
Aroma dominado por notas cítricas numa versão suavemente mais compotada. A mineralidade faz-se também sentir, acompanhada de ligeiras sensações de mel e toques especiados. Fruto da sua fermentação em madeira, exibe uma estrutura notável. Volumoso e guloso, é também muito elegante e cheio de personalidade. Com uma acidez irrepreensível e um final bastante persistente, mostra-se um Arinto, altivo, nobre e marcante.

Contactos
Wine Ventures LDA
Quinta da Romeira de Cima
2670-678 Bucelas
Portugal
Tel.: (+351) 219 687 023 (+351) 219 687 071
Email: info@wineventures.eu
Site: www.wineventures.eu

Quinta do Sanguinhal – uma verdadeira viagem ao passado!

Texto Olga Cardoso

A visita à Quinta do Sanguinhal foi para mim uma verdadeira surpresa. Um encontro com o passado do vinho, da região, com relatos de vidas de outrora e, neste caso concreto, com uma impressionante vida dedicada ao empreendedorismo.

Blend_All_About_wine_Quinta_Do_Sanguinhal_1 Quinta do Sanguinhal – uma verdadeira viagem ao passado! Quinta do Sanguinhal – uma verdadeira viagem ao passado! Blend All About wine Quinta Do Sanguinhal 1

Quinta do Sanguinhal © Blend All About Wine, Lda.

Falo de Abel Pereira da Fonseca, que fundou a Companhia Agrícola do Sanguinhal para administrar as propriedades que possuía na região do Bombarral.

Nessa época, a também sua Sociedade Comercial Abel Pereira da Fonseca detinha e explorava a maior rede de estabelecimentos de venda ao público no país, com cerca de 100 lojas em Lisboa. Fernando Pessoa foi várias vezes “apanhado” nessas lojas em “flagrante delitro”, segundo o próprio costumava dizer.

Blend_All_About_wine_Quinta_Do_Sanguinhal_2 Quinta do Sanguinhal – uma verdadeira viagem ao passado! Quinta do Sanguinhal – uma verdadeira viagem ao passado! Blend All About wine Quinta Do Sanguinhal 2

Quinta do Sanguinhal © Blend All About Wine, Lda.

A empresa dedicou-se desde sempre à produção e comércio de vinhos. Para o efeito, vinificava separadamente os vinhos das Quintas das Cerejeiras, do Sanguinhal e de São Francisco nas respectivas adegas, possuindo no conjunto uma capacidade em toneis e balseiros de madeira de carvalho e mogno da ordem dos dois milhões de litros, utilizados para a fermentação, armazenagem e envelhecimento de vinhos de mesa, vinhos licorosos e aguardentes.

A Companhia Agrícola do Sanguinhal dedica-se à exploração de 3 Quintas na Designação de Origem de Óbidos que perfazem, em conjunto, 95 ha de vinha: Quinta do Sanguinhal, Quinta das Cerejeiras e Quinta de S. Francisco. Os nomes destas Quintas representam os vinhos DOC mais prestigiados desta empresa familiar.

Mais recentemente, a empresa decidiu igualmente investir nas áreas do turismo e dos eventos, de forma a aproveitar as enormes potencialidades de todos os seus espaços. Assim, recuperou adegas, lagares e a destilaria, tornando-os em espaços de enorme interesse para qualquer enoturista.

Quinta do Sanguinhal – uma verdadeira viagem ao passado! Quinta do Sanguinhal – uma verdadeira viagem ao passado! Blend All About wine Quinta Do Sanguinhal 3

Quinta do Sanguinhal © Blend All About Wine, Lda.

Na Quinta do Sanguinhal é a própria família Pereira da Fonseca que recebe os visitantes. Fomos recebidos por Ana Pereira da Fonseca Reis, a responsável pela área de enoturismo e com vastos conhecimentos sobre os vinhos que ali se produzem, que nos proporcionou uma visita muito agradável e profissional.

As visitas e provas de vinhos, que por decisão familiar, não são conduzidas por metodologias convencionais, pretendem dar a conhecer uma história de 100 anos na área vitivinícola portuguesa e proporcionar aos clientes uma alternativa aos circuitos habituais.

