Colares – A Mais “Ridícula” Região de Vinho do Mundo Jen Pfeiffer: Sou uma rapariga de Fortificados!

As talhas do senhor José

Texto João Pedro de Carvalho

O fascínio por estes vinhos vem dos meus tempos de criança, relembro as conversas que se tinham à mesa nos jantares de família, um desses nomes era um tal de Tinto Velho que tanto Natal acompanhou. Ora esse mesmo Tinto Velho é proveniente da Casa Agrícola José de Sousa Rosado Fernandes (Reguengos de Monsaraz), onde o prestígio e a história se aliam a tradicionais técnicas de vinificação, desde os lagares, passando pelos tonéis, às tradicionais talhas de barro.

Blend_All_About_Wine_The_Amphoras_of_Mr_Joseph As talhas do senhor José As talhas do senhor José Blend All About Wine The Amphoras of Mr Joseph

Detalhe de data em tonel – Foto de João Pedro de Carvalho | Todos os Direitos Reservados

É nas imponentes talhas que reside toda a magia e encanto destes vinhos, é daquelas porosas paredes que se transmitem anos de saber a todos os vinhos que por lá passam. Pelo meio ficou esquecida toda uma arte de fabrico que dificilmente irá voltar, resta pois venerar e contemplar todo o património que reside na Adega dos Potes e saborear os vinhos que ali são criados. Os rótulos contam que por ali já se faz vinho pelo menos desde 1878, os registos são parcos e apenas a glória dos vinhos que perduraram no tempo nos conta a história de tão gloriosa casa, como o épico o Tinto Velho 1961 ou aquele que é um dos mais emblemáticos do historial vínico de Portugal, o Tinto Velho 1940.

Blend_All_About_Wine_The_Amphoras_of_Mr_Joseph_VinhaVelhaHerdadeMontedaRibeira As talhas do senhor José As talhas do senhor José Blend All About Wine The Amphoras of Mr Joseph VinhaVelhaHerdadeMontedaRibeira

Old Vineyard of Herdade do Monte da Ribeira – Foto cedida por José Maria da Fonseca | Todos os Direitos Reservados

Tudo começa na Herdade do Monte da Ribeira, onde se encontram os 72 hectares de vinha, em solos de origem granítica, que foi plantada ao longo dos anos tendo o próprio José de Sousa plantado ali vinha no princípio dos anos 50. Castas como Trincadeira, Aragonês, Grand Noir… fazem parte dos encepamentos e são nos dias de hoje a base dos vinhos José de Sousa.

Blend_All_About_Wine_The_Amphoras_of_Mr_Joseph_Adega_dos_Potes As talhas do senhor José As talhas do senhor José Blend All About Wine The Amphoras of Mr Joseph Adega dos Potes

Adega de Potes – Foto cedida por José Maria da Fonseca | Todos os Direitos Reservados

Estas últimas referências fazem parte do portfolio do produtor José Maria da Fonseca que em 1980 começou a engarrafar os vinhos da Casa Agrícola José de Sousa Rosado Fernandes e após a aquisição em 1986 concretiza o sonho de poder produzir vinho no Alentejo. Foi nessa altura que viria a ser descoberto debaixo de um monte de sacas de carvão um lote de garrafas do Tinto Velho 1940, um vinho cuja qualidade e longevidade iria servir de meta a alcançar na elaboração dos “novos” José de Sousa.

Assim em 1990 a marca ganhou novo rumo, dividiu-se em duas e por um lado ficou-se com um pequeno José de Sousa, por outro com um pura raça Alentejano de nome José de Sousa Mayor (Garrafeira). O mais pequeno é a continuidade com retoques da nova enologia, mais apelativo e satisfaz plateia alargada, o Mayor é a tentativa de ir ao encontro dos grandes vinhos da antiga Casa Agrícola, mais recente surge o J de José de Sousa o novo topo. Os três têm no coração a bondade da Talha, do barro do Alentejo, da tradição e dos tempos que dificilmente vão voltar.