Para além de provar diferentes estilos de vinho, o visitante poderá ainda passear nos jardins do séc. XIX, assim como pelas belíssimas vinhas da Quinta. Visitar uma antiga destilaria totalmente recuperada, onde antigamente se produziam aguardentes vínicas e aguardentes bagaceiras. Visitar um antigo lagar com prensas de vara, datadas de 1871, e ainda uma cave de envelhecimento com 36 tonéis. Uma experiência que aconselho vivamente!

O portefólio da Companhia Agrícola do Sanguinhal é bastante vasto e diversificado. Impossível falar de todos os vinhos aqui e agora. Por essa razão, da prova realizada destaco os vinhos que se seguem:

Blend_All_About_wine_Quinta_Do_Sanguinhal_4 Quinta do Sanguinhal – uma verdadeira viagem ao passado! Quinta do Sanguinhal – uma verdadeira viagem ao passado! Blend All About wine Quinta Do Sanguinhal 4

Quinta de S. Francisco Branco 2013

Blend_All_About_wine_Quinta_Do_Sanguinhal_5 Quinta do Sanguinhal – uma verdadeira viagem ao passado! Quinta do Sanguinhal – uma verdadeira viagem ao passado! Blend All About wine Quinta Do Sanguinhal 5

Quinta das Cerejeiras Branco Reserva 2012 © Blend All About Wine, Lda.

 

 

 

 

 

 

Quinta de São Francisco Branco 2013
Proveniente de solo argiloso e feito a partir das castas Vital, Fernão Pires e Arinto, apresenta-se elegante no aroma, com notas cítricas em destaque. Na boca mostra-se fresco, harmonioso e equilibrado. Possui um final delicado e de média intensidade.

Quinta das Cerejeiras Branco Reserva 2012
Elaborado através das castas Chardonnay, Arinto e Vital, apresenta uma cor de um amarelo já levemente dourado. No aroma é austero e revela alguma complexidade. Boca com boa estrutura e fruta de pomar em destaque. Maças maduras e algum pêssego. A madeira está bem integrada mas mostrou trabalho, ao proporcionar-lhe ligeiras sensações de baunilha. Final elegante e intenso.

Blend_All_About_wine_Quinta_Do_Sanguinhal_6 Quinta do Sanguinhal – uma verdadeira viagem ao passado! Quinta do Sanguinhal – uma verdadeira viagem ao passado! Blend All About wine Quinta Do Sanguinhal 6

Casabel Rosé 2013

Casabel Rosé 2013
Proveniente das castas Aragonês, Castelão e Syrah, este rosé mostra um nariz exuberante, com predominância de frutos vermelhos como morangos e framboesas. Na boca mostra-se seco, fresco e com um final delicado. Funciona bem como aperitivo, mas também demonstrou possuir boa aptidão gastronómica.

Blend_All_About_wine_Quinta_Do_Sanguinhal_7 Quinta do Sanguinhal – uma verdadeira viagem ao passado! Quinta do Sanguinhal – uma verdadeira viagem ao passado! Blend All About wine Quinta Do Sanguinhal 7

Quinta do Sanguinhal Tinto 2009 © Blend All About Wine, Lda.

Blend_All_About_wine_Quinta_Do_Sanguinhal_8 Quinta do Sanguinhal – uma verdadeira viagem ao passado! Quinta do Sanguinhal – uma verdadeira viagem ao passado! Blend All About wine Quinta Do Sanguinhal 8

Quinta das Cerejeiras Reserva Tinto 2008 © Blend All About Wine, Lda.

 

 

 

 

 

 

Quinta do Sanguinhal Tinto 2009
No nariz revela aromas a frutos do bosque e alguma fruta preta madura, como amoras e ameixa. Alguma baunilha e toques especiados são também evidentes. Na boca apresenta uma boa estrutura, com taninos presentes mas macios, boa acidez e final elegante.

Quinta das Cerejeiras Reserva Tinto 2008
Este vinho exibe o rótulo mais antigo de Portugal. Mantém inalterado desde 1926. É uma das joias da coroa. Proveniente das castas Castelão, Aragonês e Touriga Nacional, apresenta um nariz contido mas complexo. Frutos pretos e compotados mostram-se de imediato. Alguma caruma, suaves fumados e notas especiadas, complementam a sua palete olfactiva. A boca volumosa e densa, mas também macia e aveludada. Equilibrado e harmonioso, possui um final elegante e persistente.

Contactos
Quinta das Cerejeiras
Apartado 5
2544-909 Bombarral
Tel: (+351) 262 609 190
Fax: (+351) 262 609 191
Email: info@vinhos-sanguinhal.pt
Site: www.vinhos-sanguinhal.pt

Chryseia 2012 – a nova coqueluche da Prats & Symington!

Texto Olga Cardoso

No passado dia 11 de Setembro, a Prats & Symington apresentou o seu Chryseia 2012 no restaurante portuense Pedro Lemos, situado na Foz do Douro, mais precisamente na chamada Foz Velha.

Blend_All_About_Wine_Chryseia_2012_the_darling_of_Prats_&_Symington_1 Chryseia 2012 – a nova coqueluche da Prats & Symington! Chryseia 2012 – a nova coqueluche da Prats & Symington! Blend All About Wine Chryseia 2012 the darling of Prats  Symington 1

Vinhos Provados © Prats & Symington, Lda.

O Chef Pedro Lemos, que empresta o nome ao seu próprio restaurante, foi o autor do fantástico menu que acompanhou não só a prova do Chryseia 2012, como também das novas colheitas do Post Scriptum 2012 e do Prazo de Roriz 2011 – as outras duas referências da casa.

Importa referir que o Chryseia nasce de uma parceria entre as famílias Prats & Symington para produzir um dos Vinhos Douro DOC mais reconhecidos em Portugal e no estrangeiro ao longo dos últimos quinze anos, tendo sido o primeiro vinho tranquilo português (a segunda colheita datada de 2001) a configurar no ‘TOP 100’ da conceituada revista Wine Spectator, colocado na 19º posição com 94 pontos. Em Janeiro de 2013, o Chryseia 2011 obteve 97 pontos da referida Revista – Wine Spectator, a segunda nota mais alta de sempre atribuida a um vinho tranquilo Português.

Blend_All_About_Wine_Chryseia_2012_the_darling_of_Prats_&_Symington_2 Chryseia 2012 – a nova coqueluche da Prats & Symington! Chryseia 2012 – a nova coqueluche da Prats & Symington! Blend All About Wine Chryseia 2012 the darling of Prats  Symington 2

Bruno Prats & Rupert Symington © Prats & Symington, Lda.

A Prats & Symington nasceu em 1999 de uma parceria estabelecida entre as famílias com os mesmos apelidos. A parceria entre Bruno Prats, produtor de Bordéus, antigo proprietário do Château Cos d’Estournel e a família Symington, uma das maiores proprietárias de vinhas no Douro (cerca de 27 Quintas com aproximadamente 1.000 hectares de vinha e com marcas como a Graham’s, Dow’s, Warre’s, Cockburn’s, Quinta do Vesúvio e Altano no seu portefólio), combina as tradições e o conhecimento de duas das maiores regiões de vinho do mundo, aplicando este conhecimento às castas únicas e ao terroir do vale do Douro.

O evento foi apresentado por Bruno Prats e Rupert Symington, responsáveis da Prats & Symington, e nele participaram alguns dos mais conhecidos elementos da imprensa e do trade português. Ninguém parece ter querido perder a apresentação deste vinho notável!

O almoço iniciou-se então com um prato de pombo com salsifis e ervilhas, devidamente harmonizado com Prazo de Roriz 2011.

Blend_All_About_Wine_Chryseia_2012_the_darling_of_Prats_&_Symington_3 Chryseia 2012 – a nova coqueluche da Prats & Symington! Chryseia 2012 – a nova coqueluche da Prats & Symington! Blend All About Wine Chryseia 2012 the darling of Prats  Symington 3

Pombo © Prats & Symington, Lda.

Seguiu-se uma barriga de atum rabilho que combinou na perfeição com o Post Scriptum 2012.