Blend_All_About_Wine_The_Amphoras_of_Mr_JosephJoseSousa_Trilogia As talhas do senhor José As talhas do senhor José Blend All About Wine The Amphoras of Mr JosephJoseSousa Trilogia

José de Sousa – Foto cedida por José Maria da Fonseca | Todos os Direitos Reservados

José de Sousa 2011
O “Zé” mudou de camisa, adaptou-se aos tempos modernos e veio morar para a cidade. Este alentejano de gema tem vindo a adaptar-se aos tempos que correm, continua no entanto fiel às origens. Sempre o conheci com um saquinho de figos secos e uma onça de tabaco de enrolar no bolso, botas marcadas pelo barro da Herdade onde nasceu, o “Zé” é um tipo porreiro, sem grandes complexos e sempre bem disposto, grande amigo da petisqueira. Por mais anos que passem por ele, por mais que mude de camisa não perde o sotaque bem vincado, nem vira cara às suas origens (nasceu em Reguengos de Monsaraz). Afinal de contas são estes amigos que gostamos de ter como companheiros de mesa, nunca nos deixam ficar mal vistos e proporcionam bons momentos de convívio. Da última vez que nos encontrámos em 2011, falou-me da Grand Noir, da Trincadeira e da Aragonês, sempre bem disposto a conversa durou toda a refeição. Se o virem por aí não hesitem em dar-lhe uma palavrinha…

José de Sousa Mayor 2011
Continua Mayor o tinto José de Sousa (Reguengos de Monsaraz) de fina estirpe Alentejana e cuja fatiota se tem vindo a adaptar aos tempos modernos. Um tinto mais opulento, cheio de genica e mais pronto a beber, com mais gorduras e sem ser tão tenso ou rijo como me recordo dos tempos da juventude de um 1994 ou 1997. Continua no entanto a ser um belo tinto da planície, onde predomina a casta Grand Noir, num todo que conjuga fruta escura e gulosa com folha de tabaco, café, especiarias (cravinho), barro, tudo embrulhado numa barrica que não chateia. Ainda novo com tudo para se desenvolver, fruta bem presente na prova de boca, alguns taninos em fundo embora todo ele a mostrar elegância, aptidão para guarda prolongada, sendo desde já companheiro de um bom Ensopado de Borrego.

J de José de Sousa 2011
Um dos grandes vinhos do Alentejo, pontifica a Grand Noir com Touriga Nacional e Touriga Francesa. Bastante charmoso e cheio de finesse, a mostrar desde o princípio toda a sua classe num conjunto de alto gabarito. Perfeita a simbiose entre lagares/barro/madeira, que resulta num vinho que mostra o melhor do Alentejo, a frescura da fruta bem carnuda envolta por uma boa estrutura que lhe garante longevidade. Tudo com grande complexidade, chocolate, balsâmico, floral, a fruta muito fresca e bem delineada como todo o conjunto a mostrar muita classe e elegância. Pelo meio o travo terroso e fresco do barro muito subtil, envolve os sentidos com bastante prazer, boca com estrutura firme, amplo e aveludado, profundo num final de boca longo e especiado. Memorável com umas perdizes estufadas.

Blend_All_About_Wine_The_Amphoras_of_Mr_JosephJoseSousa1940 As talhas do senhor José As talhas do senhor José Blend All About Wine The Amphoras of Mr JosephJoseSousa1940

José de Sousa Rosado Fernandes 1940 – Foto cedida por José Maria da Fonseca | Todos os Direitos Reservados

José de Sousa Rosado Fernandes 1940
São 74 anos de vida de um verdadeiro ícone da enologia em Portugal, a todos os níveis memorável e a mostrar uma saúde invejável, com bastante frescura que lhe ampara todo o conjunto. Escuro e glicérico, rebordo acastanhado a mostrar que o tempo já passou por ele, muito complexo com terciários luxuosos, notas de ameixa e alguma compota, chocolate de leite, flores, notas de barro. E de repente o tempo para e damos conta que estamos perdidos no meio do copo por entre um mar de aromas. Fantástico.

Contactos
QUINTA DA BASSAQUEIRA – ESTRADA NACIONAL 10,
2925-542 VILA NOGUEIRA DE AZEITÃO, SETUBAL, PORTUGAL
Tel.: (+351) 212 197 500
Email: info@jmf.pt
Site: www.jmf.pt

      About João Pedro Carvalho
      Wine Writer Blend | All About Wine

      Leave a Reply

      Your email address will not be published.