Blend_All_About_Wine_Chryseia_2012_the_darling_of_Prats_&_Symington_4 Chryseia 2012 – a nova coqueluche da Prats & Symington! Chryseia 2012 – a nova coqueluche da Prats & Symington! Blend All About Wine Chryseia 2012 the darling of Prats  Symington 4

Barriga de Atum Rabilho © Prats & Symington, Lda.

Para harmonizar com a estrela da companhia – o Chryseia 2012, o Chef Pedro Lemos criou um prato de vitela envelhecida com feijão maduro e toucinho fumado. Fantástica!

Blend_All_About_Wine_Chryseia_2012_the_darling_of_Prats_&_Symington_5 Chryseia 2012 – a nova coqueluche da Prats & Symington! Chryseia 2012 – a nova coqueluche da Prats & Symington! Blend All About Wine Chryseia 2012 the darling of Prats  Symington 5

Vitela Envelhecida © Prats & Symington, Lda.

Para acompanhar a sobremesa, foi servido um excelente Porto Vintage 2003 da Quinta de Roriz. O Porto era sem dúvida muito bom…mas o Chryseia 2012 também, pelo que deixar de o ter perto de nós parecia impossível!

Blend_All_About_Wine_Chryseia_2012_the_darling_of_Prats_&_Symington_6 Chryseia 2012 – a nova coqueluche da Prats & Symington! Chryseia 2012 – a nova coqueluche da Prats & Symington! Blend All About Wine Chryseia 2012 the darling of Prats  Symington 6

Sobremesa © Blend All About Wine, Lda

Prazo de Roriz tinto 2011
Boa presença aromática, com notas de fruta preta como ameixas e cerejas negras a surgir de imediato. O seu lado balsâmico também se mostra evidente, com notas de menta e eucalipto a complementar a fruta. O corpo é de médio volume e todo o vinho se mostra pronto e harmonioso. Os taninos bem presentes vaticinam-lhe alguma capacidade de envelhecimento. Portugal: €8,90 em Portugal – Reino Unido: £12.

Post Scriptum tinto 2012O seu nariz é charmosamente floral, com vincadas notas de esteva amparadas pela fruta vermelha madura de muito boa qualidade. Na boca apresenta-se fresco, com uma acidez muito correcta e um corpo elegante bem proporcionado. O seu final é longo e a sua capacidade de perdurar no tempo é um dado adquirido. Portugal: €13,50 – Reino Unido: £18.

Chryseia tinto 2012
Foi produzido a partir de uma selecção criteriosa de uvas (72% Touriga Nacional e 28% Touriga Franca),  provenientes das vinhas localizadas nas Quintas de Roriz e da Perdiz, e estagiou durante 15 meses em barricas de carvalho francês de 400 L. A Quinta da Vila Velha, propriedade de um membro da família Symington e vizinha de Roriz, também deu o seu contributo. Combina poder e elegância em absoluta perfeição. Complexo no aroma, com notas de frutos silvestres, sensações especiadas e um fundo muito mineral. A boca revela a utilização de uma madeira de luxo e irrepreensivelmente bem integrada. Equilíbrio, harmonia e sintonia são as palavras que melhor descrevem este vinho. Um tinto colossal! Portugal: €45,00 – Reino Unido: £48,00.

Contactos
Prats & Symington, Lda
Quinta de Roriz
São João da Pesqueira
5130-113 Ervedosa Do Douro
Portugal
Email: info@chryseia.com
Site: www.chryseia.com

Graham’s – Ne Oublie … Um Porto Tawny muito velho

Texto Olga Cardoso

A família Symington lançou um vinho de 1882 para celebrar a chegada do pioneiro da família a Portugal. O nome não poderia ser mais exemplificativo. Ne Oublie – que significa inesquecível ou em inglês, Not Forget ou Unforgerable! Ne Oublie é mais do que um vinho extraordinário, é uma jóia de família, uma relíquia histórica e cultural.

Blend_All_About_Wine_Ne_Oublie_1 Graham’s  - Ne Oublie … Um Porto Tawny muito velho Graham’s  - Ne Oublie … Um Porto Tawny muito velho Blend All About Wine Ne Oublie 1

Ne Oublie – © Blend All About Wine, Lda.

Estas expressões em francês têm origem muitos séculos atrás. Como exemplo podermos referir o Honi soit qui mal y pense que é uma expressão francesa que significa – Envergonhe-se quem nisto vê malícia, muito usada em meios cultos. Também é o lema da Ordem da Jarreteira, comenda britânica criada pelo rei Eduardo III de Inglaterra, no tempo das Cruzadas. É um dos lemas do Reino Unido, estando estampado na sua própria bandeira.

Diz a lenda que, em 1347, durante um baile, a Condessa de Salisbury, amante do mesmo Eduardo III, perdeu a sua liga, azul. O Rei depressa a recolocou, sob o olhar e sorrisos (cúmplices) dos nobres da corte e terá gritado (em francês, que era a língua oficial da corte inglesa) “Messieurs, honni soit qui mal y pense! Ceux qui rient en ce moment seront un jour très honorés d’en porter une semblable, car ce ruban sera mis en tel honneur que les railleurs eux-mêmes le rechercheront avec empressement.” No dia seguinte terá criado a ordem da Jarreteira, tendo como símbolo uma liga azul sobre fundo dourado, que ainda hoje é a mais prestigiosa ordem do Reino Unido, tendo somente 25 membros e cujo único Grão Mestre é o monarca da Inglaterra.

Não poderia ter provado este vinho em melhor companhia…tão britânica! Até o tempo se colocou à feição! Em solo português, Quinta do Bomfim, Pinhão, Douro, sob um enorme temporal de chuva e trovoada e com dois britânicos. Paul Symington, actual administrador da Symington Family Estates e Sarah Ahmed, a escritora inglesa actualmente mais focada em vinhos portugueses. Aos dois agradeço esta experiência!

Blend_All_About_Wine_Ne_Oublie_2 Graham’s  - Ne Oublie … Um Porto Tawny muito velho Graham’s  - Ne Oublie … Um Porto Tawny muito velho Blend All About Wine Ne Oublie 2

Ne Oublie – © Blend All About Wine, Lda.

Muitos consideram o seu preço proibitivo – cerca de € 5.500,00. Mas segundo Paul Symington – estamos a falar não só de uma bebida, mas sim de um produto de luxo, raro e exclusivo. “… se o vinho do Porto não consegue ter um produto ao nível da Hermès, da Cartier ou da Louis Vuitton, significa reconhecer que estamos num segundo nível…”!

E estamos seguramente a falar de um produto de nível superior. Um Porto do final do século XIX apresentado num decanter numerado, feito à mão, em cristal soprado, por mestres vidreiros da fábrica portuguesa Atlantis, com três anéis de prata moldados e gravados pelos ourives escoceses Hayward & Stott e guardado numa caixa de couro especialmente desenhada e produzida à mão pela famosa marca britânica Smythson, da Bond Street.

Os Symington são hoje a principal família do vinho do Porto. Líderes de vendas nas categorias especiais, são detentores das marcas Graham’s, Warre’s, Dow’s, Cockburn’s, Smith Woodhouse, Quinta do Vesúvio, Martinez, Gould Campbell e Quarles Harris e possuem mais de 1000 hectares de vinhas no Douro.

Este império e o elo emocional que a família mantém com o Douro, começaram realmente a ser construídos em 1882, quando o escocês Andrew James Symington, então com 19 anos, chegou a Portugal para trabalhar na Graham’s, outra família escocesa já há muito estabelecida no país e que, na altura, se dedicava à fiação de algodão.

E porque sou uma amante da história e de estórias, corro sempre o risco de me tornar entediante para quem me lê. Para abreviar essa parte…importa agora falar do vinho e da minha prova propriamente dita. [Caso pretenda ler sobre outros tawnies da grahms provados neste site poderão consultar o nosso artigo anterior]
Falamos de um vinho encerrado em apenas três pipas, uma das quais deu origem às 656 garrafas agora no mercado.

Blend_All_About_Wine_Ne_Oublie_3 Graham’s  - Ne Oublie … Um Porto Tawny muito velho Graham’s  - Ne Oublie … Um Porto Tawny muito velho Blend All About Wine Ne Oublie 3

Ne Oublie – © Blend All About Wine, Lda.

Como vinho, encaixa-se na mais pura tradição duriense, a tradição do Tawny, enquanto vinho “generoso” que é guardado em pipas e vai passando de geração para geração. Está na linha do Scion, o vinho com 155 anos que a Taylor’s lançou em 2010 a 2500 euros a garrafa. Apesar do preço elevado, o vinho foi um sucesso e criou um fenómeno de imitação no sector. Num espaço curto de tempo surgiram no mercado vários vinhos do Porto muito velhos a preços nunca vistos. O último a ser lançado foi o Taylor’s Single Harvest 1963, um dos vinhos que esta empresa herdou com a compra, o ano passado, da Wiese & Krohn, uma pequena casa familiar especializada em Porto Colheitas. Também envolvidas num estojo de luxo, cada uma das 1650 garrafas foram postas à venda ao custo de € 3000,00.

Com o Ne Oublie, os Symington colocaram a fasquia num patamar ainda mais alto. Mas, bem vistas as coisas, € 5500,00 – será mais ou menos o preço de uma garrafa de Porto Vintage Noval Nacional de 1963 (sem embalagem de luxo). E há vinhos bastante mais novos franceses, Champanhe, Bordéus e Borgonha — e que não são tão bons – igualmente tão caros. Ne Oublie está longe, pois, de ser uma excentricidade.

São vinhos como estes, exclusivos e apresentados luxuosamente – que elevam o Vinho do Porto ao mais elevado patamar.

Blend_All_About_Wine_Ne_Oublie_4 Graham’s  - Ne Oublie … Um Porto Tawny muito velho Graham’s  - Ne Oublie … Um Porto Tawny muito velho Blend All About Wine Ne Oublie 4

Ne Oublie – © Blend All About Wine, Lda.

Graham’s – Ne Oublie … Very Old Tawny Port
Profundo e hermeticamente concentrado, mostrou uma precisão como nenhum outro. Já provei outros Portos velhos, mas nenhum me impressionou tanto com este. Todos bons, sem dúvida, mas alguns revelam talvez demasiada concentração, excessivo melaço, algumas características exacerbadas ou talvez coisas a mais. Este mostra tudo no sítio. Dizer que se sentem aqui os frutos secos, como as nozes e as avelãs, será já um lugar comum…claro que todos estão presentes! Casca de laranja, algumas notas de madeira velha, algum mel e caramelo. Tudo existe neste vinho tão complexo. Para além disso temos o iodo e as notas de farmácia. A boca é notavelmente avassaladora. Bolas…quanta finura…nunca antes experimentada. Acidez al dente, concentração bem medida, profundidade e complexidade…na medida certa. A característica primordial deste vinho é mesmo a precisão. O mais “certeiro” Tawny alguma vez provado…talvez mesmo um dos maiores exemplares da excelência do DOURO!

Contacts
Symington Family Estates
Travessa Barão de Forrester 86
Apartado 26
4431-901 Vila Nova de Gaia
Portugal
Tel: (+351) 223 776 300
Fax: (+351) 223 776 301
E-mail: symington@symington.com
Site: http: www.symington.com

Trinca Bolotas – Nado e criado no Alentejo!

Texto Olga Cardoso

Provei este vinho pela primeira vez num almoço organizado pela Sogrape, no restaurante Largo, em pleno Chiado Lisboeta.

Pela mão do Chef Miguel Castro e Silva, fomos experimentando diferentes pratos bem harmonizados com vinhos da Herdade do Peso (Peso Estate).

Blend_All_About_Wine_Trinca_Bolotas Trinca Bolotas – Nado e criado no Alentejo! Trinca Bolotas – Nado e criado no Alentejo! Blend All About Wine Trinca Bolotas

© Blend – All About Wine, Lda.

O mote deste encontro era precisamente a apresentação deste novo vinho alentejano e a mesa não poderia estar melhor decorada. Estava repleta de sobreiros em forma de bonsai, os quais no final do almoço foram simpaticamente oferecidos aos convivas.

À semelhança da mesa, o nome e a imagem do vinho também não poderiam ter sido melhor conseguidos.

A cor laranja remete-nos para a luz e o calor das planícies alentejanas e o nome Trinca Bolotas homenageia o tradicional “porco boloteiro”, o único sobrevivente dos suínos de pastoreio da Europa.

Blend_All_About_Wine_Trinca_Bolotas_Cachaço_de_Porco_1 Trinca Bolotas – Nado e criado no Alentejo! Trinca Bolotas – Nado e criado no Alentejo! Blend All About Wine Trinca Bolotas Cacha  o de Porco 1

Cachaço de Porco – © Blend – All About Wine, Lda.

Como não poderia deixar de ser, o prato escolhido pelo Chef Miguel Castro e Silva para harmonizar com o Trinca Bolotas foi um tenro e delicioso Cachaço de Porco. Excelente ligação!

Segundo Luis Cabral de Almeida, o enólogo que assume agora os destinos da Herdade do Peso, depois de 10 anos passados na Finca Flichman, também propriedade da Sogrape e situada em Mendonza, Argentina, dada a sua excepcional relação qualidade/preço (€ 5,99), este vinho é um sério candidato ao lugar de embaixador da viticultura da região.

Trata-se de facto de um vinho elaborado por uvas produzidas em conformidade com as directrizes de produção integrada de agricultura sustentável, ao qual facilmente poderemos vaticinar um grande sucesso comercial.

Blend_All_About_Wine_Trinca_Bolotas_Wine_2 Trinca Bolotas – Nado e criado no Alentejo! Trinca Bolotas – Nado e criado no Alentejo! Blend All About Wine Trinca Bolotas Wine 2

Trinca Bolotas – Photo provided by Sogrape Vinhos, SA | All Rights Reserved

TRINCA BOLOTAS TINTO 2013 – DOC ALENTEJO
Na verdade este vinho não poderia ser mais alentejano! Faz inteiramente jus à região. No nome, na imagem, mas também nas suas características intrínsecas. Elaborado a partir das castas Alicante Bouschet (44%), Touriga Nacional (40%) e Aragonêz (16%), estagiou durante 6 meses em barricas novas de carvalho francês e caucasiano.

O charme do Alicante Bouschet made in Alentejo, faz-se bem sentir. Na cor, no volume e nos aromas a fruta preta de grande qualidade. A Touriga Nacional confere-lhe todo o seu lado floral e o Aragonês fecha o leque com aromas de fruta vermelha madura.

Na boca mostra-se bem fresco (sim a Vidigueira, por muito que achem que não, é um paraíso de frescura) e revela também boa estrutura, acidez correcta e taninos, que embora presentes, são macios e perfeitamente adequados à harmonização deste vinho com diferentes iguarias, nomeadamente, os tradicionais e deliciosos pratos de carne alentejanos.

Um vinho que faltava no portefólio alentejano da Sogrape Vinhos!


Trinca Bolotas. Da sua mesa vê-se o Alentejo | 2014 – (c) Sogrape Vinhos, SA

E porque o melhor se deixa sempre para o fim (pelo menos eu gosto de o fazer) aqui fica um pequeno vídeo, que nos mostra a vida deste Trinca Bolotas (e do porco propriamente dito!) no seu habitat natural – as planícies alentejanas ou mais propriamente … a Herdade do Peso.

Contactos
Herdade Do Peso E Anexas – Sociedade Agrícola, Lda.
Rua da Misericórdia 46
Site: www.herdadedopeso.pt

Niepoort – Batuta 2001

Texto Olga Cardoso

Estamos perante um vinho que gerou uma certa celeuma aquando da sua saída para o mercado. Para muitos, ascendeu prontamente ao melhor Batuta de sempre. Para outros, tornou-se numa fonte de discordâncias e contestações. Terá o produtor o direito de alterar o perfil de um vinho deste segmento, com este estatuto e com tamanha fileira de apreciadores?

Pois parece-me um tema de elevado interesse para uma animada discussão. Razões assistirão às diferentes facções. Tanto quanto conheço do Dirk Nieepoort e da sua paixão por vinhos, os dogmas e os status quo não serão certamente factores determinantes. Sem comprometer a qualidade, a sua fidelização de clientes, assentará mais na busca permanente da diferenciação, na vontade de ir mais além, de querer fazer mais e melhor e de experimentar até à exaustão numa busca incessante pela excelência.

Blend_All_About_Wine_Niepoort_Batuta_2001 Niepoort - Batuta 2001 Niepoort - Batuta 2001 Blend All About Wine Niepoort Batuta 2001

Niepoort Batuta 2001 © Blend All About Wine, Lda | Todos os Direitos Reservados

Este Batuta mostrou-se mais desafiador e mais irreverente. Talvez um pouco mais contido à entrada, mas com o tempo em copo foi-se soltando e revelando todo o seu esplendor. Fruta e barrica em perfeito equilíbrio como se impunha. Os frutos eram de cariz silvestre. Amoras e mirtilos em evidência.
A tosta é já ligeira e muito bem integrada. Notas balsâmicas aparecem aqui e ali. Sensações terrosas e resinosas marcam a sua presença.

Tudo num registo muito bem desenhado e sem arestas. A sua acidez é perfeita e os seus taninos, embora presentes, são já muito suaves e sedosos. A sua longevidade parece ser já uma certeza, assim como o seu carácter e o seu enorme equilíbrio.

Desenganem-se os amantes da testosterona, pois não será aqui que irão encontrar a sua “terra prometida”. Um vinho que sem deixar de ser potente é também muito elegante, pleno de vitalidade e fulgor, um vinho com enorme profundidade e com um final ad infinitum!

Contactos
Niepoort (Vinhos) S.A.
Rua Cândido dos Reis, 670
4400-071 Vila Nova de Gaia
Tel. (+351) 223 777 770
Fax. (+351) 223 320 209
Email: info@niepoort.pt
Site: www.niepoort-vinhos.com

Quinta do Vallado – Tawnies 30 e 40 anos

Texto Olga Cardoso

Lançados no mercado em finais de 2012, estes Tawnies datados vem confirmar toda a qualidade dos vinhos produzidos pela Quinta do Vallado. Depois da excelência do seu Tawny 20 anos, esta Quinta, anteriormente detida pela lendária D. Antónia Ferreira e actualmente nas mãos da sua 5ª geração, colocou no mercado dois Portos velhos de bela estrutura e tonicidade.

São vinhos plenos de história. Vinhos mantidos pela mestria dos enólogos, que neste caso particular, mais do que fazer…importa não estragar o que o tempo já fez! Vinhos nobres e enaltecidos pela força da evaporação, que lhes confere uma enorme concentração e os transforma quase numa essência.

QUINTA DO VALLADO_blend Quinta do Vallado – Tawnies 30 e 40 anos Quinta do Vallado – Tawnies 30 e 40 anos QUINTA DO VALLADO blend

Quinta do Vallado Tawnies – © Blend – All About Wine | Todos os Direitos Reservados

TAWNY 30 ANOS 

De cor ambarina com laivos alaranjados, este Tawny mostra-se de fácil empatia. Do encanto do vinagrinho à casca de laranja, das amêndoas torradas à noz-moscada, do figo seco aos pralinés, tudo se desvenda do seu conjunto olfactivo complexo e sedutor. Na boca apresenta-se glicerinado e viscoso. Com uma acidez muitíssimo bem medida, termina intenso e com notável profundidade. Exemplo de verdadeira mestria!

TAWNY 40 ANOS

De ar grave e sério, este Porto datado apresenta uma cor acobreada intensa e escura. No nariz revela notas inflamadas de caramelo, noz, avelã e muito, muito café. Bastante especiado, com evidentes toques de cravinho e canela, mostra-se untuoso, volumoso e aprimorado. Compacto e elegante, exibe uma frescura e uma acidez absolutamente irrepreensíveis. Perfeito para momentos de introspecção e para meditar nas grandes decisões da vida.

Contactos
Quinta do Vallado – Sociedade Agrícola, Lda.
Vilarinho dos Freires
5050-364 – Peso da Régua | Portugal
Phone: +351 254 318 081
Email: geral@quintadovallado.comgeral@quintadovallado.com
Site: www.quintadovallado.com